<

1 de Agosto: Isaías 34 a 37

Isaías 34

Julgamento contra as Nações

1Aproximem-se, nações, e escutem; prestem atenção, ó povos! Que o ouçam a terra e tudo o que nela há,
o mundo e tudo o que dele procede!
2 O Senhor está indignado contra todas as nações; sua ira está contra todos os seus exércitos. Ele os destruirá totalmente, ele os entregará à matança.
3 Seus mortos serão lançados fora e os seus cadáveres exalarão mau cheiro; os montes se encharcarão
do sangue deles.
4 As estrelas dos céus serão todas dissolvidas, e os céus se enrolarão como um pergaminho;
todo o exército celeste cairá como folhas secas da videira e da figueira.

5 Quando minha espada embriagar-se nos céus, saibam que ela descerá para julgar Edom,
povo que condenei à destruição.
6 A espada do Senhor está banhada em sangue, está coberta de gordura, sangue de cordeiros e de bodes,
gordura dos rins de carneiros. Pois o Senhor exige sacrifício em Bozra e grande matança em Edom.
7 Com eles cairão os bois selvagens, e os novilhos com os touros. A terra deles ficará ensopada de sangue,
e o pó se encharcará de gordura.

8 Pois o Senhor terá seu dia de vingança, um ano de retribuição, para defender a causa de Sião.
9 Os riachos de Edom se transformarão em piche, em enxofre, o seu pó; sua terra se tornará betume ardente!
10 Não se apagará de dia nem de noite; sua fumaça subirá para sempre. De geração em geração
ficará abandonada; ninguém voltará a passar por ela.
11 A coruja-do-deserto e a coruja estridente a possuirão; o corujão e o corvo farão nela os seus ninhos.
Deus estenderá sobre Edom o caos como linha de medir, e a desolação como fio de prumo.
12 Seus nobres nada terão ali que possa chamar-se reino, e todos os seus líderes desaparecerão.
13 Espinhos tomarão de assalto as suas cidadelas; urtigas e sarças cobrirão as suas fortalezas.
Será um antro de chacais e moradia de corujas.
14 Criaturas do deserto se encontrarão com hienas, e bodes selvagens balirão uns para os outros;
ali também descansarão as criaturas noturnas e acharão para si locais de descanso.
15 Nela a coruja fará ninho, chocará seus ovos e cuidará dos seus filhotes à sombra de suas asas;
os falcões também se ajuntarão ali, cada um com o seu par.

16 Procurem no livro do Senhor e leiam:

Nenhum desses animais estará faltando; nenhum estará sem o seu par. Pois foi a sua boca que deu a ordem,
e o seu Espírito os ajuntará.
17 Ele designa as porções de cada um; sua mão as distribui por medida. Eles se apossarão delas para sempre,
e ali habitarão de geração em geração.

.............................................................................................................................................

Isaías 35

A Alegria dos Redimidos

1O deserto e a terra ressequida se regozijarão; o ermo exultará e florescerá como a tulipa;
2 irromperá em flores, mostrará grande regozijo e cantará de alegria. A glória do Líbano lhe será dada,
como também o resplendor do Carmelo e de Sarom; verão a glória do Senhor, o resplendor do nosso Deus.

3 Fortaleçam as mãos cansadas, firmem os joelhos vacilantes;
4 digam aos desanimados de coração:“Sejam fortes, não temam! Seu Deus virá, virá com vingança;
com divina retribuição virá para salvá-los”.

5 Então se abrirão os olhos dos cegos e se destaparão os ouvidos dos surdos.
6 Então os coxos saltarão como o cervo, e a língua do mudo cantará de alegria. Águas irromperão no ermo
e riachos no deserto.
7 A areia abrasadora se tornará um lago; a terra seca, fontes borbulhantes. Nos antros onde outrora havia chacais,
crescerão a relva, o junco e o papiro.

