Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DA ESCOLA SABATINA - SEGUNDO TRIMESTRE DE 2019

Lição 6 – A canção de amor do rei

Semana de 4 a 10 de maio

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular, sênior, no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário complementa o estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com – marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

Verso para memorizar: “Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura, o ciúme;  as suas brasas são brasas de fogo, são veementes labaredas” (Cantares 8:6).

Introdução de sábado à tarde

 A lição fala do dualismo. Mas o que é isso? O dualismo refere-se à relação matéria-espírito, fundada sobre a afirmação de que os fenômenos mentais são exteriores ao mundo físico. Espírito é uma coisa, corpo é outra, e ambos são duas substâncias diferentes, opostas entre si e que não se combinam, ou não se sintetizam. É uma ideia que aparece na filosofia platônica, inspirada em Sócrates e Aristóteles. Resumindo, o dualismo afirma que a inteligência do ser humano, a sua faculdade espiritual, ou da alma, ou do espírito, não pode ser assimilada ao seu corpo e nem por ele entendida. Logo, o espírito seria algo superior, mais nobre que o corpo. Daí, para se aceitar que o espírito tem existência independente do corpo é um passo, e parece até interessante. Porém, isso vem da ciência dedutiva, a que utiliza regras de pensamento para descobrir a verdade. A ciência dedutiva é altamente falha. Um exemplo do método dedutivo é a lógica. Hoje a ciência é indutiva, ou, experimental, e ainda assim, comete erros bem graves. Logo, afirmar pelo método dedutivo que o corpo é uma entidade separada da alma (ou do espírito, ou da inteligência) é algo bem inseguro, para dizer o mínimo.

Para quem lê a Bíblia, que é o livro inspirado pelo Criador de todas as coisas (portanto, esse livro merece respeito e consideração), vai descobrir a partir do segundo capítulo do livro que o ser humano é uma unidade perfeita, não se constitui de duas realidades distintas e separáveis. Ou seja, o corpo reflete o que se passa na mente. O corpo obedece a mente e seu sistema nervoso (que, em si, faz parte do corpo). Aliás, a mente é algo que se forma no corpo, especificamente, no cérebro, que tem a capacidade de processar pensamentos e de armazenar conhecimentos. O cérebro tem um sistema químico nos nervos que detectam o que se ouve, o que se vê, o que se sente, etc., e percebe os respectivos significados e entende esses significados. Essa é a parte mais sublime e profunda da criação de DEUS; é nisso que somos semelhantes ao Criador. Nós temos a capacidade de formar inteligência em nosso cérebro, e isso é a nossa mente. Inclusive esse conhecimento tem peso, ele está guardado nas proteínas e neurotransmissores minúsculos que se encontram nas sinapses entre os neurônios. Chamam-se engrama, algo parecido com o código de barras, mas bem mais complexo. Foi DEUS quem inventou esse sistema e é admirável. E, repita-se, isso não é uma alma ou espírito, isso é matéria dentro de nosso cérebro. Recentemente um cientista canadense provou que é impossível existir inteligência fora do corpo, ou alma fora do corpo, pois a inteligência depende dessa minúscula matéria para existir. Se o corpo morre, os engramas também morrem e termina o pensamento; simples assim.

Pois bem, o corpo é, em grande parte, efeito do que se passa na mente. Aí a lição se direciona para algo bem específico: a questão da moral quanto ao sexo. Há muito preconceito nesse assunto, muito tabu, falta de compreensão da vontade de DEUS quanto a isso. Essa situação contraditória surge porque DEUS deu ao ser humano, homem e mulher, de serem semelhantes a Ele. DEUS, por exemplo, é capaz de criar um ser vivo – o ser humano não tem essa capacidade –, mas DEUS lhe deu a capacidade de gerar um ser humano, que é quase a mesma coisa. Enfim, pela geração que a mulher é capaz de realizar, surge um novo ser humano, segundo as leis da biologia que DEUS estabeleceu. Isso é simplesmente maravilhoso. E para ser bom, DEUS estabeleceu o lar, o amor e o relacionamento com felicidade. Um ato conjugal é algo tão íntimo que por ele pode-se gerar um novo ser humano. E sobre isso deve-se ter diálogo, especialmente com os adolescentes e jovens, para que não façam como atualmente é o vulgar: brincar de gerar seres humanos. Qualquer coisa, se a moça engravidar, faz um aborto. E por se ter tornado tabu, os jovens atuais aprendem de forma errada na televisão, revistas, internet, todo tipo de pornografia e desvirtuamentos que estão formando a mente das pessoas. É claro, satanás está por detrás disso tudo, tentando combater a pura verdade divina. E está conseguindo grande êxito; e se continuar assim, em não muito tempo destrói a sociedade humana. No presente momento ela já não está longe de Sodoma e Gomorra. Temos que tratar desse assunto na igreja, ou continuaremos perdendo os jovens para o mundo.

