Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2018

Lição 12 – Babilônia e o Armagedom

Semana de 16 a 22 de Junho

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular, sênior, no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário complementa o estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com – marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

Verso para memorizar: “Na sua fronte, achava-se escrito um nome, um mistérioBABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA” (Apoc. 17:5).

 

Introdução de sábado à tarde

Conforme está escrito no verso, esse nome na fronte ou testa da mãe das meretrizes, representa o seu caráter. O nome escrito na fronte é o que a Bíblia grafa em letra maiúscula. Ou seja, é Babilônia, uma confusão de igrejas falsas assim como no tempo da torre de Babel ocorreu uma confusão de línguas. Eles, naquele tempo de Ninrod não se entendiam por causa da mudança da língua, talvez uma por família, a ponto de desistirem da construção daquela grande torre, muito embora outros deles, seus descendentes, construíram torres semelhantes em muitos lugares do mundo, mas não conseguiram mais se tornar um único povoEsse é o ponto: não formaram um poder absoluto único no mundoDesde então, satanás vem tentando unir o mundo sob seu comando, por meio de impériosUma das grandes tentativas foi a união da Europa, mas eis ela aí, fragmentada em países fortes e fracos, e não se entendem,nem se ligamA sua última tentativa será tentar unir o mundo por meio da religião.Para esse fim, existe agora o Ecumenismo, a busca da união entre todos os cristãos, e o Diálogo Religioso, a tentativa de unir todas as religiões, cristãs e pagãs, bem como todo tipo de filosofia e crença, incluindo o ateísmo, satanismo etcSatanás não desiste de buscar a unidade do mundo sob seu controle e para ser adorado, e também para combater e eliminar o povo de DEUS.

Mas, por meio das profecias, já sabemos em que esse esforço vai dar: fracasso total. Ou seja, num certo momento, lá pela sétima praga, o povo do mundo se voltará contra esse poder unido (da paz e segurança) e o devastará, isso ao descobrir que foi enganado e que está irremediavelmente perdido.

A palavra Babilônia, portanto, significa atualmente a confusão de religiões que se formou em cima de um único livro, a Bíblia. É a excelência do poder de satanás para enganar, usando a Palavra de DEUS. É terrível isso!

A palavra mistério no verso quer dizer que Babilônia é uma coisa, mas parece bem outraE só as pessoas do povo de DEUS conhecem o que ela realmente é. É o seu poder de enganar, de seduzir, de fazer parecer ser a representante de DEUS na Terra quando na realidade é o poder do inimigo de DEUSTambém a palavra mistério representa o título da Babilônia mística (ou moderna), ou seja, sua identidade disfarçadaE sabe quando esse mistério vai ser desfeito? Em dois momentos, durante o alto clamor, quando o povo de DEUS vai explicar tudo ao mundo inteiro, e no início da sétima praga, quando DEUS mostrar os Seus mandamentos ao mundo todo. No primeiro momento, muitos vendo onde estão, sairão dela, no segundo momento, todos os enganados se vingarão por verem que foram enganados, que aquele título na testa era falso, não era uma igreja cristã, e as suas filhas também não eram, todas essas igrejas pertenciam ao demônio.

E o que quer dizer: “a grande mãe das meretrizes e das abominações da Terra”?Vamos direto ao ponto. A Igreja Católica, séculos atrás, durante os 1260 anos, reinou sobre a Europa e sobre a América (a partir dos descobrimentos), com exclusividade. Com o advento do protestantismo, enfrentou forte resistência às suas abominações. Mas, recentemente, esses protestantes e também evangélicos, bem como os católicos ortodoxos, resolveram retornar. São por volta de 30 mil igrejas retornando. E todas elas santificam o domingo e acreditam na imortalidade da alma. Ou seja, acreditam nos pontos principais da abominação católica: a troca do sábado do Criador para o domingo do usurpador e a primeira mentira aqui na Terra, “é certo que não morrereis”. Então, é óbvio, que assim se forma a Babilônia, um conjunto enorme de igrejas comandada por uma única, a Católica, contra o povo de DEUS. Logo, essas outras que retornam, são as filhas. E a Igreja mãe também é a dona das abominações, ou seja, do enorme conjunto de falsas doutrinas que ensina, e que todos seguem, misteriosamente, sem se dar conta que é tudo mentira.

