Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DA ESCOLA SABATINA - SEGUNDO TRIMESTRE DE 2019

Lição 3 – Preparando-se para a mudança

Semana  13 a 19 de abril

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular, sênior, no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário complementa o estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com – marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

Verso para memorizar: “A justiça irá adiante Dele, cujas pegadas se transformam em caminhos” (Salmo 85:13).

 

Introdução de sábado à tarde

A nossa vida é uma sequência de mudanças. Todos os dias estamos tomando decisões, mudamos isso ou aquilo e ocorrem mudanças sem que as tenhamos decidido. Há mudanças que são boas e as que são ruins, que nos afetam de modo negativo. Viver nesse planeta é um grande risco, seja de ficarmos doentes, seja de alguma morte repentina, seja de perdermos muito ou tudo, como é o caso de muitas famílias nos alagamentos de São Paulo, dos desbarrancamentos, de acidentes, de terremotos, de tornados ou vendavais, de granizo, de incêndios, etc. Por isso é prudente vivermos cada dia um novo dia com DEUSA primeira coisa que devemos fazer, todos os dias, é a entrega nossa a DEUS. Ele cuidará para que tudo esteja sempre sob controle Dele. Isso não quer dizer que nunca nos aconteça algo como a Jó, mas também nunca padeceremos de fome ou coisa pior. Se formos prudentes, se andarmos nos caminhos de DEUS e fizermos a Sua vontade obedecendo-O, a vida aqui será bem mais segura e o nosso futuro eterno estará garantido. No mínimo não perderemos a esperança em JESUS.

Um conselho de EGW sobre como viver com DEUS na família serve muito bem para ilustrar o que estamos debatendo: “Se os jovens, rapazes e moças, se consagrassem solenemente a Deus, se praticassem a abnegação na vida do lar, aliviando suas mães cansadas e carregadas de cuidados, que mudanças teriam lugar em nossas igrejas! A mãe encontraria tempo para visitar os lares dos vizinhos. Oferecendo-se oportunidade, os filhos poderiam mostrar-se úteis realizando, quando ainda novos, pequenas tarefas de misericórdia e amor, que seriam uma bênção para outros. Assim milhares de lares de pobres e necessitados poderiam ser visitados. Livros relacionados com saúde e temperança poderiam ser postos em muitos lares. A divulgação desses livros é um trabalho importante, pois eles contêm preciosos conhecimentos sobre o tratamento de enfermidades – conhecimentos que seriam uma grande bênção aos que não podem pagar as visitas do médico” (Beneficência social, 102).

 

  1. Primeiro dia: Despreparados

A lição de hoje destaca três situações com decisões completamente erradas. São os casos de Ananias e Safira, que venderam um terreno e prometeram dar tudo à igreja mas na hora deram menos do que o valor total. Também temos o caso de Abrão e Sarai que fizeram um ajeitamento para que tivessem um filho de Abrão com Hagar, que foi Ismael, um problemão para o povo de DEUS, até hoje. Por fim, a mãe dos filhos de Zebedeu, pedindo a JESUS que seus dois filhos se assentassem com Ele no trono, um a direita e outro a esquerda. Isso logo depois que JESUS lhes falou que seria morto e ressuscitaria ao terceiro dia, mas cada um entendia o que queria, conforme os seus interesses particulares.

Vamos a um caso mais atual de decisão errada com consequências desastrosas. Uma família resolveu limpar um poço de água, daqueles em que se pode entrar. O poço tinha 18 metros de profundidade, e lá em baixo, um pouco de água que dava para ficar parado sem se afogar. Um dos filhos desceu com uma corda, dentro de um balde grande, levando consigo uma tocha de fogo para ver melhor no escuro no fundo do poço. Lá embaixo ele passou mal e desmaiou. Então desceu o seu pai e teve o mesmo efeito. Finalmente desceu outro filho e também desmaiou. Não havendo mais ninguém para descer, ficaram lá. A esposa e mãe dos filhos chamou os vizinhos para socorrer, mas quando vieram eles já estavam mortos. O problema foi que levaram uma tocha de fogo que consumiu o oxigênio, primeiro desmaiavam e depois morriam por falta de ar.

