Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2018

Lição 01 A INFLUÊNCIA DO MATERIALISMO

Pr. Albino Marks

“Não vos conformeis com este século, mas transformais-vos pela renovação da mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Des” (Rm 12:2).

Sábado, 30/12/2017

INTRODUÇÃO.

O materialismo nos influencia e domina, ou nós influenciamos e abalamos o mundo com o nosso modo de abnegação no administrar o materialismo.

Todas as riquezas materiais, ou o materialismo, têm dois aspectos dominantes: pode ser uma bênção e um poderoso agente para abençoar a outros, ou, pode ser uma cilada de Satanás para destruir o nosso relacionamento de fidelidade e de lealdade para com Deus.

Qual o propósito divino na criação do homem? “A todos os que são chamados pelo meu nome, e os que criei para minha glória, e que formei e fiz” (Is 43:7, Almeida Revista e Atualizada). Deus criou o homem para a Sua glória. Mas o que é a glória de Deus? Moisés, em meio ao tremendo fardo de sua tarefa, pediu a Deus: “Rogo-te que me mostres a tua glória” (Êx 33:18). O Senhor mostrou a Sua glória e Moisés teve uma impressiva revelação do caráter de Deus: compassivo, clemente, longânimo, misericordioso, fiel, pleno de amor, perdão e justiça (Êx 34:6 e 7).

A contemplação da glória do caráter de Deus, mostrou-lhe em cores vivas, a pecaminosidade e dependência do homem. E suplicou em profunda contrição: “Perdoa a nossa iniquidade e o nosso pecado, toma-nos por tua herança” (Êx 34, 9, Almeida Revista e Atualizada). A rendição foi total. Se aquele modelo perfeito expressa o anseio do Criador e Soberano em relação ao homem que criou para a Sua glória, seja para refletir o Seu caráter, então só Ele deve atuar, porque esta é uma obra além da possibilidade e capacidade do homem. Portanto, só Ele pode moldar no homem o caráter à semelhança do Seu. Só Ele pode fazer o homem glorificá-lo.

A maneira de administrar o materialismo revela se é Deus com o Seu poder e a Sua sabedoria que nos orienta, ou, se é Satanás que nos domina e corrompe nosso caráter, destruindo em nós o propósito de Deus para a nossa criação.

Para efetuar esta transformação, Ele anseia implantar no homem o princípio básico do Céu: “O amor é o princípio básico do governo de Deus no Céu e na Terra, e deve ser o fundamento do caráter cristão” (Conselhos Sobre Mordomia, p. 197).

PENSE. “Assim nos tem o Senhor comunicado as mais ricas bênçãos celestiais, ao nos dar Jesus. Com Ele, nos tem dado gozar abundantemente todas as coisas. Os produtos da terra, abundantes colheitas, os tesouros de ouro e de prata, são dádivas Suas. Casas e terras, alimento e vestuário, colocou-os na posse dos homens. Pede que O reconheçamos como o Doador de todas as coisas; e, por essa razão, diz: De todas as vossas posses reservo a décima parte para Mim, além das dádivas e ofertas, que devem ser trazidas à casa do meu tesouro” (Conselhos Sobre Mordomia, p. 65).

DESAFIO. “Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração” (Mt 6:21, Nova Versão Internacional).

Domingo, 31/12/2017

O DEUS DESTE MUNDO.

O Deus que criou o Universo é generoso e comunica a Seus filhos o espírito de generosidade pelo preceito e pelo exemplo. O deus deste mundo, que em sua forma personificada é Satanás, apela para o egoísmo, na formação de outros deuses, como o materialismo, a megalomania, a prepotência e outros mais, que cegam “o entendimento dos incrédulos, para que não lhes resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus” (2Co 4:4, Almeida Revista e Atualizada).

Não é o Deus generoso, justo e amoroso que atua no sentido de cegar a visão espiritual de pecadores para que não O reconheçam e aceitem o Seu estilo de vida, mas são os deuses deste mundo que com tal fascínio atuam no entendimento dos pecadores para que rejeitem “a luz do evangelho da glória de Cristo” que veio revelar o caráter de justiça e amor do Deus santo, único, eterno e que transborda em generosidade para com as Suas criaturas, mesmo em sua condição de pecadores rebeldes e obstinados.

João é muito objetivo em identificar a procedência e os resultados passageiros das ofertas dos deuses deste mundo: “Pois tudo o que há no mundo – a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens – não provém do Pai, mas do mundo. O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre” (1Jo 2:16, 17, Nova Versão Internacional).