  1. Primeiro dia: Vida indivisível

Nos trechos de Cantares para hoje vemos a exaltação do corpo humano, mas não para ser exibido ao grande público, e sim, para ser admirado pelo parceiro dos amores eternos. O corpo e o espírito, isto é, a respiração, formam um todo, e esse todo é motivo de delícias para os casais casados (como acertadamente tipifica a lição).

Quanto ao dualismo que a lição se refere, já aparece nos escritos de Platão, baseados nos ensinamentos de Sócrates, e de Aristóteles, que afirmam, por diferentes razões, que a inteligência do homem (uma faculdade do espírito ou da alma) não pode ser assimilada ao seu corpo, nem entendida como uma realidade física. Embora já aqueles filósofos tratassem sobre dualismo, o fundador do dualismo teria sido Descartes, que formalizou a versão mais conhecida do dualismo em 1641 dC, ao defender a existência de duas espécies diferentes de substâncias: a corpórea e a espiritual. Ou seja, a corpórea é mortal, a espiritual nunca morre, e as duas são independentes uma da outra. Recentemente um cientista canadense desmentiu essa ideia. Ele provou cientificamente que é impossível a existência de inteligência sem a existência do corpo, pois a inteligência ocupa um lugar no espaço, em forma de engramas, que se alojam nos neurotransmissores. Quando o corpo morre, esses neurotransmissores também morrem, e a inteligência, ou a tal alma, ou seja lá o que for, ou como chamem, deixa de existir. Foi o que DEUS disse em Gênesis capítulo 2. Logo, quando uma pessoa ama a outra, o faz com seu corpo e com seu espírito, pois são inseparáveis um do outro. E o corpo, como também diz a Bíblia, ou seja, o Criador, deve ser santificado com o que se passa na mente, conforme estudamos ontem.

O casal de que trata Cantares, a mulher (de nome Sulamita) é aqui atraída pelas palavras românticas do rei (Salomão). Ele, por sua vez, é fortemente atraído pelo corpo de sua mulher. Interessante, a atração de um pelo outro não é a mesma, é diferente. Isto leva a entender que o homem precisa ser romântico o tempo todo com sua mulher, e que ela precisa se fazer bonita o tempo todo para ele. Antes que nos interpretem mal, a beleza feminina não está no artificialismo que a indústria do mau gosto impõe sobre as mulheres, e mais recentemente, sobre os homens, mas sim, na natural beleza que cada uma tem em específico, e que pode com exclusividade oferecer ao seu marido.

Apenas uma constatação curiosa. O livro de Cantares foi escrito por Salomão, rei de Israel, dedicado à Sulamita, sua noiva e futura esposa. Parece que as sulamitas eram sempre moças bonitas assim como as de Ijuí, de onde veio a minha esposa, pois Davi, antes, nos seus dias de velhice, também foi presenteado com uma sulamita. Pelo que se lê nesse livro, Salomão iria dedicar-se exclusivamente a ela, parece que foi sua primeira mulher. Mas que coisa, ele teve mais outras 699 mulheres, e como se ainda fosse pouco, mais 300 concubinas. Logo, leia-se o livro que é bom e siga-se o que ele nos ensina, mas nem de longe siga-se o exemplo do autor. É bom ler Neemias 13:26.