8 E ali haverá uma grande estrada, um caminho que será chamado Caminho de Santidade. Os impuros não passarão por ele; servirá apenas aos que são do Caminho; os insensatos não o tomarão.[a]
9 Ali não haverá leão algum, e nenhum animal feroz passará por ele; nenhum deles se verá por ali. Só os redimidos andarão por ele,
10 e os que o Senhor resgatou voltarão. Entrarão em Sião com cantos de alegria; duradoura alegria coroará sua cabeça. Júbilo e alegria se apoderarão deles, e a tristeza e o suspiro fugirão.

  1. 35.8 Ou os simples não se desviarão dele.

........................................................................................................................................

Isaías 36

A Ameaça de Senaqueribe

1No décimo quarto ano do reinado de Ezequias, Senaqueribe, rei da Assíria, atacou todas as cidades fortificadas de Judá e se apossou delas. 2 Então, de Láquis, o rei da Assíria enviou seu comandante com um grande exército a Jerusalém, ao rei Ezequias. Quando o comandante parou no aqueduto do açude superior, na estrada que leva ao campo do Lavandeiro, 3 o administrador do palácio, Eliaquim, filho de Hilquias, o secretário Sebna e o arquivista real Joá, filho de Asafe, foram ao encontro dele.

4 E o comandante de campo falou: “Digam a Ezequias:

“Assim diz o grande rei, o rei da Assíria: ‘Em que você está baseando essa sua confiança? 5 Você diz que tem estratégia e força militar; mas não passam de palavras vãs. Em quem você confia, para rebelar-se contra mim? 6 Pois veja! Agora você está confiando no Egito, aquela cana esmagada, que fura a mão de quem nela se apóia! Assim é o faraó, o rei do Egito, para todos os que dele dependem. 7 E se você me disser: “No Senhor, o nosso Deus, confiamos”; não são dele os altos e os altares que Ezequias removeu, dizendo a Judá e a Jerusalém: “Vocês devem adorar aqui, diante deste altar”?’

8 “Faça, agora, um acordo com o meu senhor, o rei da Assíria: Eu lhe darei dois mil cavalos — se você puder pôr cavaleiros neles! 9 Como então você poderá repelir um só dos menores oficiais do meu senhor, confiando que o Egito lhe dará carros e cavaleiros? 10 Além disso, você pensa que vim atacar e destruir esta nação sem o Senhor? O próprio Senhor me mandou marchar contra esta nação e destruí-la”.

11 Então Eliaquim, Sebna e Joá disseram ao comandante: “Por favor, fala com os teus servos em aramaico, pois entendemos essa língua. Não fales em hebraico, pois assim o povo que está sobre os muros entenderá”.

12 O comandante, porém, respondeu: “Pensam que o meu senhor mandou-me dizer estas coisas só a vocês e ao seu senhor, e não aos homens que estão sentados no muro? Pois, como vocês, eles terão que comer as próprias fezes e beber a própria urina!”

13 E o comandante se pôs em pé e falou alto, em hebraico: “Ouçam as palavras do grande rei, do rei da Assíria! 14 Não deixem que Ezequias os engane. Ele não poderá livrá-los! 15 Não deixem Ezequias convencê-los a confiar no Senhor, quando diz: ‘Certamente o Senhor nos livrará; esta cidade não será entregue nas mãos do rei da Assíria’.

16 “Não dêem atenção a Ezequias. Assim diz o rei da Assíria: ‘Venham fazer as pazes comigo. Então cada um de vocês comerá de sua própria videira e de sua própria figueira, e beberá água de sua própria cisterna, 17 até que eu os leve a uma terra como a de vocês: terra de cereal e de vinho, terra de pão e de vinhas.

18 “‘Não deixem que Ezequias os engane quando diz que o Senhor os livrará. Alguma vez o deus de qualquer nação livrou sua terra das mãos do rei da Assíria? 19 Onde estão os deuses de Hamate e de Arpade? Onde estão os deuses de Sefarvaim? Eles livraram Samaria das minhas mãos? 20 Quem dentre todos os deuses dessas nações conseguiu livrar a sua terra? Como então o Senhor poderá livrar Jerusalém das minhas mãos?’”

