Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DA ESCOLA SABATINA - TERCEIRO TRIMESTRE DE 2018

Resumo da Lição 2
O Pentecostes

TEXTOS-CHAVE: Atos 2:1-13, 22-39; Joel 2:28-32

O ALUNO DEVERÁ

Conhecer: A importância fundamental do Pentecostes. 
Sentir: A influência do Espírito Santo em sua vida como indivíduo e na igreja como comunidade.
Fazer: Compartilhar situações reais em que o Espírito Santo enriqueceu sua vida pessoal e comunitária.

ESBOÇO

I. Conhecer: A promessa e o Pentecostes

A. Quais promessas Jesus fez em relação ao Espírito Santo? (Jo 14:15-18; 16:8-14; At 1:8)

B. Como essas promessas foram cumpridas no Pentecostes? (At 2:1-12, 16-21, 38, 39)?

II. Sentir: A preparação e a proclamação

A. Os discípulos se prepararam para receber o Espírito no dia de Pentecostes? De que maneira? (At 2:1, 2)

B. É possível separar o recebimento do Espírito da proclamação da mensagem que Ele nos envia? Explique.

C. No Pentecostes, como o Espírito habilitou os discípulos a proclamar a mensagem que lhes foi dada?

III. Fazer: O poder do Espírito e a colheita

Quando o plano da redenção é pregado mediante o poder do Espírito Santo, que tipo de resultado pode ser esperado? (At 2:36-41)

RESUMO

No Pentecostes, quando os discípulos se reuniram unanimemente em estudo e oração, Deus derramou sobre eles o Espírito Santo. Como podemos experimentar esse derramamento do Espírito hoje?

Ciclo do aprendizado

1 Motivação

Focalizando as Escrituras: Atos 2:38

Conceito-chave para o crescimento espiritual: Embora o Pentecostes não tenha sido o primeiro derramamento do Espírito Santo sobre o povo de Deus, nunca devemos esquecer que esse derramamento representa um evento poderoso na história da redenção. O Jesus ressuscitado passou 40 dias com Seus discípulos, ensinando-lhes sobre o significado da cruz e do túmulo vazio, sobre o cumprimento da promessa de que Ele não desampararia Seus seguidores após Sua ascensão (Jo 14:16, 17), e sobre o derramamento do Espírito para que cumpríssemos a grande comissão evangélica (Mt 28:19, 20; At 1:8). O Espírito que esteve presente na criação e na experiência do novo nascimento (Jo 3:5) é o mesmo que concluirá a comissão do evangelho.

Para o professor: Embora o Pentecostes seja um evento importante na história da igreja, não devemos cometer o erro de presumir que a obra do Espírito tivesse começado apenas naquele dia. Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito são eternamente presentes, coeternos, coexistentes e iguais. Quando Deus disse: “Façamos o homem à Nossa imagem” (Gn 1:26), Ele Se referiu à pluralidade de três Pessoas e à singularidade de propósito. Quando Paulo declarou: “Toda a Escritura é inspirada por Deus” (2Tm 3:16), ele se referiu ao papel ativo do Espírito Santo na Palavra escrita de Deus. Da criação ao novo céu e à nova Terra, os três membros da Divindade foram e são participantes ativos. Nesta semana, a Lição enfatiza como o Espírito opera tanto no discípulo individualmente quanto na comunidade dos fiéis. Lucas menciona o Espírito Santo cerca de 55 vezes no livro de Atos, levando alguns estudiosos a descrever o livro como “o evangelho do Espírito Santo”. A igreja primitiva era de fato uma igreja cheia do Espírito. Assim também deve ser a igreja de hoje.