Aliás, cabe aqui uma palavrinha sobre o modelo de mulher que os meios de comunicação impõem à sociedade. A mulher perfeita deve ser super magra, alta, queixo estreito, testa mais larga, pouco seio e poucas nádegas. Esse perfil é traçado pelos estilistas da moda, geralmente homossexuais. Essas mulheres, assim fabricadas, se parecem com homens. Seriam homens belos de fisionomia, no conceito dos estilistas. Eles não sabem apreciar o corpo feminino, e querem impor à sociedade um perfil que mais se parece ao homem. Assim, o que DEUS criou de uma forma, os seres humanos desrespeitam e aviltam. As consequências são desastrosas. Por exemplo, nunca houve tantos problemas de anorexia.

Continuando o nosso raciocínio, a atração romântica e física entre um e outro (casal) avança. Essa atração emocional lá pelas tantas supera a racionalidade, e assim consolida tudo o que a racionalidade estava plantando. É como um coroamento das carícias que a racionalidade entre os dois vinha cultivando, que chega a um clímax acima do racional, puramente emocional. O clímax mais elevado do amor é tão intenso que chega a gerar outro ser humano, quase o que DEUS faz, que é criar um ser humano.

Um amor tão puro que seu produto máximo é a vida e a felicidade eternas. Algo que DEUS une, e ninguém será capaz de romper, exceto se nunca houve amor genuíno, pois o amor mesmo, esse nunca acaba, só aumenta. É nesse contexto que estaremos glorificando a DEUS em nossos corpos, exclusividade ao que DEUS requer, pois esse é o elemento fulcral da felicidade. Assim seremos íntegros e irrepreensíveis diante de DEUS e diante dos homens, e a felicidade cada dia estará sorrindo mais de perto.

  • Segunda: Os amores da canção de amor

O amor romântico entre um casal casado tende a ser cada vez mais intenso e atraente. Nunca entra na rotina, sempre se renova por atração mais intensa entre os dois. A felicidade só aumenta, algo que DEUS está unindo, e que não pode ser quebrado nem por homens nem pelos demônios, desde que mantidos os ensinamentos de santidade, isto é, da separação do que é mundano.

O galanteio entre um casal geralmente se inicia pelo homem, que dirige palavras atraentes à sua mulher. Isso não quer dizer que ela não o faça também, se desejar, pois não há nada de errado nisso. O homem deve ser bem capacitado em atrair a sua esposa pelo lado do romantismo, que envolve palavras, como as de Cantares, e mais as carícias e pequenos presentes de natureza simbólica. A esposa não resiste a tais, digamos, ‘cantadas’ do marido (aliás, direito exclusivo dele).

Então, desperta-se na esposa um calor íntimo e ela sente o seu corpo arder de amor por ele, e não consegue resistir. A mulher foi atraída ao seu marido pelos atrativos do romantismo, e ele está sendo atraído a ela pelo seu encanto físico. Isso as mulheres que talvez não saibam devem aprender: atrair o seu marido pelo que elas têm de natural, ou, pelo que elas são. Atrair seu marido, não outros homens, certo? Elas podem valer-se de seus encantos íntimos para seduzir o seu esposo – em provérbios a Sulamita faz exatamente isso. Se usar perfumes, o odor é inutilizado. Toda mulher tem seu odor característico, que não é exatamente um perfume comprado em lojas, e esse perfume é que mais atrai seu marido (muitos nem sabem que isso existe…). Os homens são particularmente atraídos por algumas partes do corpo feminino, que a mídia hoje tenta explorar em intensidade para vulgarizar. Isso vem do demônio. No entanto, entre um casal casado tais restrições não existem: ela pode mostrar-se a ele como desejar, excetuando-se, é verdade, as práticas não higiênicas obviamente condenáveis. As esposas devem fazer isso, vez por outra dar amostras grátis para seu marido estremecer e vibrar de desejos por ela. Foi DEUS quem deu impressionante beleza às mulheres, e o uso de tal beleza é para a finalidade que ora discutimos, e isto não é pecado. Ela e ele serão assim muito mais felizes. Algumas esposas puras e cristãs, porém muito sábias, fazem isso, e assim criam no marido motivos mil para a fazer feliz, e toda a família será feliz. A chave está na sexualidade do casal. E quem estabeleceu tudo isso? DEUS, para ser santo, isto é, separado para o exclusivo uso do casal, para uni-los da forma mais íntima que se possa imaginar. Aliás, bom é lembrar que DEUS colocou algo nas mulheres que também poucos homens conhecem: elas tendem a devolver em maior intensidade o que recebem dele. Assim, se ela é amada, amará ainda mais seu marido, sempre fará mais do que recebe. Mas se ela é odiada, ela se confunde e seus encantos deixam de ser autênticos.

