Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2018

Lição 3 – JESUS e o livro do Apocalipse

Semana de 14 a 20 de abril

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular, sênior, no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário complementa o estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com – marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

Verso para memorizar: “Ao vencedor darei o direito de sentar-se comigo em Meu trono, assim como Eu também venci e sentei-Me com Meu Pai em Seu trono” (Apoc. 3:21, NVI).

 

Introdução de sábado à tarde

O autor da lição está afirmando que o Novo Testamento está ligado ao Antigo Testamento. Isso é bem lógico; a única diferença, que os separa, é que o antigo foi escrito antes de JESUS CRISTO vir à Terra e o Novo Testamento foi escrito depois. Porém, os dois tratam do problema do pecado e de sua solução. Nisso, os dois referem-se a JESUS CRISTO como o Salvador. No Antigo Testamento, o Salvador era representado por um cordeiro a ser sacrificado; no Novo Testamento, JESUS é esse cordeiro, que O simbolizava, e que haveria de vir.

O estudo dessa semana é sobre JESUS CRISTO no livro do Apocalipse. Apocalipse quer dizer ‘revelação’, enquanto que o livro de Daniel contém partes nele não reveladas, ou, foram seladas. “No Apocalipse todos os livros da Bíblia se encontram e se cumprem. Ali está o complemento do livro de Daniel. Um é uma profecia; o outro uma revelação. O livro que foi selado não é o Apocalipse, mas a porção da profecia de Daniel relativa aos últimos dias. O anjo ordenou: “E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo.” Dan. 12:4” (Atos dos Apóstolos, 585). “Os livros de Daniel e Apocalipse são um. Um é a profecia; o outro, a revelação; um é o livro selado, o outro, o livro aberto” (CRISTO Triunfante, MM 2002, 343).

O assunto central da Bíblia, seja no Antigo, seja no Novo Testamento, é apresentar JESUS como o Salvador da humanidade. Ele mesmo, o Salvador, refere-Se com frequência ao Antigo Testamento como válido, dando testemunho Dele. E o Apocalipse é o livro no qual tudo o que foi escrito na Bíblia converge, cujo fato para o qual a Bíblia aponta, a segunda vinda de JESUS como Salvador de todos quantos creram Nele.

 

  1. Primeiro dia: A estrutura do Apocalipse

O livro de Apocalipse compõe-se de duas partes e uma transição. A primeira parte, sobre história, vai de Apoc. 1 ao 11. O capítulo 12 é a transição entre as duas partes, pois ele inicia com história e termina com profecia, sendo que a segunda parte desse livro, do capítulo 13 ao 22 trata de profecia. Essa segunda parte é a continuidade das profecias do livro de Daniel, que trata de profecia nos capítulos 2, e 7 em diante. O livro de Daniel tem alguns trechos que foram selados, ou seja, quem lesse não as entenderia. A revelação do que foi selado está no livro do Apocalipse, justamente entre os capítulos 13 a 22. O curioso é que o livro do Apocalipse foi escrito no final do século primeiro, uns quinhentos anos depois de Daniel, mas a compreensão da ligação entre os livros somente ocorreu por volta do ano de 1844, quando certamente entrou em ação o poder do ESPÍRITO SANTO para dar entendimento a esses escritos proféticos.

Porém, ainda hoje, nem todos conseguem entender as profecias, que a nós parecem até bem simples de entender. Por exemplo, na televisão brasileira se publica uma novela que poderia ser muito boa, sobre o Apocalipse. Porém, ali está praticamente tudo errado, como por exemplo, arrebatamento secreto e outras coisas mais absurdas que essas. Apesar da tremenda luz que temos hoje, poucos na verdade entendem o Apocalipse.