Discussão: A partir do Pentecostes, o Espírito Santo Se tornou a irresistível realidade da vida e do ministério da igreja. Peça a alguns alunos que escolham uma das seguintes passagens e indiquem como o Espírito guiou a obra da igreja:

At 2:14-21

___________________________________________________________________________________________________________________

At 4:31

___________________________________________________________________________________________________________________

At 8:29

___________________________________________________________________________________________________________________

At 10:19; 11:12

___________________________________________________________________________________________________________________

2 Compreensão

Para o professor: Embora fosse um gentio, Lucas tinha uma elevada compreensão da história, das leis e costumes judaicos. Portanto, em seu relato sobre os primórdios da igreja cristã, Lucas teve por fundamento as festas do Antigo Testamento: a Páscoa e o Pentecostes. A Páscoa comemora a divina libertação de Israel da escravidão egípcia (Êx 12:1-28; Lv 23:5-8), e o Pentecostes é uma festa de gratidão a Deus pelas primícias (Êx 34:22; Nm 28: 26) e pela colheita (Êx 23:16). O Novo Testamento interpreta que a Páscoa foi cumprida na cruz: “Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado” (1Co 5:7). O Novo Testamento também entende que o Pentecostes, que ocorria 50 dias após a Páscoa/crucificação, foi cumprido nos eventos de Atos 2, quando a vinda do Espírito Santo produziu a primeira grande colheita de 3 mil pessoas (At 2:41). O estudo desta semana deve reforçar três aspectos do Espírito Santo: (1) a preparação para o recebimento do Espírito; (2) a pregação cheia do Espírito; (3) e os resultados dessa pregação.

Comentário bíblico

I. Preparação para o recebimento do Espírito

(Recapitule com a classe At 2:1-13.)

Após Sua ressurreição, Jesus passou 40 dias com os discípulos, “falando das coisas concernentes ao reino de Deus” (At 1:3). O tempo deles com Jesus foi talvez o período de preparação mais intenso para os discípulos – para conhecerem mais sobre o evangelho e sobre a missão de levar o evangelho até os confins da Terra. Jesus “determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai” (At 1:4). Sem o recebimento do Espírito, o evangelismo é vazio e fútil. Por isso, havia necessidade de preparação: “Esses dias de preparo foram de profundo exame de coração. Os discípulos sentiram sua necessidade espiritual, e suplicaram do Senhor a santa unção que os devia capacitar para a obra da salvação [...]. Sentiam a responsabilidade que pesava sobre eles. Compreendiam que o evangelho devia ser proclamado ao mundo e clamavam pelo poder que Cristo havia prometido” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 37).

Os discípulos esperaram, oraram e estudaram as Escrituras. Então, de repente, no dia de Pentecostes, o Espírito desceu quando estavam todos reunidos em um só lugar, em oração e com um só propósito (At 2:1). O Espírito de Deus, como “um vento impetuoso”, encheu a casa e “todos ficaram cheios do Espírito Santo” (At 2:2, 4). Com a vinda do Espírito, todos os dias que os discípulos tinham passado com Jesus – todos os seus questionamentos, a cruz, o túmulo vazio – foram imbuídos de um significado mais profundo.

Pense nisto: Um incidente surpreendeu e deslumbrou a multidão que tinha vindo de diferentes partes do mundo e estava reunida em Jerusalém: cada grupo ouviu os discípulos pregarem em seu próprio idioma (At 2:7, 8). Pelo menos 16 desses grupos linguísticos foram identificados em Atos 2:9-11. O que você entende por esse “dom de línguas”? (Compare com 1Co 14).

II. Pregação cheia do Espírito

(Recapitule com a classe At 2:14-19.)

O primeiro sermão da igreja cristã, registrado em Atos 2:14-39, apresenta três elementos essenciais da pregação: inspiração, fundamento e conteúdo.

inspiração para pregar continua sendo hoje a mesma do Pentecostes: “Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar” (At 2:4). Sem a capacitação do Espírito, sem o compromisso pleno com a Palavra inspirada por Ele, nenhuma pregação real pode ocorrer. O poder do Espírito capacitou Pedro a pregar seu primeiro sermão. Um pregador não é fruto de sua erudição, eloquência, habilidade nem riqueza, mas do Espírito. Um sermão é um milagre realizado pelo Espírito; tem origem no compromisso com as Escrituras, e é expresso por meio de humildes lábios de barro.