“A mulher (Babilônia) de Apocalipse 17, é descrita como estando “vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e pérolas; e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia; … e na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande Babilônia, a mãe das prostituições”. Diz o profeta: “Vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus.” Declara ainda ser Babilônia “a grande cidade que reina sobre os reis da Terra”. Apoc. 17:4-6 e 18. O poder que por tantos séculos manteve despótico domínio sobre os monarcas da cristandade, é Roma. A cor púrpura e escarlata, o ouro, as pérolas e pedras preciosas, pintam ao vivo a magnificência e extraordinária pompa ostentadas pela altiva Sé de Roma. E de nenhuma outra potência se poderia, com tanto acerto, declarar que está “embriagada do sangue dos santos”, como daquela igreja que tão cruelmente tem perseguido os seguidores de Cristo. Babilônia é também acusada do pecado de relação ilícita com “os reis da Terra”. Foi pelo afastamento do Senhor e aliança com os gentios que a igreja judaica se tornou prostituta; e Roma, corrompendo-se de modo semelhante ao procurar o apoio dos poderes do mundo, recebe condenação idêntica.

“Declara-se que Babilônia é “mãe das prostitutas”. Como suas filhas devem ser simbolizadas pelas igrejas que se apegam às suas doutrinas e tradições, seguindo-lhe o exemplo em sacrificar a verdade e a aprovação de Deus, a fim de estabelecer uma aliança ilícita com o mundo” (O Grande Conflito, 282 e 283).

 

  1. Primeiro dia: O “vinho da fúria da sua prostituição”

Transcrevemos os textos sugeridos para leitura, logo abaixo, então os comentaremos. Vamos sublinhar as partes que nos interessam mais.

“E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu, caiu Babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua fornicação” (Apocalipse 14:8).

“E a grande cidade fendeu-se em três partes, e as cidades das nações caíram; e da grande babilônia Se lembrou Deus, para lhe dar o cálice do vinho da indignação da Sua ira” (Apocalipse 16:19).

“E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra” (Apocalipse 17:5).

“E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e coito de todo espírito imundo, e coito de toda ave imunda e odiável.

“Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua fornicação, e os reis da terra fornicaram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias” (Apocalipse 18:2,3).

“Estando de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! ai daquela grande cidade de Babilônia, aquela forte cidadepois em uma hora veio o seu juízo” (Apocalipse 18:10).

“E um forte anjo levantou uma pedra como uma grande mó, e lançou-a no mar, dizendo: Com igual ímpeto será lançada babilônia, aquela grande cidade, e não será jamais achada” (Apocalipse 18:21).

Resumindo, o que dizem esses versos? Falam a respeito de Babilônia atual, ou, mística, ou, religiosa. É um conjunto de igrejas que seguem ligadas a uma delas, a mãe, a Igreja Católica, dona da taça da imundícia, ou, das falsas doutrinas, aquelas que não são bíblicas, mas que vieram dos cultos pagãos idólatras (não é por menos que tiraram o segundo mandamento, o dos ídolos). É, portanto, um sistema religioso que diz adorar a DEUS, mas que na verdade adora o demônio, pois nem santifica o sábado de DEUS e nem segue a lei de DEUS. Lembre-se sempre de fazer o teste para saber a quem pertence a igreja (está em Isaías 8:20): se não seguem à lei de DEUS e nem ao testemunho da Bíblia (o testemunho são os Dez Mandamentos – tábuas do testemunho -, e além deles, a Bíblia toda), não pertencem a DEUS. Como só há dois senhores, pertencem ao outro senhor, o diabo. DEUS destruirá esse sistema religioso, e o prazo para isso já está dado, os seus dias estão contados.

Há um escrito na testa da besta, é um mistério, Babilônia. Ou seja, os seus membros não atinam, não sabem a quem estão servindo, isso está oculto a eles, é um mistério a eles. Se soubessem, nunca permaneceriam nessa igreja, e nem nas filhas. Pensam que adoram a DEUS, mas adoram exatamente ao inimigo de DEUS. E se alguém for explicar, a maioria deles não aceita, até se revolta. Ela é a mãe das outras igrejas prostitutas (prostituição é a mistura de verdade com erro com o intuito de mais facilmente conseguir enganar). Aqui não se refere à prostituição comum, na carne, mas na mistura de doutrinas cristãs com pagãs. Essa mistura do santo com o mundano é que se chama, na Bíblia, prostituição. A Bíblia identifica uma dessas igrejas, a primeira que surgiu e que estabeleceu o sistema doutrinário falso como a mãe, e é a Igreja Católica. As filhas são igrejas que possuem a mesma lei do Catecismo e seguem, ao menos em grande parte, suas doutrinas. As principais doutrinas falsas, ou imundas, são: santificação do domingo e a imortalidade da alma. Aliás, o grande debate no final dos tempos será principalmente em torno dessas duas doutrinas.