Qual a diferença entre profecia e história? História é contar os fatos depois de terem acontecido; profecia é contar os fatos antes de acontecerem. Aqui está algo que não podemos explicar e que, ao menos para a minha pessoa, causa grande admiração em relação a DEUS: Ele conhece o futuro ao longo de sua eternidade. Por isso Ele consegue revelar o futuro a nós por meio do que se chama profecia. Não é uma adivinhação do futuro, ou um cálculo de probabilidades. É DEUS ter conhecimento. Isto se chama ‘presciência’ do que irá acontecer. Há profecias escritas ha bem mais de 2,5 milênios, e sem erro algum em seu cumprimento. Ora, alguém que conhece o futuro e também é amor, a Esse é impossível errar, pois sempre evita tomar decisões que tragam algum problema no futuro. Afinal, Ele conhece o futuro, e decide em relação ao futuro. Ele sim, administra o futuro, e o faz com amor. Isso que nos dá total segurança: ser amor e conhecer o futuro. Para governar o Universo, tem que ter essas capacidades, além de outras que Ele tem.

O estudo da história nos serve para entender melhor a DEUS, entender como erros causam certas consequências, muitas vezes vindos por meio de algum juízo. Assim foi, por exemplo, com o Dilúvio. Também foi com a saída do povo de Israel, da trajetória do Egito à Canaã. Veja bem, DEUS literalmente destruiu o Egito para que seu povo saísse de lá, rico em ouro, livre, protegido por Alguém capaz de destruir o Egito. Saibam que esse império ficou falido, sem alimento, sua infraestrutura destruída, sem exército, devendo para outras nações, e sem mão de obra escrava, quase que de um momento para outro.  Mesmo assim, o que aconteceu com esse povo? Leia o relato abaixo:

“Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem, e todos passaram pelo mar. E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar, e todos comeram de uma mesma comida espiritual, e beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo. Mas Deus não Se agradou da maior parte deles, por isso foram prostrados no deserto. E estas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram. Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles, conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber, e levantou-se para folgar. E não nos forniquemos, como alguns deles fizeram; e caíram num dia vinte e três mil. E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram, e pereceram pelas serpentes. E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor. Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos (I Cor. 10:1-11).

Deu para entender? A história nos serve para deixarmos de cometer erros parecidos com os nossos antepassados. Serve também para nos fazer entender que DEUS precisa exercer justiça, Ele precisa julgar nossos atos, e muitas vezes precisa agir antes do tempo do juízo final, para evitar colapso de uma nação ou da humanidade. Isso já aconteceu com os antediluvianos, com os habitantes de Canaã, com os habitantes de Sodoma e Gomorra, e parece que também com os habitantes de Herculano e Pompeia. A história é um alerta para que saibamos relacionar melhor causas com efeitos. Afinal, o mesmo satanás que criava graves problemas com os israelitas, ainda hoje persegue a semente da mulher, persegue aqueles que guardam os mandamentos de DEUS e tem a fé de JESUS. Ou seja, aqueles que seguem JESUS. “Nada temos a temer quanto ao futuro, a menos que nos esqueçamos como DEUS nos conduziu no passado.” (TV Novo Tempo).

 

  1. Segunda: Representações de JESUS

JESUS CRISTO assume vários nomes. Cada um deles representa algo que Ele faz pelas Suas criaturas. Por exemplo, em Apocalipse capítulo um, aparecem os seguintes nomes: Fiel Testemunha, Primogênito dos Mortos, Príncipe dos Reis da Terra, Estava Vivo, Fui Morto e Estou Vivo. Esses nomes referem-se a ações de JESUS no Antigo Testamento. Por exemplo, Ele vivia desde a eternidade, mas foi morto por nós, e ressuscitou para viver eternamente. Portanto, Ele tem as chaves da morte e do inferno, pode ressuscitar a quem desejar, e dar-lhe a vida eterna, como deu a Adão e Eva, que ainda viveriam se não tivessem pecado.

Em Apocalipse seis JESUS foi chamado de Cordeiro, um nome bem apropriado dada a ilustração do cordeiro que deveria ser morto pelos pecados das pessoas. Ele foi o Cordeiro verdadeiro, por isso esse é mais um nome conferido a Ele, manso e humilde, como são todos os cidadãos no Reino de DEUS, e como Ele mesmo, DEUS, também é.