21 Mas o povo ficou em silêncio e nada respondeu, porque o rei dera esta ordem: “Não lhe respondam”.

22 Então o administrador do palácio, Eliaquim, filho de Hilquias, o secretário Sebna e o arquivista Joá, filho de Asafe, com as vestes rasgadas, foram contar a Ezequias o que dissera o comandante.

................................................................................................................................................

Isaías 37

Predito o Livramento de Jerusalém

1Quando o rei Ezequias soube disso, rasgou suas vestes, vestiu pano de saco e entrou no templo do Senhor. 2 Depois enviou o administrador do palácio, Eliaquim, o secretário Sebna e os chefes dos sacerdotes, todos vestidos de pano de saco, ao profeta Isaías, filho de Amoz, 3 com esta mensagem: “Assim diz Ezequias: Hoje é dia de angústia, de repreensão e de vergonha, como quando uma criança está a ponto de nascer e não há forças para dá-la à luz. 4 Talvez o Senhor, o seu Deus, ouça as palavras do comandante de campo, a quem o seu senhor, o rei da Assíria, enviou para zombar do Deus vivo. E que o Senhor, o seu Deus, o repreenda pelas palavras que ouviu. Portanto, ore pelo remanescente que ainda sobrevive”.

5 Quando os oficiais do rei Ezequias vieram a Isaías, 6 este lhes respondeu: “Digam a seu senhor: Assim diz o Senhor: ‘Não tenha medo das palavras que você ouviu, das blasfêmias que os servos do rei da Assíria falaram contra mim. 7 Porei nele um espírito para que, quando ouvir uma certa notícia, volte à sua própria terra, e ali farei com que seja morto à espada’”.

8 Quando o comandante de campo soube que o rei da Assíria havia partido de Láquis, retirou-se e encontrou o rei lutando contra Libna.

9 Ora, Senaqueribe foi informado de que Tiraca, o rei da Etiópia[a], saíra para lutar contra ele. Quando soube disso, enviou mensageiros a Ezequias com esta mensagem: 10 “Digam a Ezequias, rei de Judá: Não deixe que o Deus no qual você confia o engane quando diz: ‘Jerusalém não será entregue nas mãos do rei da Assíria’. 11 Com certeza você ouviu o que os reis da Assíria têm feito a todas as nações, e como as destruíram por completo. E você acha que se livrará? 12 Acaso os deuses das nações que foram destruídas pelos meus antepassados os livraram: os deuses de Gozã, de Harã, de Rezefe e dos descendentes de Éden, que estavam em Telassar? 13 Onde estão o rei de Hamate, o rei de Arpade, o rei da cidade de Sefarvaim, de Hena e de Iva?”

A Oração de Ezequias

14 Ezequias recebeu a carta das mãos dos mensageiros e a leu. Então subiu ao templo do Senhor, abriu-a diante do Senhor 15 e orou: 16 “Senhor dos Exércitos, Deus de Israel, cujo trono está entre os querubins, só tu és Deus sobre todos os reinos da terra. Tu fizeste os céus e a terra. 17 Dá ouvidos, Senhor, e ouve; abre os teus olhos, Senhor, e vê; escuta todas as palavras que Senaqueribe enviou para insultar o Deus vivo.

18 “É verdade, Senhor, que os reis assírios fizeram de todas essas nações e de seus territórios um deserto. 19 Atiraram os deuses delas no fogo e os destruíram, pois em vez de deuses, não passam de madeira e pedra, moldados por mãos humanas. 20 Agora, Senhor nosso Deus, salva-nos das mãos dele, para que todos os reinos da terra saibam que só tu, Senhor, és Deus[b]”.