Revisando: o marido em geral vai à caça de sua esposa, isso é uma aventura. Ela, de início parece um tanto surpresa e desatenta, às vezes, sutilmente indiferente, e isso é natural, não planejado. Mas não resiste muito tempo, e com sorrisos que só o marido conhece, pois os faz diferente para ele, sente-se fortemente atraída, e vai cedendo graciosamente. Aos poucos o seu corpo exala um odor, perfume natural da mulher, que o atrai mais fortemente. Com devaneios em seus olhos que só ele distingue, e palavras que só ele pode ouvir e entender, a esposa vai se entregando a ele. Cada um ao seu jeito atrai o outro, e cada um se entrega ao outro. Se a mulher faz o início, ela tem os seus jeitos particulares, geralmente pelos dotes físicos; se é ele, geralmente é pelo romantismo.

E, quando o amor suplanta a racionalidade em emoções e sentimentos, quando a intimidade suplanta todas as barreiras, quando a atração se torna irresistível…

            DEUS é bom demais!

            Não mude o que Ele criou. Se mudar o que é perfeito, deixará de ser perfeito, só poderá piorar. Isso satanás já fez.

  • Terça: Um conhecimento amoroso

São frequentes as expressões na Bíblia assim: “e conheceu a sua esposa” ou algo parecido, dando a entender que houve relações sexuais. Vamos hoje aprofundar no significado dessa expressão. Ela tem a particularidade de diferenciar a sexualidade mundana da pura e santa que DEUS criou.

O conhecer amoroso é totalEnvolve toda a beleza física e mais o como o cônjuge se expressa em suas emoções e sentimentos no momento auge da ternura de prazer e felicidade entre um casal casado. Nesse momento todos os segredos de ambos são abertos, todo o ser, desde a racionalidade até os recônditos profundos dos segredos da emocionalidade são expostos, um ao outro. Ambos conhecem-se em todas as dimensões possíveis: as físicas, as intelectuais e as emocionais. A doação de informações é total, e chega a tal intensidade que as sensibilidades dos sentimentos tomam conta por alguns momentos. Houve uma fuga do racional para o emocional, e tudo o que um é se tornou conhecido pela outra parte.

É no momento da união íntima que esse conhecer se torna máximo, como dissemos, em todas as dimensões. Essa é uma felicidade absolutamente santa, pura, isenta de malícia e de pornografia, separada de toda imundícia que satanás inseriu na sexualidade humana. O convite e a atração recíprocos criam expressões poéticas que retratam o modo de ser de cada um. Quando o racional é suplantado pelo emocional, então abrem-se as portas para o domínio dos sentimentos, isto é, da poesia do amor, do prazer e da felicidade. Esse é o mundo da vida eterna, absoluta pureza e indescritível intensidade numa brilhante felicidade que aqui ainda não podemos imaginar. Quando o emocional se apossa de um casal, então é que podem ambos conhecer como realmente são. É nesse momento que o caráter se revela. A inteligência emocional é a que determina a capacidade produtiva da inteligência racional (campo onde estão nossas aptidões profissionais). Por isso, um casal sexualmente bem-sucedido tem melhor desempenho profissional.