Essa Igreja Católica deu de beber da sua doutrina a todas as nações do mundo. Ou seja, todas as nações aceitaram guardar o domingo e emitiram decretos dominicais bem como aderiram, ou já haviam aderido à doutrina da imortalidade da alma, sendo países pagãos ou cristãos. Na realidade não existe país algum, senão o Israel moderno, que não creia nessas duas doutrinas falsas.

E sobre o título da lição de hoje, é também de fácil compreensão. Vamos copiá-lo para aqui: “vinho da fúria da sua prostituição”. O vinho embebeda, ele contém a prostituição do sistema de babilônia, ou seja, as falsas doutrinas, às quais já identificamos aqui, mas pode rever nesse link uma lista dessas doutrinas não bíblicas. A palavra “fúria” da sua prostituição significa o poder utilizado para impor suas mentiras. No passado, e isso se repetirá, usou de força como foi na Inquisição, para impor o domingo e as demais doutrinas não bíblicas. Até perseguia e matava com esse fim.

Mas esse sistema todo está destinado a cair, e esse é o assunto para amanhã, embora já se tenha colocado versos a respeito no dia de hoje.

“Deus denuncia Babilônia porque “tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição”. …

“Deus fez o mundo em seis dias e descansou no sétimo, santificando este dia e separando-o de todos os outros como sagrado a Sua própria Pessoa, para que fosse observado por Seu povo durante todas as suas gerações. Mas o homem do pecado, exaltando-se acima de Deus, assentando-se no templo de Deus e ostentando-se como se fosse o próprio Deus, cuidou em mudar os tempos e as leis. Este poder, tencionando provar que não somente era igual a Deus, mas estava acima de Deus, mudou o dia de repouso, colocando o primeiro dia da semana onde deveria estar o sétimo. E o mundo protestante tem admitido que este filho do papado seja considerado sagrado. Na Palavra de Deus, isto é chamado de sua fornicação. (Apoc. 14:8.).

“Durante a dispensação cristã, o grande inimigo da felicidade do homem fez do sábado do quarto mandamento um objeto de ataque especial. Satanás diz: “Eu atravessarei os propósitos de Deus. Capacitarei meus seguidores a porem de lado o memorial de Deus, o sábado do sétimo dia. Assim, mostrarei ao mundo que o dia abençoado e santificado por Deus foi mudado. Esse dia não perdurará na mente do povo. Apagarei a lembrança dele. Porei em seu lugar um dia que não leve as credenciais de Deus, um dia que não seja um sinal entre Deus e Seu povo. Levarei os que aceitarem este dia a porem sobre ele a santidade que Deus pôs sobre o sétimo dia.”” (Eventos Finais, 123 e 124).

 

  1. Segunda: Caiu! Caiu a grande Babilônia!

Babilônia, a grande. O cristianismo é a maior religião do mundo. O mais poderoso sistema a influir sobre as mentes de milhões, sobre a política, sobre os recursos, sobre as autoridades de muitos países. Um sistema que governa sobre 2,5 bilhões de pessoas. Controla uma montanha de dinheiro. Exerce influência gigantesca no sistema decisório nos países do mundo. Irá fazer uma aliança global em que reunirá todos os países do planeta sob seu comando. Vem exercendo poder sobre muitas nações importantes há mais de 1500 anos. Apesar desses atributos poderosos, esse sistema simplesmente desmoronará num curto espaço de tempo. Isso que quer dizer: “caiu, caiu a grande Babilônia!

É a organização talvez mais antiga hoje no mundo. Perdurou por quase dois milênios, mas cairá, essa é a profecia.

Mas vai cair por qual razão?

Porque seus pecados, de tão grandes e pretenciosos, se acumularam até o Céu. A arrogância de Babilônia é tanta que resolveu mudar os mandamentos de DEUS, o único Legislador do Universo, resolveu considerar santos como DEUS pessoas, meros seres humanos, resolveu adotar a primeira mentira de satanás, aquela que derrubou Adão e Eva na miséria, eles que eram seres perfeitos. Resolveu mudar os tempos e a lei, alterando o dia de sábado para o domingo. Ou seja, mexeu profundamente no cerne da verdade de DEUS, e com essa mudança, levou à perdição bilhões de pessoas. Algo assim tem que cair, porque tornou-se tão arrogante e maldosa que não merece nenhuma misericórdia. Ou, que misericórdia da parte de DEUS poderia receber quem leva a morte eterna milhões de pessoas? É um sistema de engano, de sedução, de malícia, de manipulação e lavagem cerebral das mentes, sempre querendo parecer algo excelente e positivo. O mundo tem a Bíblia para poder discernir a natureza verdadeira de Babilônia, porém, as seduções de Babilônia são tão deslumbrantes que as pessoas preferem ser enganadas e viver no engano.

