Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DA ESCOLA SABATINA - TERCEIRO TRIMESTRE DE 2018

Prisão de Paulo em Jerusalém -Lição 11

Lição 11 – 3º trimestre 2018

Download “Lição-11-Prisão-de-Paulo-em-Jerusalém-.pdf”Lição-11-Prisão-de-Paulo-em-Jerusalém-.pdf – Baixado 14 vezes – 2 MB

INTRODUÇÃO

DiretoaoPonto: A determinação de Paulo de ir a Jerusalém no fim de sua terceira viagem, estava ligada a dois fatores: amor genuíno por seus irmãos judeus (Rm 9:1-5); e unidade cristã (Gl 3:28; 5:6). Ao apresentar o esboço resumido em slides para a lição desta semana, o propósito é usar uns dez minutos do tempo fazendo uma abordagem histórica – resumida à base da sequencia temática acima apresentada. A leitura dos capítulos 21 à 23 de atos é base para esta apresentação.

Comentário da lição: Concentre-se no fato de que, no final da experiência em Jerusalém, Deus encorajou Paulo dizendo que ele tinha cumprido sua missão de testemunhar ali e também daria seu testemunho em Roma, apesar de todos os desafios que enfrentaria. A narrativa da viagem de Paulo a Jerusalém, e do tempo que ele passou ali, concentra-se na tentativa do apóstolo de se identificar com os judeus e ligar a fé cristã às suas raízes judaicas, na esperança de compartilhar o evangelho com os líderes judeus em Jerusalém mais uma vez. Ajude a classe a reconhecer que cada passo que levou à prisão de Paulo em Jerusalém era parte do fiel cumprimento de seu chamado para compartilhar o evangelho de Jesus Cristo.(LP, pág.145).

DOMINGO, ao ponto!

DiretoaoPonto: Encontrando os líderes de Jerusalém. A ênfase na sua abordagem deverá ser sobre a importância da obediência e o cuidado para não parecer legalista. Leia Atos 21:18-22.

Comentário da lição: Paulo foi aconselhado a ser politicamente correto. Ele devia mostrar a falsidade dos rumores a seu respeito fazendo algo bem “judeu”: financiar o voto de nazireado de alguns cristãos judeus. Infelizmente, Paulo cedeu. Os heróis, inclusive os bíblicos, têm suas falhas, como podemos ver na vida de Abraão, Moisés, Pedro e vários outros. (LP, pág. 137)

Dessa vez, no entanto, Paulo foi transigente. Sua ação endossou as motivações legalistas por trás da recomendação que lhe fora feita. A implicação de sua atitude era exatamente aquela que ele tentava vigorosamente combater: a ideia de que havia dois evangelhos, um para gentios, de salvação pela fé, e outro para judeus, de salvação pelas obras. Paulo, porém, “não estava autorizado por Deus para ceder tanto quanto pediam” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 405).

SEGUNDA, ao ponto!

DiretoaoPonto: Tumulto no templo. O ponto chave aqui é a tradição e a atitude de purificação a que Paulo se submeteu, aceitando a sugestão dos líderes da igreja em Jerusalém.

Comentário da lição: Paulo precisou se submeter a um ritual de purificação de sete dias para participar da conclusão do voto daqueles homens (Nm 19:11-13). Ao mesmo tempo, a tradição judaica determinava que qualquer pessoa proveniente de terras gentílicas estava impura e não podia entrar no templo. Por essa razão, Paulo teve que se purificar antes de ir até os sacerdotes para avisá-los de seu processo de purificação relacionado aos nazireus (At 21:26). Leia Atos 21:27-36. (LP, pág. 138)

TERÇA, ao ponto!

DiretoaoPonto: Diante da multidão. Como Estevão, como Pedro, Paulo também – diante da multidão, relata a história de sua conversão. O melhor argumento não é a doutrina, mas o testemunho pessoal, embora isso tenha trazido sérias implicações.

Leia o discurso de Paulo (At 22:1-21). Quais são as evidências de que, além de se defender, ele também estava pregando para seus irmãos judeus? Por que ele contou sua história de conversão? Por que histórias de conversão podem ser tão poderosas? (LP, pág. 139)

QUARTA, ao ponto!

DiretoaoPonto: Perante o Sinédrio. Na sua narrativa, lembre que Jesus passou pela mesma experiência de ser confrontado pelo sinédrio. Jesus foi esbofeteado (Lc 22:63; Jo 18:22) Paulo, também.

Comentário da lição: A declaração de Paulo (At 23:6), no entanto, foi mais do que uma tática inteligente para distrair o Sinédrio. Uma vez que o encontro com o Jesus ressuscitado na estrada de Damasco era o fundamento de sua conversão e ministério apostólico, a crença na ressurreição era a verdadeira questão pela qual ele estava sendo julgado (At 24:20, 21; 26:6-8). (LP, pág. 140)

QUINTA, ao ponto!

DiretoaoPonto: Transferência para Cesareia. Conspiração e libertação, demonstrada nas ações contra Paulo e na intervenção a favor dele, pela providência Divina.

Para reflexão: Pense na providência de Deus na vida de Paulo. Com que frequência você tem reconhecido humildemente a providência de Deus em sua vida, apesar das provações e dos sofrimentos que possa ter passado?

CONCLUSÃO ao ponto

DiretoAoPonto: Aqui está o ponto alto da lição e onde devemos tomar mais tempo. São três perguntas que fazem aplicação do relato histórico apresentado, com a nossa história. Ouvir os alunos na classe será uma oportunidade de “medir” a compreensão aplicada ao cotidiano.

Comentário da lição: A história do retorno de Paulo a Jerusalém, no final de sua terceira viagem missionária, bem como os acontecimentos que se seguiram estão de acordo com o chamado de Deus a Paulo para que ele compartilhasse o evangelho. Em 1 Coríntios 9:19-22, Paulo disse que havia se tornado muitas coisas para que pudesse alcançar tantos grupos de pessoas diferentes quanto possível com a mensagem do evangelho. (LP, pág.145)

Resumo: Quando fazemos as coisas certas no serviço de Deus, não há garantia de que estaremos seguros. Mas sabemos que Deus não nos abandona. Em vez disso, Ele nos dá a coragem de que precisamos para perseverar. (LP, pág. 144)