Ilustremos isso um pouco melhor. Quando tudo vai bem, digamos, na normalidade, é mais difícil se conhecer o verdadeiro caráter das pessoasMas quando as emoções passam a dominar, então é que esse caráter se revela mais intensamente, e nesse momento é que podemos conhecer melhor o que até então estava escondido. Vai aí um exemplo. Um senhor, muito culto e aparentemente polido, possuía um bom carro. Num certo dia outro homem bateu em seu carro com um fusca bem velho e mal cuidado. O dono do carrão ficou possesso no meio da rua. Teve que ser contido por populares, perdeu totalmente o controle da razão. As suas emoções tomaram conta da razão (sequestro neural) e eram emoções de ódio. Certamente esse homem é um fracassado com sua esposa, e precisa, digamos assim, frequentemente buscar aventuras extraconjugais para se divertir…

É quando as emoções dominam sobre a razão que melhor podemos conhecer o caráter das pessoas. E cada parceiro num casal conhece o outro muito melhor quando, em sua intimidade, as emoções superam a razão. É assim que se ligam cada vez mais fortemente, é assim que DEUS une o casal. Mas, se nesse momento eles falham por falta de amor mútuo, o máximo que irão sentir é prazer sexual físico passageiro, o que se pode obter com qualquer parceiro, não precisa ser um casal casado. Portanto, uma coisa é o conhecimento profundo que um adquire do outro ao longo dos anos, outra coisa é o simples prazer sexual.

É nos momentos das mais profundas emoções entre um casal que se formam os sentimentos puros para a vida, que se constrói um homem e uma mulher bem equilibrados para todos os momentos. Se nos momentos de se conhecerem um ao outro, cada vez forem puro o amor um para o outro, assim também serão nos momentos em que a razão estiver dominando. Serão pessoas normais em todos os momentos.

Mas satanás perverteu a sexualidade para poder controlar tanto as emoções quanto a razão do ser humano. E é pela pornografia que ele faz isso. A mente humana em muitos tornou-se um depósito de lixo moral, pelo que as reações em circunstâncias mais delicadas são de vingança e ódio: são pessoas que nunca souberam amar de verdade. Não sabem amar nem sabem ser amadas. Elas muito mais facilmente estão sob o controle de satanás, isso é evidente. E nesses últimos dias é intenso o trabalho dele para dominar o emocional das pessoas pela pornografia, o que aliás é bem fácil.

Mas havendo pleno amor entre um casal casado, nos momentos mais íntimos gera-se o senso de um pertencer ao outro. Cria-se o conceito de ser do outro, e ser exclusivo dele e vice-versa. Desenvolve-se o senso de dar-se ao outro pelo motivo da mais pura felicidade no outro, que se refletirá em quem se doou. Assim um gera felicidade no outro, e no fundo essa é a lei de DEUS: não ser servido, mas servir. E deve ser só nessa explosão de amor que se gere uma nova vida, um novo ser, que deve ser amado a todo momento, e deve sentir o amor entre seus genitores. DEUS cria por amor, nós geramos por amor. DEUS ama ao que cria, nós devemos amar a quem geramos.

Ora, esse pertencer e dar-se ao outro é o modo de vida celeste. É assim que funciona o Reino de DEUS. Ali, em tudo, não somente na sexualidade, todos agem assim; foi isso que JESUS disse: “vim para servir…” A relação entre um casal puro é cópia do relacionamento de amor entre DEUS e Suas criaturas e vice-versa. O mesmo princípio que une um casal em sua intimidade privada é o que une os seres que pertencem a DEUS: o amor.

  • Quarta: Amor no tempo certo

É uma questão de inteligência. Esperar um pouco mais é sinal de inteligência adicionada à sabedoria, a capacidade de orientar a vida por um bom caminho.

Tempos atrás, pesquisadores fizeram um teste com escolares de primeiro grau. Eles ofereceram às crianças duas opções, receber uma bola naquele momento ou receber duas bolas dias depois. Algumas crianças escolheram uma bola já, outras pensaram melhor e preferiram esperar um pouco, mas receber em dobro. Depois os cientistas acompanharam os dois grupos, e aquelas que fizeram a escolha por duas bolas saíam-se melhor nos estudos, eram mais inteligentes.

E é assim em tudo. Se você está preparando um delicioso bolo, não pode comê-lo antes que esteja no ponto certo, pois além de não fazer bem, o gosto também não será bom. Se pintar uma parede, não pode encostar-se nela antes de bem seca. Se for jogar bola, primeiro precisa enche-la bem. Se for cantar um hino em público, primeiro precisa ensaiar bem. Se quiser ser bem-sucedido profissionalmente, precisa completar o curso, não pode, por exemplo, ser médico com 90% do curso concluído, nem engenheiro, nem advogado, nem administrador. Precisa concluir o curso por inteiro e receber o diploma.