“Homens de fé e oração serão constrangidos a sair com zelo santo, declarando as palavras que Deus lhes dá. Os pecados de Babilônia serão revelados. Os terríveis resultados da imposição das observâncias da igreja pela autoridade civil, as incursões do espiritismo, os furtivos mas rápidos progressos do poder papal – tudo será desmascarado. Por meio destes solenes avisos o povo será comovido. … Ao ir o povo a seus antigos ensinadores, com a ávida pergunta – São estas coisas assim? – os ministros apresentam fábulas, profetizam coisas agradáveis, para acalmar-lhes os temores, e silenciar a consciência despertada. Mas, visto que muitos se recusarão a satisfazer-se com a mera autoridade dos homens, pedindo um claro – “Assim diz o Senhor” – o ministério popular, semelhante aos fariseus da antiguidade, cheio de ira por ser posta em dúvida a sua autoridade, denunciará a mensagem como sendo de Satanás, e agitará as multidões amantes do pecado para ultrajar e perseguir os que a proclamam.

“Estendendo-se a controvérsia a novos campos, e sendo a atenção do povo chamada para a lei de Deus calcada a pés, Satanás entrará em ação. O poder que acompanha a mensagem apenas enfurecerá os que a ela se opõem. O clero empregará esforços quase sobre-humanos para excluir a luz … Por todos os meios ao seu alcance esforçar-se-á por evitar todo estudo destes assuntos vitais. A igreja apelará para o braço forte do poder civil, e nesta obra unir-se-ão católicos e protestantes” (Maranata, o Senhor Vem, MM 1977, 170).

 

  1. Terça: Armagedom

Afinal, o que o Armagedom não é? Não é uma guerra mundial final; não é um conflito atômico que erradica a humanidade da Terra; não é algum asteróide que atinge a Terra e mata todo mundo.

O Armagedom existe como lugar, o Vale do Megido, onde ocorreram guerras sangrentas contra o povo de DEUS. Ali, perto de Israel, o povo de DEUS muito sofreu por causa de seus inimigos. Mas o que o Apocalipse fala sobre Armagedom não vai ser uma guerra nesse lugar, agora. Ele pode envolver armas militares, até atômicas, mas a essência desse conflito não está envolvendo esse tipo de armamento. O Armagedom ocorre durante as pragas, portanto, também não envolve um debate pela salvação de pessoas para o Reino de DEUS. O Armagedom se deflagra em intensidade máxima na sexta praga, perto do fim do mundo que ocorre na sétima praga. É o desfecho do grande conflito cósmico entre satanás e JESUS CRISTO, e as fileiras de cada lado.

Para nós, povo de DEUS, Armagedom também corresponde a angústia de Jacó, a última perseguição, já durante as pragas, aliás, durante a sexta praga, com o decreto de morte. Os três poderes imundos, ou, a trindade de satanás, arregimentará (já está agindo nesse sentido) as nações do mundo inteiro para uma ação de extermínio do povo de DEUS, para que sejam extintas as pessoas que seguem ao Vencedor. É que durante as pragas nenhum fiel a DEUS mais morre, e isso não porque tenham sido transformados, mas porque a morte de um só seguidor fiel a JESUS seria inútil para influenciar alguém a ser salvo, pois a porta da graça já estará fechada. Então, no limite da loucura, ou além da loucura, satanás fará com que as nações do mundo inteiro emitam decretos de morte. O efeito sobre os servos de DEUS, no sentido psicológico, será devastador, tanto que a Bíblia compara com a angústia de Jacó, quando esteve na iminência de ser morto por seu irmão que vinha com um bando de 400 maldosos guerreiros. Se DEUS não interviesse, não sobraria nada da família de Jacó, mas DEUS fez com que os dois irmãos se abraçassem e chorassem juntos. Dessa vez não vai haver abraços, mas nesse tempo JESUS volta e liberta o Seu povo, que estará fugindo para as montanhas. Mas antes Dele voltar, vai castigar fortemente os Seus inimigos com a sétima praga, pelo que durante esses dias, deixarão de perseguir os servos de DEUS para devastar os seus falsos mestres. Ou seja, por um lado é DEUS devastando Babilônia, por outro lado, os próprios membros enganados devastando o mesmo sistema.