Em Apocalipse dezenove aparece o cavaleiro Fiel e Verdadeiro, montado num puro cavalo branco, Ele mesmo sendo a Palavra de DEUS, o Todo Poderoso. Aqui JESUS já aparece como vencedor, num cenário pós crucificação, ou seja, precedendo a segunda vinda.

Por fim, em Apocalipse 21 Ele aparece com o nome Alfa e Ômega, o primeiro e o último, o que sempre existiu e sempre existirá, mas que experimentou a morte.

Há um site na Internet onde aparecem 319 nomes de JESUS, algo bem interessante. Clique aqui e poderá baixar, se desejar. Tem um nome Dele que sempre me chamou a atenção: Senhor do Sábado, em Lucas 6:5. Ele não é Senhor do domingo, título que pertence a Lúcifer. É bom refletir sobre cada um desses 319 nomes de nosso Salvador (um de Seus nomes) para O conhecermos melhor.

  1. Terça: O tema do santuário no Apocalipse

O santuário também aparece no Apocalipse, de maneira solene e como num cenário impressionante.

Quando a lei foi dada no Sinai, houve demonstrações de grandiosa manifestação do poder de DEUS. Pode-se ler isto em Êxodo 19:18,19. Eram evidências da importância da imutável lei de DEUS.

Tudo o que se representava na Terra no ritual do santuário se cumpriu com JESUS, em Sua pregação e em Sua morte. No dia de Sua ressurreição, logo após falar com as mulheres, Ele subiu ao Céu para ser recebido como vitorioso. Isso se pode ler em Apoc. 4 e 5. Houve ali aclamações desde os mais próximos do trono até alcançar o Universo inteiro. Portanto, o Universo está observando o que se passa em nosso pequeno planeta. Ele entrou pela porta aberta, como vitorioso, o cordeiro de DEUS que se tornou o leão defensor de Judá, de Seu povo na Terra. Agiu como um cordeiro, mas o resultado de Sua ação foi como a de um leão que protege seus filhotes.

“Depois destas coisas, olhei, e eis não somente uma porta aberta no céu, como também a primeira voz que ouvi, como de trombeta ao falar comigo, dizendo: Sobe para aqui, e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer. E logo fui arrebatado em espírito, e eis que um trono estava posto no céu, e um assentado sobre o trono” (Apocalipse 4:1,2). JESUS assentou-Se no meio do trono, logo esse trono tem três lugares, senão não haveria um lugar central. Aceita-se que num lado, à esquerda, assenta-se o DEUS Pai, à direita, o ESPÍRITO SANTO, e no meio, JESUS CRISTO. Pois, Ele tomou o livro da mão direita do Pai (Apoc. 5:6,7). Era o livro sobre o futuro da igreja, do povo de DEUS, que Ele guiaria, como Salvador do mundo, especialmente, dos que O aceitaram como substituto. JESUS estava no lugar santo, onde ficaria até 1844. Lembre-se que, logo após Sua posse como vencedor, Ele retornou à Terra e aqui ficou por mais 40 dias, quando ascendeu definitivamente, para só retornar na Segunda Vinda resgatadora. No Apocalipse 4 e 5, conectado com 11:19, vê-se que JESUS, no domingo, dia da ressurreição, honrou os mandamentos do Sinai, cuja original está no Céu. Portanto, é inaceitável o argumento da mudança do sábado para o domingo em razão dessa ressurreição.

No Sinai DEUS nos concedeu a lei dos Dez Mandamentos. No livro de Apocalipse, essa mesma lei aparece outra vez, obviamente no lugar santíssimo, onde JESUS entrou em 1844, para purificar Seu povo que virá buscar, assim como se purificavam uma vez ao ano, no dia da expiação, no santuário terrestreLogo, o julgamento que se desenrola no santíssimo é com base nos mandamentos bíblicos, não nos do catecismo.