Mas, para o amor, para a vida, para a felicidade, que na verdade é algo muito mais importante que tudo o que vimos acima, por que nisso as pessoas fazem tudo precipitadamente? E dizem que esperar o tempo certo para despertar a sexualidade é tabu! Por que para ser feliz, justamente nisso se faz o contrário, se atenta contra a felicidade? Por que para viver, se faz o contrário, se atenta contra a vida – veja como vivem os filhos de pais separados? Por que aquilo que DEUS fez tão bem, as pessoas querem mudar para algo diferente, sempre inferior? E elas a cada pouco descobrem um novo estilo de vida, sempre pior que os já conhecidos.

O tempo certo para o amor é um sinal de inteligência espiritual ou sabedoria. Como aquelas crianças, também aqui o futuro será mais promissor, se tiver sabedoria para esperar o tempo certo. É a capacidade de decidir fazer as coisas no tempo certo, e então obter o máximo de resultadoO tempo certo é ter encontrado o cônjuge com o qual será capaz de se unir para toda a vida, casando-se com ele.Não se brinca com a felicidade, dela dependemos para ter boa saúde e para sermos bem-sucedidos em tudo o que empreendermos; dela depende a nossa vida e o sucesso da nossa existência. E DEUS está interessado que sejamos bem-sucedidos no amor, nas atividades seculares, e principalmente na vida eterna que é a dimensão espiritual. DEUS quer que sejamos felizes, mas o diabo quer o contrário. Por isto, é cada vez maior o número de pessoas que erram, e vivem no erro, geralmente iludidas e enganadas.

O que fazer se já caiu no erro? Bem, DEUS já pensou nisso, Ele disse: “se confessarmos os nossos pecados, Ele os perdoará (I João 1:9). Mas precisa confessar a JESUS, não a seres humanos (para estes, só precisa pedir perdão a quem ofendeu). E deve haver o desejo honesto de não pecar mais, nesses casos, a palavra de JESUS é “Eu também não te condeno” (João 8:11).

Bonito pensar nas coisas do alto, não acha?

Estou apreciando muito as lições desse trimestre – elas estão nos preparando para vivermos na grande família de JESUS, na Nova Terra. Vamos aproveitar bem para sermos bons familiares de JESUS.

  • Quinta: Guardando o presente do Criador

“Tudo é lícito (permitido pela liberdade de escolha) mas nem tudo convém (nem tudo é bom)” disse Paulo. DEUS criou a família de um jeito, como conhecemos na Bíblia, e, em retaliação, satanás criou outras formas alternativas de, digamos família e relações sexuais. A mídia contemporânea denigre o conceito clássico de família, e exalta as novidades (algumas nem tão novas) de substituição da família.

Há uma lista nos versos de hoje sobre o que deve ser evitado. Vejamos algumas:

  • homem com homem, como um deles fosse mulher (jamais formam um casal como apregoam na televisão, deveriam denominar uma “dupla”)
  • homem com animal
  • mulher com animal
  • homem com sua sogra
  • homem com mulher menstruada
  • Ver a nudez da irmã, irmã da mãe (tia) ou do pai
  • Homem com sua tia
  • Homem mais a mulher de seu irmão
  • Homem com prostituta
  • Certamente há outras ilicitudes, para saber, basta ver os princípios bíblicos