“Todo o mundo estará em um ou no outro lado da questão. Será travada a batalha do Armagedom. E nesse dia nenhum de nós deverá estar dormindo. Precisamos estar bem despertos, como as virgens prudentes, tendo azeite em nossas vasilhas com nossas lâmpadas. O poder do Espírito Santo deve estar sobre nós, e o Capitão do exército do Senhor estará à frente dos anjos do Céu para dirigir a batalha” (Mensagens Escolhidas, vol. 3, 426).

“A inimizade de Satanás contra o bem manifestar-se-á cada vez mais, ao conduzir ele em atividade suas forças em sua última obra de rebelião; e toda alma que não esteja inteiramente entregue a Deus e não seja guardada pelo poder divino, fará uma aliança com Satanás contra o Céu e se unirá na batalha contra o Governador do Universo” (Testemunhos Para Ministros, 465).

“Logo, todos os habitantes da Terra terão tomado partido, ou a favor ou contra o governo do Céu” (Testemunhos Seletos, vol. 3,143).

 

  1. Quarta: O Armagedom e o monte Carmelo: parte 1

A região do Armagedom está localizado em uma região de Israel. Fica entre o monte Tabor e o monte Carmelo. No monte Tabor JESUS foi transfigurado, e no monte Carmelo Elias enfrentou os 450 profetas de Baal, que Jesabel seguia. Há um vale entre esses dois montes, chamado vale de Jesreel, também chamado vale de Megido, ou Armagedom. Veja aqui um pequeno vídeo sobre esse lugar. Esse vale tornou-se famoso porque ali ocorreram muitas batalhas, desde a antiguidade até bem recente. Lugar de muito derramamento de sangue, fertilizado por milhares de corpos humanos enterrados ali ou simplesmente abandonados. Grande parte dessas batalhas ali ocorridas envolveram o povo de DEUS. Por exemplo, no vale ocorreram batalhas entre Israel e os filisteus.

Uma delas tornou-se famosa, entre Elias e os profetas de Baal. Essa não ocorreu no vale, mas no monte Carmelo, de 546 m de altura, vide aqui. Naquele monte desceu fogo do céu, coisa que deverá se repetir pelos falsos profetas do tempo do fim, segundo a profecia. Naquele monte Elias mandou matar os 450 profetas de Baal e também ali ele orou para que chovesse, e assim foi. Também foi no Monte Carmelo que Elias fez descer fogo do céu, para consumir 50 soldados com o seu capitão por duas vezes, que Acazias, rei de Israel mandou ali para prender o profeta (II Reis 1: 9 a 15).

Armagedom é um vale, o de Jesreel, que também se chama Armagedom, ou Megido. A Bíblia fala sobre um lugar que em hebraico se chama Armagedom (Apocalipse 16:16). Mas a batalha final não se restringirá a esse monte. A palavra Armagedom significa um monte. Essa batalha final tem o Armagedom como simbólica. É uma batalha de natureza espiritual, embora certamente, do lado de satanás serão empregadas armas. A batalha será o clímax da guerra entre o bem e o mal. Envolverá todas as nações do mundo contra os seguidores de JESUS CRISTO.

Diz o texto de Apocalipse 16:12 que o derramamento da taça do sexto anjo, a sexta praga, sobre o rio Eufrates, que se secaram para que os reis do mundo inteiro se juntassem naquele vale do Megido ou Armagedom. Se secaram também para que venham os reis do oriente, e isso se refere à segunda vinda de JESUS CRISTO. Ou seja, Roma espiritual perdeu o apoio popular vindo o povo do mundo inteiro a se revoltar contra suas igrejas falsas, e quando isso estiver acontecendo, JESUS, nesses dias, retorna para salvar o Seu povo. Águas significam, em profecia bíblica, multidões (ver Apoc. 17:15). Portanto o secamento moderno do rio Eufrates significa a perda do apoio popular de bilhões de pessoas por parte da besta, a Igreja Católica, percebendo essas multidões que foram enganadas. Isso será uma vingança terrível lá pela sétima praga, quando tiverem visto a mão de DEUS mostrando os Dez Mandamentos que o povo que perseguiam tentava lhes ensinar. Esse conceito de secamento do rio Eufrates vem do tempo em que os Medo-Persas desviaram um braço desse rio que protegia a cidade de Babilônia, e passando por baixo do muro em seco, invadiram a cidade e mataram o rei Belsazar em pleno festejo tomando vinho dos copos do templo de Jerusalém. Isso aconteceu após, atônitos, verem uma escritura na parede contra o rei. Assim, do modo como pelo secamento do rio o inimigo da antiga Babilônia entrou na cidade e a tomou, no fim, não porque se seca um rio, mas porque houve a perda do apoio político popular, Babilônia foi devastada. Leia sobre isso em Apoc. 18:1-20. Assim como os Medo-Persas secaram o rio Eufrates para entrar na cidade, do mesmo modo, DEUS mostrando os Dez Mandamentos faz algo parecido àquele antigo secamento do rio: seca o apoio popular á Babilônia.