O problema do homem reside no fato de separar-se de Deus e buscar a realização e a felicidade à sua maneira. Contudo, a desarmonia do homem com Deus e Seu padrão moral de conduta, coloca o homem em desarmonia consigo mesmo. Esta desarmonia aguça sua necessidade de dependência e relacionamento e o homem busca satisfazê-la procurando outros deuses. Todavia, nenhuma outra relação preenche o relacionamento rompido com o Deus Criador, Vivo e Eterno.

A que deuses o homem se volve para satisfazer os grandes anseios de seu íntimo? Riquezas, poder, fama, prazer e outros, mas nenhum deles satisfaz o vazio da alma. Porque a felicidade é fruto de um relacionamento de companheirismo, confiança, amor e de pertencer a alguém.

PENSE. “As pessoas que preferem adorar deuses falsos acabarão sofrendo duros castigos. Não desejo sequer mencionar os nomes desses deuses falsos, e muito menos oferecer sacrifícios a eles. […] Fiz do Senhor a minha companhia constante. Enquanto Ele estiver do meu lado, não tropeçarei. Por isso a minha alma, o meu espírito e o meu corpo ficam tranquilos e cheios de alegria. […] Tu me mostrarás os caminhos da vida. Junto a Ti há sempre a mais profunda alegria; ao Teu lado, os prazeres mais deliciosos da Tua eterna presença” (Sl 16:4, 8, 9 e 11, Bíblia Viva).

DESAFIO. “Ordene aos que são ricos no presente mundo que não sejam arrogantes, nem ponham a sua esperança na insegurança da riqueza, mas em Deus, que de tudo nos provê ricamente, para a nossa satisfação. Ordene-lhes que pratiquem o bem, sejam ricos em boas obras, generosos e prontos a repartir” (1Tm 6:17,18, Nova Versão Internacional).

Segunda, 01/01/2018

ENCHENDO OS CELEIROS.

“E continuou, dizendo a todos: Prestem atenção: Tenham cuidado com todo tipo de avareza, porque a verdadeira vida de uma pessoa não depende das coisas que ela tem, mesmo que sejam muitas. Então Jesus fez a seguinte comparação: Havia um homem rico, cujas terras deram uma grande colheita. Então ele começou a pensar: ‘Eu não tenho lugar para guardar todas estas colheitas. O que é que vou fazer? Ah! Já sei – disse para si mesmo – Vou derrubar os meus depósitos de cereais e construir outros maiores ainda. Neles guardarei todas as minhas colheitas junto com tudo o que tenho. Então direi a mim mesmo: Homem feliz! Você tem tudo de bom que precisa para muitos anos. Agora descanse, coma, beba e alegre-se!’ Mas Deus lhe disse: ‘Seu tolo! Esta noite você vai morrer, e quem ficará com tudo o que você guardou?’ Jesus concluiu: – Isso é o que acontece com aqueles que juntam riquezas para si mesmos, mas não são ricos diante de Deus” (Lc 12:15-21, Bíblia na Linguagem de Hoje).

Jesus pronunciou estas palavras, quando foi solicitado para solucionar uma disputa por bens materiais entre dois irmãos. Qual o verdadeiro problema em relação às riquezas: está no obter riquezas, ou em nelas colocar o coração com a confiança de que nossos problemas estão solucionados?

Para os filhos de Israel que havia tirado do Egito, Deus os advertiu, não contra a obtenção de riquezas, com o aumento de seus rebanhos, de prata e ouro e todos os seus bens, para ter um bom lugar para morar, mas de colocar a sua confiança nas riquezas e esquecer a maneira correta de relacionar-se com seu Deus, que os tirou do jugo da escravidão egípcia e lhes deu uma terra de prosperidade (Dt 8:10-15).

Deus tem princípios que orientam o correto relacionamento com Ele, obedecendo os Seus mandamentos; mas Ele também tem ordenanças e decretos que orientam como administrar as riquezas que confia às mãos de Seus filhos para a realização de Seus propósitos redentores, para um mundo dominado pela escravidão sob o domínio de Satanás.

PENSE. “Tenham o cuidado de não se esquecer do Senhor, o seu Deus, deixando de obedecer aos Seus mandamentos, às Suas ordenanças e aos Seus decretos que hoje lhes ordeno” (Dt 8:11, Nova Versão Internacional).

DESAFIO. “Honre o Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações” (Pv 3:9, Nova Versão Internacional).

Terça, 02/01/2018

A FASCINAÇÃO DO MATERIALISMO.

Deus criou o homem para a felicidade. Nunca foi Seu propósito que o sofrimento, a miséria, a ansiedade, a depressão, e tantos outros males oprimissem o homem conduzindo-o ao estresse, ao desespero e a aflições de espírito.

