LIÇÃO DA ESCOLA SABATINA - QUARTO TRIMESTRE DE 2019

Resumo da Lição 2
Neemias

RESUMO DA LIÇÃO 2

Neemias

 

ESBOÇO

 

TEXTO-CHAVE: Neemias 1:4, 5

FOCO DO ESTUDO: Neemias 1; 2

Após o retorno dos dois grupos (o primeiro liderado por Zorobabel e o segundo por Esdras), Deus encarregou Neemias, copeiro do rei Artaxerxes (Ne 1:11), de levar ainda outro grupo de exilados de volta a Jerusalém. Neemias ficou sabendo que os “restantes” dos judeus na cidade santa estavam “em grande miséria e desprezo” (Ne 1:3) devido à oposição que encontraram na reconstrução da cidade. Neemias ficou desolado com as notícias e se lamentou durante vários dias. Ele jejuou e orou a Deus.

O rei Artaxerxes percebeu que Neemias estava triste e lhe indagou o motivo. Enquanto orava silenciosamente, Neemias disse ao rei que Jerusalém estava arruinada. Ele pediu ao rei que lhe desse permissão para ir à cidade a fim de reconstruí-la. De modo surpreendente, o rei lhe concedeu seu pedido, pois “a boa mão do [seu] Deus era” com ele (Ne 2:8).
Neemias reconheceu a providência e a graça divina.

Contudo, o servo de Deus sabia que precisava de reforço, pois os governadores “dalém do Eufrates” amedrontaram os israelitas e fizeram com que parassem a obra. Devido às reclamações desses líderes, o rei Artaxerxes tinha feito cessar a reconstrução de Jerusalém. A fim de reverter a primeira ordem do rei, Neemias sabiamente lhe pediu que enviasse consigo uma carta aos líderes da região, informando-lhes que estava em missão oficial e, portanto, não devia ser impedido.

Na conclusão do capítulo 2 de Neemias, encontramos o servo de Deus explorando a obra que precisava ser realizada e encorajando o povo a construir. Enfatize que o êxito de Neemias em assegurar o favor do rei foi consequência direta da atitude de buscar a Deus em resposta aos trágicos eventos em Jerusalém (Ne 1:3). Neemias orou e jejuou (Ne 1:4); como resultado, Deus preparou o rei e o povo para reagir favoravelmente.

Comentário

A oração de Neemias (Ne 1)

Neemias ficou angustiado após receber a visita dos recém-chegados de Judá. Como oficial da corte do rei, é possível que tivesse conhecimento do juízo de Artaxerxes contra Judá. Forças hostis em volta de Jerusalém denunciaram ao rei a obra de reconstrução e este se sujeitou diante dessa investida, convencido da potencial ameaça política que os judeus representavam (Ed 4). Por causa de rumores e por ação governamental oficial, Neemias indagou sobre a situação em Judá. Infelizmente, os rumores foram confirmados por Hanani e seus ajudantes, e a verdade apresentada deve ter sido pior do que se esperava. O servo de Deus sofreu com as notícias e se lamentou durante vários dias. Porém, imediatamente buscou auxílio divino.

A lição resume a oração de Neemias. Ao analisar sua oração, descobrimos que o ponto principal (o centro) da oração foi a súplica para que Deus Se lembrasse de Suas promessas. Assim, Neemias relembrou os leitores do quadro geral: Deus cumpre Suas promessas. O líder começou a oração com adoração e louvor, antes de pedir a Deus que o ouvisse. Ofertas de adoração e louvor, por sua vez, são seguidas pela confissão de pecados e o pedido para que o Senhor Se lembre de Suas promessas de restaurar o povo. No fim, a oração volta a relembrar ao Senhor de que aquele é Seu povo redimido. Mais uma vez, Neemias pede ao Senhor que o ouça e que o rei seja misericordioso para com ele, pois sabe que o rei tem o poder de reverter a situação em Judá e, portanto, suplica que Deus atue no coração do monarca.

Muitas vezes, esperamos que as orações sejam respondidas de imediato, mas Neemias perseverou e orou durante mais de quatro meses até que algo acontecesse. O período de oração serviu para que o copeiro fosse preparado para liderar a expedição. Ele teve tempo para pensar nos passos que tomaria quando chegasse a Jerusalém, o que faria para maximizar os resultados do processo de reconstrução, e talvez até para calcular os materiais de que precisaria. Todos esses planos devem ter se solidificado na mente do servo de Deus, pois quando o rei finalmente lhe perguntou: “Que me pedes agora?” (Ne 2:4), Neemias tinha uma resposta bem pensada.

Conversa com o rei. Neemias vai a Jerusalém (Ne 2:1-10)

Neemias iniciou seu pedido ao rei falando sobre os “sepulcros de [seus] pais” (Ne 2:5).  O respeito pelos ancestrais e pelo local adequado para o sepultamento deles era motivo de profunda preocupação na antiguidade, pois dessa forma os antigos expressavam grande respeito por seus antepassados e desejo de paz. Neemias não mencionou Jerusalém pelo nome, apenas se referiu à importância do local de sepultamento e da cidade que amava. Não se sabe se toda a negociação entre o rei e Neemias aconteceu em um só momento. Contudo, é possível que a conversa tenha continuado em um local mais reservado onde a rainha estava presente (Ne 2:6). Historiadores acreditam que o rei Artaxerxes era influenciado por mulheres. Por isso, a presença de sua esposa pode ter sido um ponto positivo para Neemias (segundo Ctesias, médico e historiador grego, o nome dela era Damaspia, embora não seja mencionado na Bíblia). Mas isso é apenas especulação.