Esses são exemplos para, a partir deles, termos referências e julgarmos outras situações que aparecem, como seria o caso da pedofilia, sexo anal ou oral, troca de casais, sexo público, etc. Fica fácil julgar o que é correto e o que está errado: o normal é um homem com sua mulher, com a qual casou, da maneira natural. Mas o ‘não-criador’ impõe pela força dos meios de comunicação outras formas. Esse ‘não-criador’ forjou um casamento à sua imagem: onde não há procriação (imagem de DEUS), nem vida, nem felicidade, mas apenas prazer ilusório e passageiro a partir de carícias, aparentemente substitutas da naturalidade. Essas outras formas são cada vez mais prestigiadas e protegidas por leis civis, e, como no tempo de Sodoma e Gomorra, as pessoas encantam-se pelo que é contra a sua própria natureza. Os efeitos desses desvios vemos espalhados por aí: drogas, doenças, separações, violência, desrespeito aos que vivem tradicionalmente, animosidade, filhos desamparados sem a educação devida, até mudanças nas leis, favorecendo ao que satanás institui em rebeldia contra DEUS. O casamento é uma união entre um homem e uma mulher pelos laços do amor, e assim se forma a imagem da unidade da Trindade. DEUS é Criador, tem poder para criar vida, seres vivos de toda espécie. Um casal tem poder, não para criar, mas para procriar, tem poder para formar nova vida como um descendente seu. Esse é o dom mais próximo de DEUS que Ele concedeu aos casados. Sim, aos casados porque no lar deve ou deveria haver amor entre o casal e para com os que vierem a partir do casal. Da maneira como está o mundo hoje, tudo invertido, assim seria um pouco antes do fim, (como nos tempos de Ló e de Noé), e assim está sendo: JESUS vai voltar logo!

Mas DEUS, em Sua palavra (pelo Seu magnífico poder conservada durante milhares de anos, pelo que hoje a temos), continua reivindicando o que Ele em completa perfeição estabeleceu. E nós temos duas responsabilidades: ensinar a Sua vontade que é excelente, e demonstrar essa excelência de vontade aos que nos observamTemos que mostrar que o modo de vida de DEUS é, não só melhor, mas incomparavelmente superior àquilo que o mundo defende ou quase impõe. Nosso corpo é membro de CRISTO, é templo do ESPÍRITO SANTO. Pela nossa vida compete demonstrar que glorificamos (isto é, prestigiamos) a DEUS em nossos corpos, mantendo-os em santidade, especialmente quanto a sexualidade e a alimentação.

  • Resumo e aplicação – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  • Tema transversal

DEUS criou a sexualidade para que um homem e uma mulher pudessem por meio dela alcançar tal intimidade que, no seu auge, se sentissem tão ligados entre si como se fossem um só. Não há entre os seres humanos maior possibilidade de intimidade. E DEUS, no entanto, estabeleceu um modo de superar essa intimidade, é a que pode ocorrer entre o ser humano e Ele, como Criador. Se entre um casal casado a intimidade são os sentimentos de ligação mútua, para com DEUS a intimidade é a santificação do sábado, o sétimo dia da semana. É o dia em que se param todas as atividades de obtenção do nosso sustento para nos dedicarmos mais intensamente ao nosso Criador, sem que haja interferência de interesses.

O livro de Cantares é muito bonito e suas palavras muito proveitosas. Mas há um porém lamentável, que o próprio autor não seguiu o que escreveu, pois além da Sulamita, teve mais outras 699 esposas, além de 300 concubinas. Logo Salomão não pode ser um exemplo de marido nem de cristão. Em termos de lar e família Salomão não serve para exemplo algum. O que Salomão diz pode ser seguido, mas não siga a sua vida.

  • Aplicação contextual e problematização

Mas nós, cristãos verdadeiros, cristãos da Bíblia, temos a responsabilidade de humildemente nos colocarmos nas mãos do Criador para que Ele restabeleça em nossos lares a Sua imagem. Para isto, precisamos, urgentemente, fazer ao menos duas coisas: a primeira é a reforma da saúde, que é necessária para melhor entendermos a vontade e o conhecimento de DEUS. A segunda providência a tomar é a reforma do sábado, em especial, quanto aos seus horários de início e fim, e quanto ao que pensamos, falamos e fazemos nas horas sagradas. Também o sábado deve ser um dia de especial prazer intelectual, a tal ponto que seja mais aguardado que o momento da união íntima entre um casal que se dá bem.