Para propiciar para o ser humano a realização deste objetivo, Ele criou homem e mulher com o poder de procriar-se, para por este processo estabelecer a família e desenvolver o espírito de sociabilidade. O amor, a simpatia, o interesse, a solidariedade, o terno cuidado e todas as virtudes nobres poderiam e deveriam ser aprimoradas ao mais alto grau pela prática do bem em favor de outros, começando com os membros da família, evitando fixar-se egoisticamente em si mesmo.

Importantes lições são ensinadas por todas as provisões que Deus tomou em favor de Adão e Eva antes de criá-los. Primeiro criou um lindo jardim, proporcionando um ambiente atraente e aprazível, onde poderiam desenvolver o amor pelo belo, nobre e altruísta. Em meio à toda aquela beleza deveriam desenvolver o verdadeiro e sincero amor de um pelo outro e estabelecer uma família amorosa e feliz. Sobretudo deveriam aprender a amar e glorificar a Deus, como Pai e fonte de toda a boa dádiva.

É maravilhoso pensar em Deus como Alguém que quer a felicidade e o bem-estar de cada membro da família. Mas, para que os objetivos de felicidade para cada membro da família possam ser atingidos é preciso que cada um cumpra as suas responsabilidades com dedicação, interessado em promover o bem-estar de todos.

Porém, o amor altruísta, que com abnegação se interessa pelo próximo, enfrenta a forte oposição do egoísmo implantado no caráter do homem pelo inimigo. Com o egoísmo assentado no trono do coração desenvolve-se dura batalha no caráter do homem que ouve o convite do amor.

Satanás, coloca para os olhos de todos a ambição de adquirir coisas materiais que não são necessárias e muitas vezes inúteis. Assim destrói o espírito de amor na prática do bem e nutre o egoísmo natural da natureza pecaminosa.

PENSE. “Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outo. Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro” (Mt 6:24, Nova Versão internacional).

DESAFIO. “Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne” (Gl 5:16, Nova Versão Internacional).

Quarta, 03/01/2018

AMOR PRÓPRIO.

Deus criou o Universo com o propósito de real e permanente felicidade, onde todos os seres e todas as coisas criados glorificariam e exaltariam o Seu caráter revelando em todos os Seus atributos santidade, justiça e amor. “Grande é o Senhor e digno de ser louvado. […] Os céus declaram a glória de Deus”

Deus, em Seu caráter de santidade, justiça e amor, coroou as Suas criaturas com a bênção do livre arbítrio, a capacidade de fazer escolhas e tomar decisões. Esta liberdade de escolher deveria ser expressa no reconhecimento da santidade de Deus, como único, incomparável, que manifesta justiça e amor na atuação de todos os Seus atributos.

No entanto, uma criatura, a mais exaltada no Universo de Deus, usou a bênção da liberdade de escolha em benefício próprio, não reconhecendo o seu santo, justo e amoroso Benfeitor e contra Ele se rebelando. “Elevou-se o teu coração. […] Serei semelhante ao Altíssimo” (Ez 28:1 e Is 14:14).

Assim se estabeleceu no Universo, em nosso pequeno mundo, a conceituação oposta aos princípios de justiça e amor para com o semelhante, implantando os princípios do egoísmo, avareza e exploração em relação ao semelhante.

Lúcifer determinou por escolha absolutamente sua centralizar-se em si mesmo e tornou-se o inimigo de Deus, Satanás. Portanto, o pecado nasceu no íntimo do ser mais honrado entre as criaturas celestiais. Como era “cheio de sabedoria”, ao se transformar em Satanás “seu poder para enganar era muito grande” (Patriarcas e Profetas, p. 23).

Assim, o inimigo de Deus e nosso inimigo (1Pe 5:8), procura induzir o ser humano centralizar-se no amor próprio, por meio do amor ao materialismo, e destruindo o amor a Deus e ao semelhante.

Usando a liberdade de fazer escolhas, devemos escolher que o Espírito Santo oriente nossa decisão no sentido da justiça e do amor, tendo “um conceito equilibrado, de acordo com a fé que Deus (nos) concedeu” (Rm 12:3, Nova Versão Internacional).
Deste modo, glorificaremos a Deus e seremos uma bênção para nosso semelhante.

PENSE. “Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus” (Mt 5:16, Nova Versão Internacional).

DESAFIO. “Pois nenhum de nós vive apenas para si” (Rm 14:7, Nova Verão Internacional).

Quinta, 04/01/2018.

A TOTAL FUTILIDADE DO MATERIALISMO.

Em nossa maneira de administrar o materialismo, com quem nos identificamos? A generosidade precisa tornar-se o sinal de identidade entre Pai e filhos. O maior teste de uma experiência espiritual sadia e vigorosa é a administração fiel e generosa da mordomia material. Fiel na devolução do percentual do dízimo – dez por cento – requerido pelo Pai de todas as bênçãos; generoso na liberalidade percentual das dádivas voluntárias.