Outro caso desastroso foi a decisão do piloto e dono do avião da Cia de aviação boliviana Lamia, que levava jogadores para Córdoba, na Colômbia. Era o voo 2933 levando os jogadores da Chapecoense e muitas outras pessoas, 77 ao todo com os tripulantes. O dono do avião e também piloto quis economizar não abastecendo o avião no trajeto, lá chegando teve que fazer umas voltas porque outro avião estava com problemas e acabou o combustível, morrendo 71 pessoas e escapando com vida 6 pessoas. Morreu inclusive o piloto. Essa foi uma decisão desastrosa.

Poderíamos dizer o mesmo de uma sucessão de decisões mal tomadas do pessoal do navio Titanic, mas as principais foram as seguintes: houve seis alertas de icebergs no mar vindos de outros navios, porém o capitão decidiu manter a velocidade máxima, querendo naquela viagem bater o record de tempo de viagem entre a Europa e a América. O ocupante da cesta da gávea, aquela pessoa que naquela época fazia o papel que hoje fazem os radares, esqueceu de levar o binóculos, e por isso viu o iceberg apenas quando já estava perto demais. Se tivesse visto 30 segundos mais cedo, teriam desviado. Decisões que levaram mais de 1.500 pessoas à morte.

Vamos a uma decisão de muitos séculos atrás, a de Belsazar. Ele soube de seu avô sobre o templo de Jerusalém, sobre os vasos sagrados e sobre Daniel, que aliás ainda estava vivo quando ele tomou a decisão mais desastrosa de sua vida. Ele decidiu fazer uma enorme festa e quando já estavam bêbados pelo vinho, mandou que trouxessem os vasos sagrados de templo para beber deles. Com isso ele estava debochando do DEUS dos israelitas, dando o seguinte recado: aqui quem manda sou eu, mais poderoso que esse DEUS. Naquela mesma noite ele não só perdeu o seu reino como a sua vida, e Daniel, seu servo, tornou-se importante no Império sucessor. Até hoje esse episódio serve de exemplo de secamento do Rio Eufrates para a queda definitiva de Babilônia.

Teríamos muitas decisões problemáticas a relatar, não é mesmo? É o caso, por exemplo, da decisão do Sinédrio em matar JESUS; de Judas em traí-lo; da escola de samba em 2019 de zombar de JESUS perante satanás perdendo para este, coisa que não existe em relato algum, nem na Bíblia e nem na história; de Hitler que pensou em restaurar o Sacro Império Romano Germânico, que durou pouco mais de mil anos, levando à morte cerca de 55 milhões de pessoas, e assim por diante. Assim temos decisões de todos os dias, pessoas que bebem e aceleram o automóvel e matam. Mas temos as piores de todas as decisões, que levam à morte eterna. Quantos milhões de pessoas, depois de terem seu nome escrito no livro da vida, abandonam a fé e se vão ao mundo para nunca mais retornar. No julgamento desde 1844 essas pessoas, se já morreram, são averiguadas se houve ou não arrependimento. Quantas delas descobrirão tarde demais que tomaram uma decisão para a morte eterna. Isso sim é lamentável, depois de estar no caminho da salvação, sair dele.

 

  1. Segunda: Preparando-se para o casamento

O casamento é a menor sociedade humana na Terra. DEUS criou uma sociedade tão pequena para que facilmente o amor pudesse ser cultivado, afinal, são só duas pessoas e evidentemente problemas facilmente pudessem ser resolvidos e pudessem aprender a conviver em paz. É evidente, não há como existir uma sociedade só de uma pessoa, mas entre duas sim. Com o tempo, essa sociedade aumenta, vindo os filhos, podendo chegar a mais de uma dezena.

A rigor, a sociedade é só de duas pessoas, porém, não só de dois seres. Ao todo, num casal, existem cinco seres: os dois anjos de cada um do casal e DEUS. E sempre existirá um ser divino a mais que o número de seres humanos. Por exemplo, se vierem quatro filhos serão seis pessoas e sete seres divinos: seis anjos mais DEUS, treze ao todoE se considerarmos que DEUS é uma Trindade, então serão quinze seres. Interessante é que com tantos seres divinos o casamento só teria um destino, dar certo. Mas não, os seres humanos tem livre arbítrio que é sumamente respeitado pelos seres divinos, embora sofram bastante com os desmandos e erros dos humanos. Porém, se nos colocarmos na dependência de DEUS, haverá seres divinos mais que suficientes para nos orientarPodemos contar sempre com o nosso anjo, que vai onde formos, e com DEUS, que já está em todo lugar onde possamos irEle é onipresente.