Esse é o plano de DEUS. Ele está sendo combatido sem tréguas por satanás e seus agentes. Mas, nós, pelo ensino e pelo exemplo, devemos provar que DEUS está certo, e que a Bíblia possui a solução para os problemas que crescem nesse mundo. Devemos provar a farsa do domingo como dia santo. Devemos provar pelo exemplo, não só pelo estatuto legal, que o estilo de vida de DEUS é infinitamente superior, aqui mesmo, na Terra, imaginem no Céu.

  • Informe profético de fatos recentes

“Papa Francisco e Rei Mohamed VI assinam apelo pela liberdade religiosa em Jerusalém. O Papa Francisco e o Rei do Marrocos, Mohamed VI, realizaram juntos um apelo à comunidade internacional desejando que, na Cidade Santa de Jerusalém, “seja garantida a plena liberdade de acesso aos fiéis das três religiões monoteístas e o direito de cada uma delas realizar ali o seu culto”.” Aquela era para ser a cidade com o santuário de DEUS na Terra,  e assim foi por alguns séculos, até que Nabucodonosor destruiu o templo e DEUS não mais abitou naquele templo. Era para ser a cidade exemplo de adoração a todos os povos. Mas não era para ser a sede de adoração diferente da que DEUS expos em Sua palavra. Veja a matéria aqui.

Papa apela a combate conjunto do fanatismo e fundamentalismo religioso

“O Papa Francisco disse hoje em Marrocos que católicos e muçulmanos devem unir forças contra o fundamentalismo religioso, promovendo o diálogo e respeitando a liberdade e os direitos de todos. “É indispensável contrapor ao fanatismo e ao fundamentalismo a solidariedade de todos os crentes, tendo como preciosas referências das nossas ações os valores que nos são comuns”, referiu, no primeiro discurso da sua visita de dois dias ao país africano.” Fonte aqui. Entenda-se por fundamentalismo religioso a prática de apelar para uso da força tanto em defesa de sua fé quanto para fazer proselitismo por sua fé. Mas incluem também a interpretação da Bíblia conforme os seus autores que a escreveram segundo a vontade DEUS. Nisso reside um grave problema aos que seguem a Palavra de DEUS conforme seus fundamentos. Também serão perseguidos no fim dos tempos, por causa do sábado e de outras crenças originais da Bíblia.

  • Comentário de Ellen G. White

“O verdadeiro amor é um princípio elevado e santo, inteiramente diferente em seu caráter daquele amor que se desperta por um impulso e que subitamente morre quando severamente provado. É pela fidelidade para com o dever na casa paterna que os jovens devem preparar-se para os seus próprios lares. Pratiquem eles aqui a abnegação, e manifestem bondade, cortesia e simpatia cristã. Assim o amor será mantido cálido em seu coração, e aquele que parte de um lar semelhante, para se colocar como chefe de sua própria família, saberá como promover a felicidade daquela que escolheu para companheira de toda a vida. O casamento, em vez de ser o final do amor, será tão-somente seu começo” (Patriarcas e Profetas, págs. 174-176).

  • Conclusão

“”Do Senhor vem a mulher prudente.” Prov. 19:14. “O coração do seu marido está nela confiado. … Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida. Abre a boca com sabedoria, e a lei da beneficência está na sua língua. Olha pelo governo de sua casa e não come o pão da preguiça. Levantam-se seus filhos, e chamam-na bem-aventurada; como também seu marido, que a louva, dizendo: Muitas filhas agiram virtuosamente, mas tu a todas és superior.” Prov. 31:11, 12, 26-29. O que consegue tal esposa “acha uma coisa boa e alcançou a benevolência do Senhor”. Prov. 18:22. A Ciência do Bom Viver, pág. 359.

“Eis algumas coisas que devem ser consideradas: Trará aquela a quem desposais, felicidade a vosso lar? É econômica, ou há de, quando casada, gastar não somente todos os seus rendimentos, mas todos os vossos, para satisfazer a vaidade, o amor da aparência? São seus princípios corretos nesse sentido? Possui ela agora alguma coisa de que possa depender? … Sei que no espírito de um homem absorvido pelo amor e pensamentos de casamento, estas perguntas serão varridas para longe como de nenhuma importância. Estas coisas, no entanto, devem ser devidamente consideradas, porquanto têm que ver com vossa vida futura” (O Lar Adventista, 46).