Neemias precisava de (1) tempo; (2) credenciais para que os inimigos de Israel o deixassem passar e não lhe fizessem dano; e (3) madeira para construção. É interessante observar que Asafe, oficial do rei, guardião da floresta imperial, tinha nome judeu, o que sugere que, a exemplo de Neemias, ele seria um judeu que havia conquistado uma elevada posição. O servo de Deus precisava de madeira para três projetos: (1) vigas para os portões de uma fortaleza, construída ao norte do templo com o propósito de proteger seus recintos sagrados; (2) o muro da cidade; e (3) para sua residência. É possível que ele estivesse apenas planejando reformar uma casa que havia pertencido à sua família.

Em Jerusalém: Preparação para reconstruir os muros (Ne 2:11-20)

Neemias chegou a Jerusalém com capitães do exército e cavaleiros. No caminho, ele entregou a carta do rei a cada governador que buscou deter a obra dos muros da cidade. Após descansar por três dias, o que parece ter sido um período de tempo tradicional após uma viagem longa, Neemias levou consigo um pequeno grupo numa missão noturna secreta. Talvez o grupo fosse formado por seu irmão Hanani, associados mais próximos e parentes que foram com ele a Jerusalém ou já tivessem se estabelecido ali como moradores (eles informaram o servo de Deus sobre a condição de Israel [ver Ne 1:2, 3]). O grupo silenciosamente analisou a condição dos muros e portões de modo a não atrair atenção ao projeto de forma prematura. É provável que Sambalate e Tobias tivessem aliados em Jerusalém, e Neemias suspeitasse de que estivesse sendo vigiado.

O governador declarou: “Não declarei a ninguém o que o meu Deus me pusera no coração para eu fazer em Jerusalém” (Ne 2:12). A palavra para pôr é natan, que significa “dar, colocar ou estabelecer”. Neemias enfatizou que a missão de reconstruir as fortificações não foi ideia dele, mas de Deus. O Senhor colocou essa chama no seu coração e o desejo de concluir o projeto. Estava claro para Neemias que esse era um empreendimento ordenado por Deus.

Quando a expedição noturna terminou e Neemias obteve as informações necessárias para mapear o trabalho, ele se dirigiu aos líderes dos judeus. Depois da estratégia, era hora de agir. Ele convidou os judeus: “Reedifiquemos os muros de Jerusalém, e deixemos de ser opróbrio” [do hebraico cherpa] (Ne 2:17). Cherpa significa “chacota, escárnio, insulto e desprezo”. No Antigo Testamento, com frequência cherpa é traduzido como desgraça e reprovação no sentido de vergonha. Culturas antigas se baseavam em um sistema de honra e desonra.
A honra era o valor mais importante e a desonra devia ser evitada a qualquer custo. Portanto, Neemias tocou no ponto da desonra ao apresentar seu argumento. Ele convenceu os israelitas a agir para que revertessem a situação vergonhosa pela qual estavam passando. Ter um sistema de defesa destruído tornava-os não apenas vulneráveis, mas também os envergonhava. Associada ao sentimento de vergonha estava também a culpa. O líder expressou o sentimento de seu povo de inadequação e desgraça devido à opressão. A questão principal era a honra, o respeito e a herança que eles construiriam novamente ao participar dessa importante obra. As ruínas de Jerusalém davam mau testemunho da fé do povo em Deus.

Quando, em Neemias 2:18, o servo de Deus declarou que a mão de Deus tinha sido com ele, e compartilhou o que o rei lhe havia dito, o povo foi persuadido a exclamar: “Disponhamo-nos e edifiquemos” (Ne 2:18). Eles não deviam temer o governo persa, e, ainda mais importante, precisavam se lembrar de que Deus estava com eles. Para mudar a situação, eles se dispuseram a fazer algo. Que essa demonstração de fé seja uma lição para nós. Remoer a miséria ou buscar desculpas não faz a situação mudar; ela muda somente por meio da ação. Neemias encorajou o povo a fazer algo, a agir e a mudar sua condição. O servo de Deus exortou os judeus a se apegarem a Deus com fé, porque o Senhor estava liderando essa expedição e iria levá-la à conclusão.

Portanto, quando os líderes dos inimigos foram a Neemias, zombando e rindo da tentativa do povo para construir o muro, o servo de Deus não ficou desencorajado. Ele respondeu:

“O Deus dos Céus é quem nos dará bom êxito” (Ne 2:20). O governador não deixou que os inimigos vencessem porque não nutriu no coração os insultos deles. Em vez disso, o corajoso copeiro reclamou as promessas divinas e confiou no Seu poder.

Aplicação para a vida

Faça as seguintes perguntas:

1. Observe a oração de Neemias. Que aspectos dela você pode incluir na sua rotina de oração?

2. Reflita sobre o seguinte ponto: Neemias sabia da grande oposição à reconstrução dos muros de Jerusalém antes de chegar à cidade. Se Deus enviasse você em missão a um lugar em que haja grande dificuldade e oposição, e você soubesse disso de antemão, teria coragem de atender ao chamado? Por quê?

3. Deus chamou o copeiro para uma obra específica. Ele jejuou e orou antes de falar com o rei porque amava sua cidade e seu povo. Você pensa em jejuar e orar quando surge uma dificuldade em sua vida? Como o jejum e a oração fazem a diferença? Quando foi a última vez que você jejuou, e por qual motivo?

4. Antes de dizer às pessoas o motivo de estar ali, Neemias primeiramente inspecionou a cidade para saber o que precisava ser feito.

A. Por que o planejamento é tão importante?

B. Pense sobre os ministérios específicos dos quais você é responsável ou faz parte na igreja. O que pode ser feito para examinar sua missão antes de implementá-la?