Há sempre as orientações sobre os cuidados antes de casar, sobre a escolha do(a) parceiro(a). Esses cuidados fazem parte e tem sua importância, porém, bem mais importante é orar a DEUS. Se fizermos nossa escolha com oração é impossível haver erro. Esse é o ponto, a indissolubilidade do casamento está vinculada a DEUS, com Ele essa condição de nunca mais haver separação é possívelSó com Ele que é possívelEle é o amor! Por mais bem intencionados que sejamos, por mais que sigamos os princípios da bíblia e da igreja, por mais que cuidemos na escolha, se isso não for feito junto com DEUS a possibilidade de erro e de separação futura não fica descartada. Mas não poderia haver mudança num dos cônjuges ao longo da vida? Claro que pode. Porém, DEUS conhece o futuro, e se escolhêssemos com a orientação Dele, isso poderia certamente ser evitado. Resumindo, é DEUS quem deve escolher com quem casaremos, não nós. Já escrevemos em lição anterior, para o nosso casamento, eu e a Dulce, houve oração, e DEUS escolheu certo.

“Estudai cuidadosamente para ver se vossa vida matrimonial há de ser feliz, ou desarmoniosa e infeliz. Fazei surgir as perguntas: Ajudar-me-á esta união na escalada para o Céu? Aumentará meu amor a Deus? E aumentará minha esfera de utilidade nesta vida? Se estas reflexões não apresentarem nada em contrário, então prossegui, no temor de Deus. Mas mesmo se assumistes compromisso, sem conhecerdes plenamente o caráter da pessoa com quem vos pretendeis unir, não penseis que o compromisso torne uma positiva necessidade fazerdes o voto de casamento, e vos ligardes por toda a vida a uma pessoa que não podeis amar nem respeitar. Sede muito cuidadosos em como fazeis compromissos condicionais; mas melhor, muito melhor, é quebrardes o compromisso antes do casamento do que vos separardes depois, como muitos fazem.

“O verdadeiro amor é uma planta que precisa ser cultivada. Que a mulher que deseje uma união pacífica e feliz, e queira escapar a futuras misérias e tristezas, indague, antes de entregar suas afeições: Tem meu pretendente uma mãe? Qual é a qualidade do caráter dela? Reconhece ele suas obrigações para com ela? Tem consideração para com os seus desejos e sua felicidade? Se ele não respeita nem honra a mãe, porventura manifestará respeito e amor, bondade e atenção para com a esposa? Passada a novidade do casamento, continuará a amar-me? Será paciente com os meus erros, ou crítico, imperioso e ditatorial? A afeição verdadeira passará por alto muitos erros; o amor não os distinguirá” (Fundamentos da educação cristã, 104-105).

E se já casou mal, ou se não deu certo, há como consertar? Sim, sempre há, mas com DEUS. Provavelmente vai ter que haver um(a) conselheiro(a). Com oração, com sabedoria e paciência, com humildade e propensão à mudança, é possível restabelecer o amor no lar. Claro, se as duas partes desejarem a restauração. Amor no lar nada mais é senão DEUS habitando ali. Se ocorrem desentendimentos e brigas é porque DEUS já não está mais morando nesse lar. E é bonito quando um casal que estava em vias de separação consegue, pelo poder de DEUS, encontrar o caminho do amor e da felicidade. Quando eles sobrepujam suas dificuldades aprendem algo que os casais que sempre se deram bem nunca experimentaram. Superando os problemas, tornam-se vencedores em DEUS e fortes para um belo e harmonioso convívio segundo a vontade do Criador.

 

  1. Terça: Paternidade e maternidade

Quando DEUS formou Adão e Eva, foi o pai deles, e lhes transmitiu o Seu caráter. Quando nós geramos e educamos filhos, transmitimos nosso caráter a eles. O que somos influenciará na vida deles, seja para o bem, seja para o mal. Salomão foi o homem mais sábio na Terra, mas ele deu mau exemplo quanto ao casamento bem como quanto a adoração e seu filho Roboão, que herdou alguns maus hábitos de seu pai e rei, especialmente quanto a exploração do povo com impostos. As muitas mulheres, a falsa adoração e a carga de impostos foram influências negativas a seu filho. Inclusive DEUS reprovou isso com a perda de dez tribos. Davi também já não deveria ter casado com várias mulheres, o que foi mau exemplo para Salomão.