“Algumas pessoas gastam com generosidade e ficam cada vez mais ricas; outras são econômicas demais e acabam ficando cada vez mais pobres. Quem é generoso progride na vida; quem ajuda será ajudado” (Pv 11:24 e 25, Bíblia na Linguagem de Hoje).

Avaliemos a experiência espiritual do jovem rico que se aproximou de Jesus, expressando o desejo de alcançar a vida eterna. Ele declarou a Jesus que obedecia a todos os preceitos da lei.

Mas Jesus olhou-o com amor, e penetrou no seu íntimo. Ele era egoísta, avarento, mesquinho, sem misericórdia e sem amor. Segundo a lei, irrepreensível; segundo a experiência espiritual da graça e do amor, um perdido. Não lembrava em nada o modelo generoso de seu Pai. Não apresentava nenhuma semelhança com Jesus.

Jesus desejou transformar aquela vida, e dirigiu-lhe um veemente apelo: “Vai, tire a sua confiança do seu materialismo acumulado, seja generoso com o semelhante, e terás um tesouro no céu”. No entanto, aquele jovem não conseguiu entender o grande teste de sua experiência espiritual, e nunca mais ouvimos falar dele.

E nós, passamos pelo maior teste da experiência espiritual? Somos generosos como generoso é nosso Pai? Ou nos apegamos à futilidade do materialismo?

Para vencer o egoísmo e nosso apego pecaminoso ao materialismo inútil, necessitamos ser aprovados no maior teste de nossa experiência espiritual. A generosidade precisa tornar-se o sinal de identidade entre Pai e filhos.

PENSE. “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (Gl 2;20, Nova Versão Internacional).

DESAFIO. “Vós, porém, sois raça eleita, […] povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz” (1Pe 2:9, Almeida Revista e Atualizada).

Sexta, 05/01/2018.

ESTUDO ADICIONAL.

Paulo no encontro com Jesus no caminho para Damasco foi confrontado com a escolha entre os valores eternos e dos deuses deste mundo: “Entretanto, todas estas coisas que eu antigamente julgava muito valiosas, agora, lancei-as todas fora, a fim de poder pôr minha confiança e esperança somente em Cristo. Sim, todas as outras coisas perdem o valor quando comparadas com o ganho inestimável de conhecer a Cristo Jesus, meu Senhor. Eu pus de lado tudo o mais, achando que valia menos do que nada, a fim de que possa ter a Cristo” (Fp 3:7, Bíblia Viva).

As colocações de Paulo são profundamente importantes Em outras palavras, ele está dizendo: “Até o dia em que encontrei a Cristo, meu estilo de vida era um; depois deste encontro, meu estilo de vida mudou totalmente. Tudo o que tinha valor para mim antes de encontrar a Cristo, perdeu o valor e o abandonei”.

Como se opera este encontro com Cristo? “Atenção! Eu tenho permanecido à porta e estou batendo constantemente. Se alguém Me ouvir chamá-lo e abrir a porta, Eu entrarei e farei companhia a ele, e ele a Mim” (Ap 3:20, Bíblia Viva).

O quadro é tremendamente significativo. Aqui está você com o seu coração. Em verdade, coração neste texto significa a sua vontade e o seu poder de decidir. É a única coisa sobre a qual Deus lhe deu soberania absoluta. A escolha entre Cristo e Satanás, a justiça e o pecado, o certo e o errado, é de sua total competência. Cristo está à porta batendo. A decisão de abrir é sua.

Em meio ao tremendo desafio dos apelos dos deuses deste mundo, com destaque para o materialismo, necessitamos da poderosa e sábia liderança do Espírito Santo para fazer a escolha certa. O Deus eterno, como Pai amoroso e generoso, é o único que confere ao homem o senso de segurança, felicidade e tudo o que satisfaz seus mais profundos anseios, e Ele espera por homens e mulheres que tendo provado por experiência própria que o relacionamento com o Senhor revela “a Sua bondade e feliz é o homem que confia totalmente no Senhor” (Sl 34:8, Bíblia Viva), transmitam aos outros a mesma filosofia de vida.

PENSE. “Quando alguém se faz cristão, torna-se uma pessoa totalmente nova por dentro. Já não é a mesma. Teve início uma nova vida!” (2Co 5:17, Bíblia Viva).

DESAFIO. “Escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses (deste mundo), […] em cuja terra estão vivendo. Mas, eu e a minha família serviremos ao Senhor” (Js 24:15, Nova Versão Internacional).