“E abriu-se no céu o templo de Deus, e a arca da sua aliança foi vista no Seu templo; e houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos e grande saraiva” (Apocalipse 11:19).

Na concessão da lei no Sinai houve sinais do poder de DEUS; na abertura do santuário celeste, a mesma demonstração desse mesmo poder. É a mesma lei, ela contém o sábado, não o domingo que os homens inventaram ser substituto do sábado divino. No Céu tem também um santuário, o qual serviu de modelo do terrestre. Nesse santuário também tem uma arca da aliança do amor. Nessa arca estão duas tábuas com os mandamentos eternos, uma vez que DEUS nunca muda. Ele é perfeito, e o que tem essa característica, evidentemente não precisa mudar, nem consegue se aperfeiçoar, já está no máximo. E nós, que esperamos a volta de JESUS, seguimos, anunciamos e ensinamos sobre a lei de DEUS, em contraposição à lei de satanás, que a maioria segue cegamente. Temos grande responsabilidade em viver como em proclamar a verdade bíblica.

Fiquei impressionado ao saber que numa novela criada pela Igreja Universal do Reino de DEUS, a dos Dez Mandamentos, eles foram absolutamente fiéis em descrever o original, quando DEUS determinou que todos santificassem o sábado. Nisso essa igreja condena-se a si mesma, pois ensina e seus pastores vivem uma prática diferente, santificam o domingo da Igreja Católica. Na verdade não santificam nem mesmo o domingo, apenas fazem feriado.

Aquele poder que está com a Sua lei há de se manifestar duas vezes, ainda. Em forma de chamado para sair de Babilônia e em forma de pragas sobre quem não sair dela.

 

  1. Quarta: CRISTO no Apocalipse: parte 1

O livro do Apocalipse é a revelação de JESUS, ou seja, é a explicação das profecias, principalmente da metade do livro em diante, sobre os planos de JESUS em relação a salvação da humanidade. Também inclui o fim dos inimigos de DEUS: a besta, Babilônia e seus aliados humanos ou demônios. O mal terá fim, JESUS já é o vencedor, e nós somos os escolhidos. Sim, escolhidos são todos, mas as pessoas também tem que fazer suas escolhas. Se uma pessoa escolher JESUS, Ele já a escolheu, logo, os dois se escolheram, e a pessoa assim está salva. Parabéns pela escolha da pessoa, pois CRISTO já a havia escolhido e já havia morrido por ela.

O Apocalipse é a revelação para que todos entendam sobre JESUS e Suas providências pela humanidade. Muitos acham esse livro difícil de entender, e em grande parte isso é verdade, mas está ao alcance de todos. Ele não é um livro fechado como partes do livro de Daniel. Ele contém muitos símbolos que dificultam seu entendimento. Isso é verdade, mas, para quem ainda não sabe o significado desses símbolos, basta procurar na Internet, num site fiel à Bíblia, e ali encontrará uma lista de símbolos, onde estão o seu significado. Aqui tem uma relação desses símbolos. Conhecendo o significado dos símbolos, facilmente entende o livro. Havendo alguma dificuldade, sem problemas, pergunte a alguém que já sabe mais. É assim que DEUS deseja que aprendamos de Seu livro.

Em Apocalipse 1:1 a 8 diz que CRISTO é a nossa fiel testemunha. Isso quer dizer que o prometido é confiável, exatamente porque nos ama. Será que alguém que chegou ao ponto de deixar a majestade celeste, tornar-Se homem e ser morto daquela maneira, não fosse fiel no que prometeu fazer no futuro? Não é possível.