Como o que passaremos aos filhos é o nosso caráter e exemplo de vida, é importante que façamos as mudanças de caráter necessárias antes que nasçam os filhos. Um pai, e mais ainda uma mãe, influenciam os filhos ainda em gestação. Se o casal briga nesses dias, os filhos são afetados negativamente, mas se se amam, são afetados positivamente. Os primeiros meses e anos de vida marcam para toda a vida futura da criança. Por exemplo, “quando a mãe passa por um estresse prolongado durante a gravidez, como a morte de alguém querido, ela libera uma série de hormônios como adrenalina, cortisol e noradrenalina, o que mexe com a arquitetura cerebral do bebê ainda em formação. Estudos já comprovam que quando a mãe passa por essas situações a criança terá quatro vezes mais chances de ser depressiva” (fonte).

“As crianças não guardam na memória apenas aquilo que é dito a elas. Muito do que vivem junto dos pais, ou os veem fazendo, é assimilado pelos pequenos, ainda que inconscientemente. Algumas dessas atitudes presenciadas podem, inclusive, deixar marcas na própria personalidade e durarem a vida toda, para o bem ou para o mal. Confira algumas:  Falta de atenção, os filhos precisam sentir amor. O relacionamento de seus pais, um padrão para os filhos. A proteção dos pais, para que os filhos não sintam medo, por exemplo, no escuro ou numa chuva. A violência verbal ou física, seja para intimidar, seja para corrigir os filhos. O diálogo é a melhor maneira de conduzir os pequenos ao bom caminho. Uma família unida. Quando os pais colocam a família acima de tudo, as crianças registram isso na memória e sonham em ter uma família igual no futuro. Se valores importantes como a união familiar não são aprendidos nessa época, dificilmente serão adquiridos na vida adulta.

Ellen G. White tem escrito bons conselhos sobre a vida familiar, relacionamento, alimentação, recreação, como investir tempo com os filhos, uso das horas do sábado, etc. Na Bíblia encontramos exemplos do que fazer e do que não fazer. Informação para adquirir bom conhecimento sobre vida familiar não falta, mas cada vez esse conhecimento é menos valorizado entre as pessoas.

 

  1. Quarta: Preparando-se para a velhice

Veio a expressão “terceira idade”, acima dos 60 anos. Depois veio a expressão “melhor idade” para o último período de vida. Mas, na realidade não é bem assim. A melhor idade é a da juventude, e eu tenho saudades de minha infância, quando nada me preocupava e brincava à vontade.

Há pouca orientação para aqueles que estão na idade produtiva para que se preparem para a velhice, ou, digamos, a pior idade (na realidade não é a melhor idade, como facilmente se pode ver, só se para os médicos e para as farmácias). Após os 70 anos, aparecem as dores, doenças vem mais facilmente, a fraqueza se manifesta, tudo é mais devagar, se esquecem das coisas, a virilidade diminui e fica difícil se manter produtivo. Felizes os idosos que passam por essa época com saúde e boa qualidade de vida, mas geralmente é assim quando, na mocidade, cuidaram de seu corpo. Ainda dias atrás perdi um amigo de minha juventude, que já estava acamado, sem sequer poder virar de lado. Só 5% das pessoas são ativas por opção, outras 25% por causa da profissão, e 70% são sedentárias. Todos os adventistas deveriam participar daqueles 5%, assim como fazem os irmãos californianos.

Atenção para o que escrevi a seguir. A longevidade está aumentando, em grande parte, graças à ciência médica, com os tratamentos e medicamentos. Mas a qualidade de vida aos 90 anos, por exemplo, muitas vezes é péssima. As pessoas vivem mais tempo porque a medicina consegue evitar a morte, mas não consegue melhorar a qualidade de vida. Quantos velhinhos nessa idade já deveriam ter morrido por enfarte mas os médicos conseguiram evitar. E lá estão eles, fracos, dependentes e muitas vezes cadeirantes ou acamados. Portanto, atente bem: prepare-se com exercícios físicos para aproveitar a maior longevidade com qualidade de vida. Como vivemos mais, em grande parte artificialmente, precisamos dar ao corpo força para que a vida seja independente até por volta dos 100 anos, e isso é possível, desde que nos exercitemos.