A Queda de Senaqueribe

21 Então Isaías, filho de Amoz, enviou esta mensagem a Ezequias: “Assim diz o Senhor, Deus de Israel: ‘Ouvi a sua oração acerca de Senaqueribe, rei da Assíria. 22 Esta é a palavra que o Senhor falou contra ele:

“‘A Virgem Cidade[c] de Sião despreza e zomba de você. A cidade de Jerusalém meneia a cabeça
enquanto você foge.
23 De quem você zombou e contra quem blasfemou? Contra quem você ergueu a voz e contra quem levantou
seu olhar arrogante? Contra o Santo de Israel!
24 Sim, você insultou o Senhor por meio dos seus mensageiros, dizendo: “Com carros sem conta
subi aos mais elevados e inacessíveis cumes do Líbano. Derrubei os seus cedros mais altos, os seus melhores pinheiros. Entrei em suas regiões mais remotas, na melhor parte de suas florestas.
25 Em terras estrangeiras[d] cavei poços e bebi água. Com as solas dos meus pés sequei todos os riachos do Egito”.

26 “‘Você não soube que há muito eu já o havia ordenado, que desde os dias da antigüidade eu o havia planejado?
Agora eu o executo, e faço você transformar cidades fortificadas em montões de pedra.
27 Os seus habitantes, já sem forças, desanimam-se envergonhados. São como pastagens, como brotos tenros e verdes, como capim no terraço, queimado[e] antes de crescer.

28 “‘Eu, porém, sei onde você está, quando sai e quando retorna, e quando você se enfurece contra mim.
29 Sim, contra mim você se enfurece, o seu atrevimento chegou aos meus ouvidos; por isso, porei o meu anzol em seu nariz e o meu freio em sua boca, e o farei voltar pelo caminho por onde veio.

30 “‘A você, Ezequias, darei este sinal:

“‘Neste ano vocês comerão do que crescer por si, e no próximo o que daquilo brotar. Mas no terceiro ano semeiem e colham, plantem vinhas e comam o seu fruto.
31 Mais uma vez um remanescente da tribo de Judá lançará raízes na terra e se encherão de frutos os seus ramos.
32 De Jerusalém sairão sobreviventes, e um remanescente do monte Sião. O zelo do Senhor dos Exércitos
realizará isso’.

33 “Por isso, assim diz o Senhor acerca do rei da Assíria:

“‘Ele não entrará nesta cidade e não atirará aqui uma flecha sequer. Não virá diante dela com escudo
nem construirá rampas de cerco contra ela.
34 Pelo caminho por onde veio voltará; não entrará nesta cidade’, declara o Senhor.
35 “‘Eu defenderei esta cidade e a salvarei, por amor de mim e por amor de Davi, meu servo!’”

36 Então o anjo do Senhor saiu e matou cento e oitenta e cinco mil homens no acampamento assírio. Quando o povo se levantou na manhã seguinte, só havia cadáveres! 37 Assim Senaqueribe, rei da Assíria, fugiu do acampamento, voltou para Nínive e lá ficou.

38 Certo dia, quando estava adorando no templo de seu deus Nisroque, seus filhos Adrameleque e Sarezer o feriram à espada, e fugiram para a terra de Ararate. E seu filho Esar-Hadom foi o seu sucessor.

  1. 37.9 Hebraico: de Cuxe.
  2. 37.20 Conforme os manuscritos do mar Morto. O Texto Massorético diz és o Senhor. Veja 2Rs 19.19.
  3. 37.22 Hebraico: Filha.
  4. 37.25 Conforme os manuscritos do mar Morto. O Texto Massorético não traz Em terras estrangeiras. Veja 2Rs 19.24.
  5. 37.27 Conforme alguns manuscritos do Texto massorético, os manuscritos do mar Morto e alguns manuscritos da Septuaginta. A maioria dos manuscritos do Texto Massorético diz terraços e campos terraplanados em degraus. Veja 2Rs 19.26.