É o caso de uma mãe que voltava para casa e ao chegar, viu os bombeiros tentando apagar o incêndio. Ninguém sabia, só ela, que seu bebê estava lá dentro. E só ela sabia onde ele estava. Havia saído há bem pouco e nesse meio tempo, algo aconteceu e houve um incêndio total em sua casa. Ela, desprendendo-se dos bombeiros que queriam impedir que entrasse no meio do fogo, passou por ele e foi direto à cama do bebê, que ainda estava sem fogo. Pegou o bebê e o levou para fora. Ela se queimou bastante, teve que ser hospitalizada, mas não só tirou seu bebê da casa como o protegeu miraculosamente. Apenas havia inalado um pouco de fumaça, coisa que não lhe prejudicou. É uma história que ouvi num sermão há uns 40 anos. Ela saiu com algumas cicatrizes. E JESUS, que nos ama bem mais que o melhor ser humano na Terra, não cumpriria a ordem de Seu amor por nós? Como duvidar depois de tudo o que Ele já fez por nós?

Ele, por Sua morte, não só nos justificou (perdoou) como ainda está nos santificando (tornando capazes de só desejar o que DEUS aprova). Tudo o que desejamos é que Ele volte, e é muito interessante que esse evento prometido esteja bem próximo, sabemos disso. Aliás, é o que estudaremos nesse trimestre.

 

  1. Quinta: CRISTO no Apocalipse: parte 2

“Eu Sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim” disse JESUS. Isso quer dizer que Ele é eterno. Parecia impossível a Lúcifer que o DEUS Criador viesse morrer por Suas criaturas, pois Ele é imortal. Mas até que Ele revelou Seu plano, não se poderia imaginar que o Rei do Universo, Criador de todas as coisas, capaz de criar vida, se tornasse um ser humano mortal. É claro, já sabemos disso, JESUS nunca deixou de ser DEUS, isso seria impossível como já estudamos em lições anteriores. Mas o JESUS humano era um como nós, envelhecia e era mortal, principalmente era sujeito a cometer pecados. Aí que é impressionante a Sua vitória, pois não era um DEUS que estava aqui lutando, mas um ser humano, que teve que aprender tudo como também nós temos que aprender.

O que Ele foi, se nós formos Seus seguidores, devemos ensinar e viver. “O mundo ficará convencido, não pelo que o púlpito ensina, mas pelo que a igreja vive” (Testemunhos Para a Igreja, v.7, p. 16). O que chama a atenção das pessoas não é tanto o que a igreja fala, mas o que ela faz e como faz. O estilo de vida das pessoas é que conta, e JESUS foi um exemplo nesse sentido. Ele venceu em lugar de Adão! O que isso quer dizer?

Quando a vida foi criada em nosso planeta, o Criador, o Sr. JESUS, fez algo que só Ele, DEUS é capaz. Encheu o planeta, somente pela Sua Palavra, ou por Sua ordem, com vida. E no final, coroou a criação com dois seres vivos, semelhantes a Ele. Tudo possuía capacidade de vida eterna. A Adão foi dado o privilégio de gerenciar o planeta, ele era o rei aqui na Terra. Não era o dono, mas possuía poder sobre tudo o que fora criado e também sobre a matéria inerte. Ele possuía as chaves da autoridade sobre o planeta. Mas perdeu toda a autoridade e poder com a queda, transferindo suas prerrogativas a Lúcifer, que naquele dia tornou-se o príncipe desse mundo. Na realidade o inimigo tornou-se o chefe opressor, o que mandava e dominava por aqui. Na cruz JESUS retomou a autoridade e o poder perdido por Adão. Por isso que JESUS é também chamado de segundo Adão. O primeiro ganhou o direito de administrar o planeta, o segundo lutou para retomar o direito perdido. “Cristo, o segundo Adão, veio em semelhança de carne pecaminosa. Em benefício do homem, tornou-Se sujeito à tristeza, ao cansaço, à fome e à sede. Era sujeito à tentação, mas não cedeu ao pecado. Nele não havia nenhuma mancha de pecado. Jesus declarou: “Eu tenho guardado os mandamentos de Meu Pai” [em Minha vida terrestre]. João 15:10. Tinha infinito poder só porque era perfeitamente obediente à vontade de Seu Pai. O segundo Adão resistiu ao embate da prova e tentação para que pudesse tornar-Se o Proprietário de toda a humanidade” (Mensagens Escolhidas, v3, 142 e 142).