Diz o Dr. Turíbio Leite Barros Neto, em entrevista ao Dr. Claudio Varella, sobre atividade física, cujo link está abaixo. “Atividade física é toda a situação em que a pessoa pelo menos dobre seu metabolismo, ou seja, dobre seu gasto de energia. Por exemplo: se está sentada, em repouso, e simplesmente se levanta e começa a caminhar, está fazendo atividade física, porque aumenta o consumo energético. Qualquer atividade física em que haja gasto de energia e aumento do metabolismo, seja ela ocupacional (subir escadas, carregar um pacote, fazer compras, lavar o carro, varrer a casa), seja formal (pedalar, nadar, dançar, caminhar, correr), é levada em conta para o cômputo do gasto calórico diário do indivíduo.” Mas não pode fazer isso em quantidade insuficiente e ficar em condição de sedentarismo. Precisa se exercitar regularmente, no mínimo três vezes por semana. Quanto a mim, sou ciclista, três vezes por semana, numa delas, escalador de subidas muito íngremes.

A lição de hoje traz uma mensagem pouco frequente, mas deve ser bem considerada: prepare-se para a velhice. Esse é o nome correto: “velhice”. Alguma ocupação deve ter, não pode simplesmente parar. A igreja é boa nesse sentido, sempre há muito o que fazer em muitas frentes diferentes. Se não há algum programa oficial em que se encaixe, invente alguma atividade para colaborar na igreja, algo que você goste de fazer. Visitação, por exemplo, está faltando muito entre nós, e se dobrar o número de visitadores não vai faltar quem visitar. E isso é fácil de fazer. Os idosos, ou os acima de 60 anos, quando aposentados, precisam ocupar o tempo em coisas que lhes deem satisfação, e atuar nalguma coisa na igreja é muito bom além de trazer resultados eternos. Isso ajudará a melhorar a qualidade de vida e afasta em certa medida as doenças da velhice. Mas não deixe de se exercitar viu.

Quando começa a sobrar tempo, na velhice, é o momento de buscar, mais que antes, conhecimento sobre DEUS, estudando a Bíblia, as Lições da Escola Sabatina e os livros do Espírito de Profecia. Também se recomenda outras leituras que sejam de boa qualidade. É uma época boa para se buscar conhecimento e para se ensinar a outros, pois aliado a esse conhecimento está a experiência de vida. Isso ajuda a manter a mente em boas condições.

Outro ponto importante, que compensa reforçar, e que precisa ser cultivado desde cedo, é o preparo físico. Como sou muito observador, por ser professor durante mais de 40 anos, percebo pessoas com mais de 50 anos, mais de 60 anos, etc., caminhando devagar, já cansados da vida. Isso é um desastre, pois ao chegarem aos 70, e se chegarem aos 80, serão pessoas fracas e sem capacidade de mobilidade. Algum exercício físico todos devem fazer, especialmente aqueles que trabalham em atividades de natureza sedentária, que atualmente é a maioria. Minha atividade profissional é extremamente sedentária, ser professor. Por isso sempre me envolvi com alguma atividade física, mas nesses últimos 6 anos, como já escrevi, intensifiquei com ciclismo. Não precisa fazer ciclismo, que é um tanto perigoso, escolha algo que goste e se dedique. Aos sessenta e poucos anos percebi que já estava um pouco mais devagar ao subir escadas ou caminhar em ruas ascendentes. Isso simplesmente desapareceu por regularmente andar de bicicleta durante duas, três ou quatro horas seguidas. Me sinto jovem, forte e bem disposto e não tomo nenhum tipo de remédio contínuo, aos 69 anos. Aliás, nesse momento em que estou escrevendo esta lição até estou bem triste, pois chove forte e deveria estar pedalando. Acho que irei ao estúdio de minha filha fazer pedalada interna numa spinning.

O exercício físico é extremamente importante. Iremos sugerir alguns para praticar e servir de ilustração para fazer escolhas, mas existem milhares de outras opções. Pesquise na internet sobre eles e faça a sua escolha, não importa a idade em que esteja.

HIIT; o Treinamento Aeróbico Intervalado de Alta Intensidade (HIIT, na sigla em inglês) maximiza ambos os efeitos aeróbicos e anaeróbicos. Bastam 27 minutos três vezes por semana. Veja sobre isso aqui e um vídeo de HIIT aqui, e esse outro para uma academia em casa. Comece devagar, passe no médico antes. Pode pesquisar outros vídeos, tem muitos.

Pilates, que o instrutor ou instrutora adequa a cada pessoa. Fisioterapeutas conhecem centenas de exercícios que parecem bem simples, mas eficientes em seus propósitos.

Alongamento, para fixar os tendões aos ossos.

Prancha: para fazer a prancha, simplesmente apoie-se em seus cotovelos e na ponta dos pés, mantendo a coluna ereta e o abdome contraído. Fique nessa posição por quanto tempo aguentar. Veja no link acima.

