Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2018

Lição 1 – A influência do materialismo

 by 

A influência do materialismo – Lição 1

Download “LIÇÃO-1-A-Influência-do-materialismo.pdf”LIÇÃO-1-A-Influência-do-materialismo.pdf – Baixado 35 vezes – 5 MB

Dicas ao ponto

Esta lição introduz nosso estudo sobre mordomia. Ela examina o principal obstáculo do cristão para o serviço fiel: o materialismo. Para fins de nosso estudo, materialismo é definido como a preocupação com as coisas materiais ou a ênfase nessas coisas, em lugar dos aspectos intelectuais e espirituais. Primariamente o materialismo não diz respeito a quanto uma pessoa tem, mas trata-se da atitude dessa pessoa em relação a tudo o que ela possui.

Conceito-chave para o crescimento espiritual: A conformidade com o mundo mediante o egoísmo e materialismo interfere no propósito de Deus de nos transformar pela renovação da nossa mente.

O Aluno deverá

I. Saber: O propósito dos bens materiais

A. Como podemos nos proteger da tentação de amar nossos bens, em vez de amar Aquele que nos concede as bênçãos materiais?

B. O que a parábola sobre o trigo e o joio (Mt 13:24-30) revela a um mundo tomado pelo consumismo e interesses comerciais?

C. De que maneira nossa atitude em relação às posses influencia nossa própria identidade?

II. Sentir: Experimentando a libertação do materialismo

A. De que maneira a vitória sobre o egoísmo promove a vitória sobre o materialismo?

B. Como a libertação do materialismo pode estimular nosso crescimento espiritual?

III. Fazer: Usando os bens para a glória de Deus

A. Como nossos bens podem ser usados para glorificar a Deus e melhorar nosso mundo?

B. Quais escolhas práticas podemos fazer para nos proteger da tentação de acumular coisas, em vez de permitir que Deus nos use como canais de distribuição?

Introdução

A Palavra de Deus manda que Seu povo não se conforme “com este século” (Rm 12:2), mas a sedução do materialismo, o desejo excessivo por riqueza e pelo que pensamos que a riqueza pode trazer são poderosos. Pouquíssimas pessoas, ricas ou pobres, estão fora do alcance do materialismo, inclusive os cristãos.

Deus concedeu bênçãos materiais para nossa alegria e também para o desenvolvimento do nosso caráter. Quando as usamos para honrá-Lo e ajudar aqueles que Ele criou, somos abençoados. Quando nos tornamos materialistas, perdemos essa bênção.

Domingo, ao ponto!

Materialismo, como o definimos aqui, ocorre quando o desejo por riquezas e posses se torna mais importante e valioso do que as realidades espirituais.

Explore com seu alunos a centralidade do EU e o seu domínio.

Trabalhe a proposta do planejamento, como base para realizações.

Segunda, ao ponto!

O ponto chave aqui é a idolatria do consumismo. Aborde este tema à luz do texto proposto no slide.

Provavelmente jamais nos curvemos diante de uma estátua de ouro ou prata nem a adoremos. No entanto, ainda podemos estar em perigo de adorar o ouro e a prata em outras formas.

Será que o acúmulo de riqueza e posses materiais faz crescer a espiritualidade, o amor a Deus e o desejo pelas coisas celestiais e espirituais? Você pode encontrar exemplos disso na Bíblia ou no mundo de hoje? Compartilhe sua resposta com a classe.

Terça, ao ponto!

Três abordagens podem ser exploradas neste dia: (1) O poder da visão; (2) A concupiscência dos olhos; (3) e o efeito da propaganda.

O Salmo 119:18 é uma opção a ser discutida como antídoto.

Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne” (Gl 5:16). Embora tendamos a pensar na “concupiscência da carne” apenas em termos sexuais, em que outros aspectos estamos em perigo de satisfazer essa concupiscência?

Quarta, ao ponto!

Deus disse: “Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor” (Ez 28:17). Lúcifer enganou a si mesmo, julgando-se superior ao que ele realmente era. Quando disse em seu coração: “Serei semelhante ao Altíssimo” (Is 14:14).

Esses traços são mais comuns do que imaginamos. De modo arrogante, Nabucodonosor se julgou superior ao que ele realmente era (Dn 4:30). Os fariseus também aprenderam a acreditar nessa fantasia sedutora (veja Lc 18:11, 12). Se não tivermos cuidado, a riqueza também poderá nos levar a esse mesmo engano.

Quinta, ao ponto!

Jesus disse: “Eu Sou a videira, vós, os ramos (…); sem Mim nada podeis fazer” (Jo 15:5). A ligação é direta e firme. “Toda verdadeira obediência vem do coração. Desse procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele de tal forma Se identificará com nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e espírito em tanta conformidade com Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 668).

O materialismo é uma forma de desordem de identidade. Isso significa que, para muitos de nós, nossa identidade se funde com nossos bens. Nossas posses se tornam nosso Deus (Mt 6:19-21). Alguém disse: “Eu não sou nada sem as minhas coisas.”

Conclusão ao ponto

Assim o materialismo corrompe a mente e faz com que as pessoas confiem no que possuem, em vez de confiar em Deus. No entanto, o antídoto é “não por força nem por poder, mas pelo Meu Espírito” (Zc 4:6). O materialismo não pode resistir ao domínio do Espírito Santo quando nos entregamos a Deus e decidimos, por Sua graça, não deixar que o amor ao dinheiro governe nossa vida.