Então, resumindo, a batalha do Armagedom não é uma batalha militar, mas espiritual, o desfecho da grande e longa guerra entre satanás e JESUS CRISTO e seus respectivos seguidores, antes do milênio. É um encontro entre satanás mais seus anjos com o povo que o segue contra o povo de DEUS que sabe o que tem que fazer: fugir para o alto. Nenhum do povo de DEUS morrerá nessa batalha, e no momento crucial, DEUS intervirá mostrando os Dez Mandamentos, pelo que ocorre a perda do poder popular e o Armagedom, em vez de ser contra o povo de DEUS, se torna contra a besta e seus líderes, sendo ela devastada.

Então veja só que curiosidade importante: o secamento do rio Eufrates, hoje perda do apoio popular, mais uma vez significa o fim de Babilônia e não o fim do povo de DEUS. De certa forma, se alinharão lado a lado DEUS, com a sétima praga e o povo do mundo inteiro, contra Babilônia. DEUS manda severo granizo bem como terremotos incríveis, e o povão, devastando a todos que os enganaram. Nesse momento, os seguidores de JESUS CRISTO já saberá o dia e a hora da vinda de JESUS CRISTO, estará aguardando esse momento, em paz. Os seus inimigos estarão brigando entre si, e DEUS contra eles, contra a besta bem como contra o próprio povo que devasta a besta. Ou seja, será a maior confusão de todos os tempos entre o arraial de Babilônia, satanás nesse momento perde o comando de tudo. Babilônia é a palavra que significa confusão mesmo, mas que inicialmente queria significar escada para o Céu.

 

  1. Quinta: O Armagedom e o monte Carmelo: parte 2

Elias foi o reformador do culto a DEUS. Ele restabeleceu o funcionamento do altar em Israel, nos dias do rei Acabe, que se casara com Jesabel, uma mulher idólatra que estava levando o povo de DEUS para o seu culto pagão. Ela vinha sendo bem sucedida até que Elias entrou em ação, a mando de DEUS.

Elias, no final dos 3,5 amos de seca, voltou ao rei Acabe, que o procurava para o matar, e ordenou que o rei reunisse todos os profetas de Baal no monte Carmelo, para ali verem quem era o DEUS verdadeiro e quem era o falso. A proposta foi a seguinte: o DEUS que fizesse descer fogo do céu, esse seria o verdadeiro. Haveria dois altares, o dedicado a Baal e o dedicado ao DEUS de Elias. As pessoas do palácio e uma multidão dos arredores iria assistir como testemunhas. O rei também estaria ali, mas Jesabel parece que se recusou assistir o evento. Ela se mordia de raiva contra Elias, na realidade era ela quem estimulava seu marido para matar Elias.

No dia marcado foram todos ao monte Carmelo e Elias disse que os sacerdotes de Baal teriam o privilégio de tentar primeiro. Eles fizeram suas rezas, pularam, dançaram, fizeram barulho cada vez mais alto, gritaram, se flagelaram durante a cerimônia, e nada de descer fogo do céu. Elias parece que se divertia, chegando a propor que gritassem ainda mais alto e se esforçassem muito mais, pois poderia ser que Baal estivesse dormindo, ou entretido com qualquer outra coisa e não percebesse o pedido deles. Na realidade Elias estava levando aqueles profetas à exaustão, e demonstrando perante a multidão a inutilidade daquele deus, que nem existia. Na verdade os deuses pagãos, falsos, eram invenções dos reis para por meio deles manipular as multidões e submetê-las ao seu poder. A multidão assistia perplexa diante da ineficácia dos esforços daquela outra multidão de profetas falsos buscando por um deus falso, que eles mesmos haviam imaginado.