Flexão ou apoio ao chão, veja no link acima.

Remada no solo com halteres, idem.

Desenvolvimento para ombros, idem, e há muitos outros nesse link, mas que deve ir a uma academia.

Power-ball, bola de exercício para astronauta no espaço, que se pode comprar da China.

Caminhada acelerada, por volta de 9,7 km/hora.

Corrida ou troteada.

Natação, esse é um exercício completo e tem também a hidroginástica.

Pular corda, exige bastante do coração.

Subir e descer escadas, aproveite em lugar do elevador.

Algum esporte, como vôlei, basquete, tênis de campo e de mesa, remo, natação, escalada, handebol. etc. O futebol não é recomendado, machuca as articulações inferiores.

Nesse link oferecem 18 alternativas de exercícios modernos bem dinâmicos, à escolha, mas nem todos são recomendáveis a cristãos, como o boxe por exemplo.

Diz o Dr Claudio Varella: “A atividade física faz bem para a saúde desde o nascimento até o fim da vida. Quem faz exercícios com regularidade conhece os benefícios que trazem e sente falta quando, por algum motivo, deixa de praticá-los.” Veja um link sobre as vantagens de se exercitar, numa entrevista pelo Dr Claudio Varella.

Busque conhecimento sobre o seu corpo. Aqui, por exemplo, pode encontrar informações importantes sobre as articulações, especialmente dos joelhos, que com a idade, podem se tornar num problema grave. Mulheres e grávidas, assistam o vídeo que aparece nesse link e nesse outro.

EGW escreveu fartamente sobre a saúde e exercícios. Só no CD encontramos 154 citações sobre “exercício físico” ou no plural. Veja duas dessas pérolas: “O cérebro é a cidadela do ser. Maus hábitos físicos afetam o cérebro e impedem a realização daquilo que os estudantes desejam – uma boa disciplina mental. A menos que os jovens sejam versados na ciência de como cuidar do corpo assim como da mente, não serão estudantes bem-sucedidos. O estudo não é a causa principal do esgotamento das faculdades mentais. A causa principal é o regime impróprio, refeições irregulares, falta de exercício físico, e desatenção em outros sentidos às leis da saúde. Quando fazemos tudo que podemos para conservar a saúde, podemos então, com fé, rogar a Deus que abençoe nossos esforços.

“Antes que os estudantes falem de seus progressos na chamada “educação superior”, aprendam a comer e beber para a glória de Deus, e a exercitar o cérebro, ossos e músculos, de tal maneira a habilitá-los ao mais elevado serviço. Um estudante pode dedicar todas as suas faculdades à aquisição do saber, mas, desobedecendo às leis que lhe governam o ser, diminuirá sua eficiência. Acariciando maus hábitos, perde o poder da apreciação própria e o domínio de si mesmo. Não pode raciocinar corretamente acerca de assuntos que muito de perto lhe dizem respeito, e torna-se descuidado e irracionável no tratamento que dá ao espírito e ao corpo” (Conselhos aos professores, pais e estudantes, 299 – 300).

“Lembrai-vos de que o homem tem de preservar o talento da inteligência, dado por Deus, conservando a estrutura física em harmoniosa ação. É necessário o exercício físico para que se desfrute saúde” (Mente, caráter e personalidade, 375).

Nos tempos antigos o trabalho em si já era exercício físico. Atualmente já não é mais em muitos casos. DEUS deu o trabalho para naturalmente nos exercitarmos mas isso mudou, portanto, precisamos também nos adaptar. “Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os exercitar” (Eclesiastes 3:10). “E apliquei o meu coração a esquadrinhar, e a informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do céu; esta enfadonha ocupação deu Deus aos filhos dos homens, para nela os exercitar” (Eclesiastes 1:13).

 

  1. Quinta: Preparando-se para a morte

Confesso que não gostei desse título, do dia de hoje. Preferiria que fosse assim: “Preparando-se para a vida eterna.” É bem provável que iremos morrer se JESUS não vier em tempo de evitar nosso falecimento, mas isso pouco importa se estivermos salvos.

Para quem está salvo, como foi o caso de Daniel, que DEUS disse a ele que iria descansar mas que no fim dos dias se levantaria para receber a sua herança (Dan. 12:13), a morte é apenas, como disse JESUS, um sono.