Esse JESUS que enfrentou a humilhação da cruz, vergonha sem limites, que passou pela pior experiência que algum ser vivo poderia passar (nem satanás vai enfrentar algo parecido, um risco de perder o poder sobre o Universo), e que venceu, não poderia deixar de cumprir o mais fácil e prazeroso, de voltar à Terra e buscar aqueles que creram e confiaram Nele? Se Ele, por nós, fez o pior e mais difícil, não faria o melhor e mais fácil?

 

  1. Resumo e aplicação – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Tema transversal

O livro do Apocalipse ensina sobre JESUS como Salvador, num contexto de muito sinais que tanto comprovam a época de Sua volta quanto a veracidade dela. Para mim é o livro que mais contribui para aumento da minha fé. É quase incrível como são previstos tantos detalhes relacionados com a volta de JESUS. Seria o fato de só essa volta não se concretizar?

 

  1. Aplicação contextual e problematização

O ser humano é de um comportamento intrigante, e temos que ter cuidado, pois somos seres humanos: quanto mais bem explicado alguma coisa é, mais desconfia não ser verdade. Pois, em vez de confiar em uma coleção de profecias, não só no Apocalipse mas também em outros livros da Bíblia, muitos seres humanos preferem confiar na Teoria do Evolucionismo. O Evolucionismo diz que JESUS não existe, por isso também não volta. Mas a Bíblia já vem expondo suas profecias há bem mais de dois mil anos e todas até agora se cumpriram. Como ainda se duvida que as poucas que faltam se cumprir falharão? Como que os cursos de jornalismo não tem uma matéria sobre profecias para saber a tendência do mundo? Como que o mundo não está entusiasmado com esse assunto, senão uns poucos? Temos que crer contra a correnteza, até mesmo dentro da nossa igreja.

 

  1. Informe profético de fatos recentes

“China e Vaticano perto de acordo sobre nomeação de bispos, diz especialista

“A China e o Vaticano estão prestes a quebrar mais de meio século de antagonismo com a assinatura de um primeiro acordo, afirmou Francesco Sisci, especialista nas relações entre Pequim e a Santa Sé.

“China e Vaticano romperam os laços diplomáticos em 1951, depois de Pio XII excomungar os bispos designados pelo Governo chinês. Pequim reivindicava o direito a nomear os bispos católicos, considerando que a nomeação a partir de Roma representava uma ingerência inaceitável nos seus assuntos internos.

“Os católicos chineses dividiram-se então entre duas igrejas: a Associação Católica Patriótica Chinesa, aprovada por Pequim, e a clandestina, que continuou fiel ao Vaticano.

“A divisão esmoreceu-se nos anos 1980, quando o Papa João Paulo II reconheceu 30 bispos designados pela igreja oficial chinesa. Em 2007, Bento XVI apelou a uma reconciliação entre a igreja clandestina e a oficial, mas em algumas áreas do país continuaram a existir divisões.” A tendência é que se chegue a um acordo e que haja paz entre a igreja e aquele país. Veja toda notícia nesse link.

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“O livro do Apocalipse, em conexão com o de Daniel, exige especial estudo. Todo professor temente a Deus considere como da maneira mais clara compreender e apresentar o evangelho que nosso Salvador veio em pessoa tornar conhecido a Seu servo João – “Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus Lhe deu para mostrar aos Seus servos as coisas que brevemente devem acontecer”. Apoc. 1:1. Ninguém deve desanimar no estudo do Apocalipse por causa de seus símbolos aparentemente místicos. “Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto.” Tia. 1:5” (Educação, 191).

 

  1. Conclusão

“A João, o Senhor revelou os assuntos que viu serem necessários para o Seu povo nos últimos dias. As instruções que deu, encontram-se no livro de Apocalipse. Os que querem ser coobreiros de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, mostrarão profundo interesse nas verdades que se encontram nesse livro. Pela pena e pela voz procurarão tornar claras as coisas maravilhosas para cuja revelação Cristo veio do Céu” (Testemunhos Seletos, v3, 278).