fundamento de todo sermão é a Palavra de Deus. Quase 50% do sermão de Pedro em Atos 2 são citações do Antigo Testamento. Um sermão que não nasce da Bíblia não pode tornar viva a Palavra diante da congregação. Sem a Palavra inspirada, como poderíamos falar sobre o Verbo encarnado? Um sermão deve começar com esse entendimento e se fundamentar firmemente na revelação de Deus. Essa perspectiva bíblica, iluminada pelo Espírito Santo, levou os apóstolos a relacionar o que estava acontecendo naquele dia à profecia de Joel. “Isto é o que foi dito pelo profeta Joel”, Pedro proclamou (At 2:16, ARC). A pregação deve ser capaz de ligar o presente ao passado e, em seguida, apontar para o futuro.

conteúdo do sermão deve ser sempre Jesus – o Cristo encarnado, crucificado, ressuscitado, que foi elevado às alturas e em breve retornará. Para os seguidores de Jesus, não havia dúvida quanto a isso: “Os discípulos deviam levar avante sua obra no nome de Cristo. Cada uma de suas palavras e cada ato devia atrair a atenção sobre Seu nome como possuindo esse poder vivificante pelo qual os pecadores podem ser salvos [...]. O nome de Cristo devia ser a senha, a insígnia, o laço de união, a autoridade para seu curso de ação e a fonte de seu sucesso” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 28).

Pense nisto: O sermão de Pedro frequentemente se refere a “este Jesus”. Como o apóstolo usou essa expressão para convencer seu público?

III. Os resultados da pregação cheia do Espírito

(Recapitule com a classe At 2:38-42.)

A pregação eficaz, cheia do Espírito, deve levar os ouvintes a um único objetivo: ter o coração compungido e perguntar a si mesmos: “Que faremos?” (At 2:37). A pregação pentecostal, juntamente com a manifestação do poder do Espírito e a pregação do apóstolo centrada na Bíblia e capacitada pelo Espírito, abalou a cidade de Jerusalém, e a multidão se voltou para Pedro, perguntando: “Que faremos”? Nenhum sermão deve terminar sem que alguém faça essa pergunta. Pregação não é entretenimento. Não é disseminar informação. Pregar é falar sobre “este Jesus”; é conduzir o povo à Sua cruz, mostrar-lhe Suas feridas, descrever Sua vitória, oferecer-lhe Sua esperança e o convidar a aceitá-Lo como seu Senhor e Salvador. Um sermão que não convida os ouvintes a aceitar Jesus reflete a timidez do pregador ou sua falta de confiança no poder do Espírito Santo para transformar vidas.

Pense nisto: Um sermão eficaz deve levar o pecador ao batismo em nome de Jesus; deve confirmar o santo no recebimento do Espírito Santo. Como um discípulo moderno de Cristo pode fazer desse sermão uma parte de sua vida?

3 Aplicação

Para o professor: Você ficou surpreso com o resultado do Pentecostes? Um batismo de 3 mil pessoas em um único dia em Jerusalém! Onde há a Palavra e o Espírito, há poder, e a igreja cresce. Essa foi a mensagem de Pedro. E esse é o nosso desafio.

Pergunta para reflexão: Desde o início de sua história, os adventistas são conhecidos pelo evangelismo. Nossos métodos evangelísticos são eficazes hoje? Por quê?

4 Criatividade

Para o professor: Em alguns grupos cristãos, falar em línguas é considerado um sinal essencial do recebimento do Espírito Santo. Atos 2:6 menciona vários grupos linguísticos que se reuniram em Jerusalém e ouviram a mensagem em seu próprio idioma. Alguns ficaram maravilhados. Outros pensaram que os discípulos estivessem bêbados. Desde então a questão de falar em línguas tem sido problemática na igreja. O apóstolo Paulo deu bons conselhos sobre como lidar com essa questão de maneira que não afete negativamente a unidade entre os cristãos. Discuta com a classe os conselhos de Paulo à igreja, em 1 Coríntios 14, sobre o dom de línguas.