Nessa vida que temos, cujo futuro certo é sempre o envelhecimento e a morte, se há algo importante a decidir é sobre a vida eterna ou morte eterna. Se a opção é pela morte, nem precisa fazer alguma coisa, nem precisa decidir, ao natural morreremos para sempre. É só seguir a tendência do mundo sem preocupação alguma. Porém, se a vontade for viver para sempre, tem que fazer alguma coisa sim, que é a opção por JESUS.

Vamos deixar esse ponto mais claro. A salvação vem por meio de JESUS, isso todos sabemos. Porém, cabe a nós, pelo livre arbítrio que temos, tomar as decisões relativas a vida eterna. Por exemplo, temos que decidir ser igual a JESUS, segui-Lo, obedecê-Lo, ou seja, querer ser transformado pelo ESPÍRITO SANTO.

Em nossa casa não queremos nos preparar para a morte, e sim, para a vida eterna. Isso implica uma vida em santificação, trabalhar pelos outros, levar os princípios de nossas igreja a sério, estudar a Bíblia e os escritos de EGW, bem como outras fontes boas, e viver de acordo com o conhecimento da verdade.

“Mediante Sua vida de sacrifício e morte humilhante, Ele tornou possível, para nós, a posse de Sua divindade e o escape da corrupção que pela concupiscência há no mundo. … Se sois participantes da natureza divina, cada dia estareis obtendo um preparo para aquela vida que se assemelha à vida de Deus. Cada dia purificareis vossa confiança em Jesus, seguireis Seu exemplo e crescereis à Sua semelhança, até que vos apresentareis perfeitos diante dEle” (Cuidado de DEUS, MM 1995, 65).

“Doença e morte prevalecem no mundo, e quão pouco sabemos acerca do término do nosso tempo individual de graça! … Quantos, se fossem chamados a prestar contas, o fariam com pesar, lamento e remorso, por isso que haviam empregado tão só em interesses egoístas o tempo de graça concedido por Deus! Os eternos interesses da vida têm sido temerariamente negligenciados por causa de questões de pouca valia. A mente conserva-se ocupada, exatamente como Satanás pretende que seja, com interesses egoístas e coisas sem importância, e pode o tempo passar para a eternidade, sem nenhum preparo para o Céu” (Para conhece-Lo, MM 1965, 321).

“Enche-se-me de angústia o coração ao pensar eu nas mensagens desinteressantes pregadas por alguns pastores nossos, quando têm para pregar uma mensagem de vida e morte. Os pastores estão dormentes; estão-no também os membros da igreja; e um mundo perece em pecado. Queira Deus ajudar o Seu povo a despertar, e andar, e trabalhar como homens e mulheres que estão nas fronteiras de um mundo eterno. Logo uma surpresa terrível sobrevirá aos habitantes do mundo. Imprevistamente, com poder e grande glória, Cristo virá. Não haverá, então, tempo de preparo para encontrá-Lo. Agora é o tempo de proclamarmos a mensagem de advertência” (Testemunhos seletos, v3, 220).

 

  1. Resumo e aplicação – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Tema transversal

O povo de Israel e depois o de Judá (mais os benjamitas e muitos levitas) sempre seguia o líder, o rei. Quando tinham um rei voltado ao Senhor, eles também se voltavam ao Senhor, e prosperavam. Mas quando o rei era idólatra, o povo logo se tornava idólatra, porém, sempre havia exceções, poucas, mas havia. Veja na Bíblia que o reino de Israel depois da separação só teve reis idólatras, e o povo nunca mais retornou a DEUS. No Reino do Sul, teve vários reis seguidores de DEUS, e o povo nessas épocas adorava ao DEUS verdadeiro.

Como é importante a postura do líder! Sempre foi assim, não só entre o povo de DEUS. É em todos os tipos de organizações. É também assim na igreja hoje. Um líder dinâmico, e basta um, torna a igreja ativa e empenhada, o contrário também acontece.

Os israelitas tiveram uma experiência impar no deserto, por 40 anos. Durante esse tempo puderam sentir o poder de DEUS, mas a condição era obediência. Eles tiveram provas do poder e do amor de DEUS por eles. Mas muitas faziam conforme as atrações externas. Do mesmo modo, nós conhecemos toda a história do povo de DEUS ao longo dos milênios, temos fundamento para a fé como ninguém, e ainda vemos as profecias se cumprindo ao pé da letra. Temos tudo para sermos fiéis a DEUS.