Finalmente chegou a oportunidade de Elias tentar fazer descer fogo do céu. Era lá pela hora do sacrifício da tarde. Elias, calmo e confiante, e isto é fé, muito embora não sabia como DEUS daria a resposta, cria firmemente que seria atendido. Cria tanto que mandou jogar muita água sobre a oferta, tanta que encheu uma valeta circular em redor do altar. O povo assistia isso com curiosidade, talvez achasse que o profeta estivesse exagerando, ou muito confiante. Afinal, Baal não fizera nada, o DEUS de Elias faria alguma coisa? Mas o povo que estava ali eram israelitas, já bastante apostatados, seguindo Baal. Eles se haviam mundanizado, e gostavam dos rituais a Baal, assim como hoje, em nossa igreja, muitos gostam de barulho, bater palmas, usar bateria de tambores, usar modas mundanas, e tudo o mais. Estamos vivendo um paralelismo com aqueles dias. Se os líderes não providenciarem uma reforma ao estilo de Elias, ou de João Batista, DEUS o fará por meio de uma forte sacudidura.

Então Elias calmamente ajoelhou-se e fez uma curta oração. Ele ainda fazia a sua oração e já descia fogo do Céu, que consumiu a oferta, o altar, as pedras e tudo e secou a água. Os profetas de Baal estavam atônitos. O povo, agora estava com Elias, pois viram quem era DEUS de verdade, não o de Jesabel, mas o de Elias. Estava feita a reforma, mas faltava ainda um ato final. DEUS ordenou, por meio de Elias, que o povo se vingasse dos profetas de Baal e os matassem todos, o que foi feito prontamente. Assim também vai haver uma vingança tardia do povo enganado contra seus falsos pastores, durante o Armagedom. Mais uma vez ratificamos, o Armagedom vem para matar o povo de DEUS, mas na realidade, quem vai ser morto são os falsos líderes religiosos do mundo inteiro.

Logo mais, Elias orou pela chuva. Aqui precisava mais fé. Todos assistiam a essa oração também, aliás, o velho profeta orou sete vezes, e na sétima vez apareceu uma pequena nuvem no céu. Elias foi rápido ao rei e disse, vá para o palácio porque vem forte chuva. Elias deveria ir até a cidade e matar também Jesabel, foi até à cidade guiando o carro do rei Acabe, mas não matou Jesabel, acabou fugindo dela.

Nessa história temos um paralelismo com o Armagedom.

O povo de DEUS também fará uma reforma da adoração a DEUS. Ensinará o mundo inteiro sobre a verdadeira adoração, e por fim convidará a todos que saiam de Babilônia. Isso é o alto clamor. Mas do outro lado vai haver uma forte contrafação de engano e sedução, bem como uso do poder para matar os servos de DEUS. É a tríplice aliança comandando a oposição a DEUS. Essa aliança atua desde os tempos de Ellen G. White, mas ainda intensificará sobremaneira as suas ações, chegando a decretar pelo mundo inteiro a morte dos servos de DEUS. É como nos dias de Elias, o conflito entre duas adorações, a DEUS e ao diabo (as pessoas enganadas que adoram ao diabo pensam sempre que adoram a DEUS). Os servos de DEUS ensinarão ao mudo inteiro sobre a verdadeira adoração e denunciarão a falsa. Todos tomarão sua decisão. A obra será concluída e a porta da graça será fechada, vindo as pragas. A falsa trindade dirá que as pragas ocorrem por causa dos servos de DEUS (eles sabem que isso é mais uma mentira, mas mesmo assim, mentem mais uma vez), que não santificam o domingo. As pragas, uma a uma, vão desmantelando a economia da Terra e destroçando o sistema de BabilôniaNa sexta praga, eles já não suportando mais, emitirão o decreto de morte, então haverá a intervenção de DEUS mostrando a todos os Dez MandamentosÉ nesse momento que ocorre outro paralelismo com Elias: o povo se vingará dos falsos profetas, pastores, sacerdotes etc., devastando-os, como está profetizado em Apocalipse 18.

Mas antes disso, dessa vez quem vai fazer descer fogo do céu serão os falsos mestres ou profetas de satanás (nos dias de Elias, satanás apareceu como Baal), para enganar o mundo inteiro, fará aparecer um falso JESUS CRISTO aqui e ali, dizendo que voltou e dizendo que guardem o domingo. O poder do engano será tão grande que o joio de nossa igreja acreditará nisso, e sairá da igreja para unir-se a babilôniapor conveniências de seus interesses pessoais. Mas o trigo não será enganado e continuará firme ao lado de JESUS, pois sabe como será a Sua vinda.

Um apelo final: o joio está hoje introduzindo mundanismo no culto, com canções parecidas a rock, e as pessoas enganadas estão cantando pensando ser louvor a DEUS. Estudem todos os escritos de Ellen G. White sobre essa manifestação final em nossa igreja, pois por ela muitos cairão para a perdição e morte eternas.