 

  1. Aplicação contextual e problematização

Assim como temos máximas informações sobre a fidelidade de DEUS, também, por outro lado, satanás, nunca inventou tantas atrações para nos desviar, todas elas bem sutis e sedutoras. Caem nelas membros, líderes, pastores, departamentais, presidentes de campo e assim por diante. Cuidemo-nos porque nesses dias satanás está furioso procurando a quem possa tragar, especialmente aqueles que se empenham nos ensinos da verdade para salvar pessoas à vida eterna. Ele quer manter a nossa igreja no estado de Laudicéia, ficando assim, para ele tudo bem.

 

  1. Informe profético de fatos recentes

Baseado no que aconteceu em Suzano, ontem (ao dia em que escrevo isto), dia 13 de março, temos que refletir um pouco sobre a violência. Esse não foi um ato isolado, mas o que impressiona é dois jovens, 17 e 25 anos, que nunca praticaram esse tipo de coisa, puderam partir para matar a esmo, dar machadadas, como se tivessem uma grande justificativa para isso, como se aqueles adolescentes fossem os maiores criminosos do planeta ou coisa pior. Nem assim se justificaria, eles mataram pessoas inocentes e boas.

Sabemos que os últimos dias seriam assim, basta ler em II Tim, 3:1-7. Falta a verdadeira religião no coração das pessoas, nas famílias desacreditadas, nas escolas e na sociedade. Satanás está tomando conta da sociedade. Ali todos são vítimas, houve ali as vítimas das vítimas, embora os dois assassinos não sejam, ao mesmo tempo, inocentes.

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“A obra de nossa existência aqui é um preparo para a vida eterna. A educação principiada na Terra não se completará nesta vida; prosseguirá por toda a eternidade – sempre em progresso, sem nunca se completar. Mais e mais amplamente se revelarão a sabedoria e o amor de Deus no plano da redenção. Ao guiar Seus filhos às fontes das águas vivas, o Salvador lhes comunicará abundância de conhecimentos. E dia a dia as maravilhosas obras de Deus, as provas de Seu poder na criação e manutenção do Universo, desdobrar-se-ão perante seu espírito em uma nova beleza. À luz que irradia do trono, desaparecerão os mistérios, e a alma se encherá de espanto em face da simplicidade das coisas antes não compreendidas. Vemos agora por espelho, obscuramente; mas então, face a face; agora conhecemos em parte; mas então havemos de conhecer como também somos conhecidos” (A ciência do bom viver, 466).

 

  1. Conclusão

“”Vi o ímpio com grande poder espalhar-se como a árvore verde na terra natal. Mas passou e já não é; procurei-o, mas não se pôde encontrar.” Sal. 37:35 e 36. Aquele que vê o fim desde o princípio, da confusão tira ordem, faz todas as coisas bem. Veremos outro lado do quadro: “Nota o homem sincero e considera o que é reto, porque o futuro desse homem será de paz.” Sal. 37:37. A Palavra de Deus oferece todo o preparo para a vida eterna. Nossa fé deve ser uma fé que atua por amor, e purifica a alma, não desdenha da fé e prática. Cremos na Palavra de Deus? São todos os que professam a verdade fiéis e verdadeiros, firmes nos princípios? Estamos fazendo trabalho missionário no Espírito de Cristo?

“Há homens que ficam nos púlpitos como pastores, professando alimentar o rebanho, enquanto as ovelhas estão morrendo por falta do pão da vida. Há longos e arrastados discursos grandemente compostos de narrativas de anedotas; mas o coração dos ouvintes não é tocado. Pode ser que os sentimentos de alguns sejam tocados, podem derramar algumas lágrimas, mas seu coração não foi quebrantado. O Senhor Jesus tem estado presente ao apresentarem o que se chamava sermão, mas suas palavras eram destituídas do orvalho e chuva do Céu. Davam evidências de que os ungidos descritos por Zacarias não lhes haviam ministrado para que pudessem ministrar aos outros. Quando os ungidos se esvaziam pelos canudos de ouro, o dourado óleo flui deles para os vasos de ouro, para escorrer para as lâmpadas, as igrejas. É esta a obra de todo o fiel e dedicado servo do Deus vivo. O Senhor Deus do Céu não pode aprovar muito do que é trazido ao púlpito pelos que professam estar falando a Palavra do Senhor. Não inculcam ideias que sejam uma bênção para os que o ouvem. Alimento barato, muito barato é colocado diante do povo” (Testemunhos para ministros e obreiros evangélicos, 336-337).