 

  1. Resumo e aplicação – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Tema transversal

A batalha do Armagedom é a última antes do fim do mundo, e a penúltima da grande guerra, pois haverá outro conflito no final do milênio. É uma batalha de natureza espiritual, que pode envolver armas contra o povo de DEUS, mas armas não são protagonistas, e sim, a discussão sobre as verdades bíblicas e as mentiras do Catecismo. JESUS CRISTO já alcançou a vitória no tempo em que era ser humano, agora, Ele vai defender Seu povo com o poder de um DEUS. O inimigo tem alguma chance?

Essa batalha envolverá uma overdose de mentiras de um lado, e de outro lado, outra overdose de pregação da verdade, o Alto ClamorOs da mentira irão querer calar os da verdade, pois a verdade desmascara a mentira. É, de um lado, o pânico de satanás vendo seu tempo terminar e sabendo que terá que amargar um milênio numa prisão e depois, a extinção. Isso deixa qualquer um que tenha as ambições dele, completamente louco. Ele fará coisas irracionais. O pior para satanás é que ele sabe muito bem o bom futuro que terão os seguidores de JESUS CRISTO.

 

  1. Aplicação contextual e problematização

Amados irmãos, essa questão do Armagedom não é uma fábula. Preparemo-nos, porque estar, depois, do lado dos perdidos, para quem já esteve nas fileiras dos salvos, vai ser dramático, horrendo, pavoroso.

 

  1. Informe profético de fatos recentes

Aliança global pela solução dos problemas do planeta

Disse o papa: ““Na mudança de época que estamos a viver, é preciso um compromisso não só para o encontro entre as pessoas, as culturas e os povos, por uma aliança de civilizações, mas também para vencer, todos juntos, o desafio epocal de construir uma cultura partilhada do encontro e uma civilização global da aliança”, declarou, perante milhares de pessoas reunidas diante do Santuário de “Maria Theotokos”.” Ou seja, as profecias sobre uma unidade internacional comandada pela tríplice aliança está se consolidando. Veja a reportagem aqui.

 

Unidade religiosa no mundo

Assim também avança o diálogo inter-religioso. Há dois poderosos movimentos para unir as igrejas do mundo inteiro para a batalha final: o Ecumenismo, que é a união entre os cristãos, divididos em mais de 30 mil igrejas, e o Diálogo Inter-religioso, a união dos cristãos com as outras religiões, filosofias, etc., que une todo o planeta. Um e outro são comandados pela Igreja Católica. Veja algo sobre isso nesses dois links: 12.

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“A batalha do Armagedom logo deverá ferir-se. Aquele em cujas vestes está escrito o nome “Rei dos reis e Senhor dos senhores” (Apoc. 19:16) deverá, dentro em breve, comandar os exércitos do Céu. Não poderá ser dito agora pelos servos do Senhor, como o foi pelo profeta Daniel: “Uma guerra prolongada.” Dan. 10:1. Não falta senão pouco tempo para que as testemunhas de Deus tenham feito o seu trabalho de preparação do caminho para o Senhor” (Testemunhos Seletos, v. 3, 13).

 

  1. Conclusão

“Chegará o estrondo até à extremidade da Terra, porque o Senhor tem contenda com as nações, entrará em juízo contra toda carne; os perversos entregará à espada, diz o Senhor. Jer. 25:31.

“Seis mil anos esteve em andamento o grande conflito; o Filho de Deus e Seus mensageiros celestiais estavam em conflito com o poder do maligno, a fim de advertir, esclarecer e salvar os filhos dos homens. Agora todos fizeram sua decisão; os ímpios uniram-se completamente a Satanás em sua luta contra Deus. Chegado é o tempo para Deus reivindicar a autoridade de Sua lei que fora desprezada. Agora a controvérsia não é somente com Satanás, mas também com os homens. “O Senhor tem contenda com as nações”; “os ímpios entregará à espada”.

“O sinal de livramento foi posto sobre aqueles “que suspiram e que gemem por causa de todas as abominações que se cometem”. Agora sai o anjo da morte, representado na visão de Ezequiel pelos homens com as armas destruidoras, aos quais é dada a ordem: “Matai velhos, mancebos, e virgens, e meninos, e mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; e começai pelo Meu santuário.” Diz o profeta: “E começaram pelos homens mais velhos que estavam diante da casa.” Ezeq. 9:1-6. A obra de destruição se inicia entre os que professaram ser os guardas espirituais do povo. Os falsos vigias são os primeiros a cair. Ninguém há de quem se compadecer ou a quem poupar. Homens, mulheres, donzelas e criancinhas perecem juntamente” (Maranata, o Senhor Vem, MM 1977, 294).