Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2017

Resumo da Lição 10
Filhos da promessa

TEXTO-CHAVE: Romanos 9

O ALUNO DEVERÁ

Saber: Que Deus não abandonou Israel e que Ele deseja salvar todos: judeus e gentios.

Sentir: Desenvolver uma compreensão convincente de que, embora Deus deseje salvar todos, somente Ele escolhe quem desempenha missões específicas em Seu reino.

Fazer:Buscar esclarecer a diferença entre aqueles que Deus salva e aqueles a quem Ele designa como seus agentes de salvação.

ESBOÇO

I. Saber: Como Deus redime os perdidos

A. Qual foi a razão pela qual Israel não compreendeu seu destino divino?

B. Por que Deus jamais fez uma aliança incondicional para salvar algum povo ou grupo religioso?

II. Sentir: A paciência de Deus para com as falhas de Israel

A. A rejeição e a crucifixão de Cristo por parte dos judeus poderiam ter feito com que Deus rejeitasse a nação, mas por que Deus não rejeitou completamente Israel?

B. Você já desperdiçou uma importante oportunidade de trabalho, mas teve uma segunda chance? Por favor, compartilhe sua reação a essa bênção especial.

III. Fazer: Submeter-se à vontade de Deus

A. Por que alguns invejam o ministério de outros?

B. É Deus quem determina os dons espirituais que serão concedidos a cada pessoa. O que esse fato demonstra sobre a divina designação para o serviço?

RESUMO: É importante tentar compreender a vontade divina de salvar todos, judeus e gentios, e esclarecer que Ele escolhe quem Ele deseja para alcançar os perdidos.

Ciclo do aprendizado

Motivação

Focalizando as Escrituras: Romanos 9

Conceito-chave para o crescimento espiritual: É essencialmente importante compreender que Deus não predetermina a salvação eterna de ninguém. No entanto, Ele determina quem cumprirá Sua ordem quando se trata das tarefas missionárias e dons espirituais. Numa vida de testemunho e serviço cristão, há uma grande bênção em fazer parte dos propósitos redentivos de Deus.

Para o professor: Deus não predetermina a salvação pessoal de ninguém. No entanto, o Senhor é soberano quando se trata do destino de Israel como testemunha missionária escolhida por Ele para alcançar a humanidade perdida. Assim, a pergunta-chave desta semana é: Como Deus Se relaciona com as falhas de Seu povo do Antigo Testamento no contexto de Seu desejo de salvar judeus e gentios?

Discussão inicial: Ao ler Romanos 9, já surgiram em sua mente perguntas a respeito da aparente irresistível predestinação divina, especialmente questões relacionadas à salvação pessoal do pecado e da morte eterna?

Perguntas para discussão

1. Na natureza divina, o que nos assegura que Ele não é um Ser que predetermina o destino eterno de todos de maneira irresistível?

2. Por que Paulo parece tão preocupado com a salvação dos judeus?

3. Considere a evidente preocupação de Paulo com o que tem sido chamado “a questão judaica” em Romanos 9. O que contribuiu para a angustiante perplexidade de Paulo pelo fato de que os judeus estavam resistindo ao evangelho, enquanto grande número de gentios alegremente afluíam para as igrejas e voluntariamente o abraçavam?

Compreensão

Para o professor: Embora desejemos justificar o anseio divino de salvar todos os seres humanos pecadores, a principal questão de Romanos 9 é: Como Deus pretende finalmente redimir os israelitas (judeus), a despeito das falhas deles no passado? Por isso, precisamos seguir cuidadosamente a argumentação de Paulo que tentará justificar as divinas providências redentoras ao salvar todos: judeus e gentios.

Comentário bíblico

I. A preocupação de Paulo e seu propósito para judeus e gentios

(Recapitule com a classe Rm 9:1-13.)

Nesses versos, Paulo tentou demonstrar que o plano de Deus para usar Israel não falhou completamente, e ainda está produzindo um “remanescente” da semente de Abraão. Portanto, embora Deus tenha sido seletivo, Sua vontade de salvar os perdidos certamente tem sido efetuada, ainda que lentamente. Por exemplo, Abraão, o pai da nação judaica, foi escolhido, e ele (pela fé nas promessas e no poder de Deus) gerou um filho chamado Isaque; e, pela fé, Isaque gerou a Jacó, o progenitor direto das tribos de Israel. Embora Deus tenha enfrentado algumas complicações, de maneira firme, persistente e providencial, Ele está suscitando uma “semente” fiel, ou filhos redimidos. E esses filhos do milagre estão se tornando Seus progenitores de Israel e agentes de salvação neste mundo atormentado pelo pecado e desespero.

Pense nisto: Embora Deus tenha sido seletivo na escolha de Seus servos especiais, que evidência temos de que o Senhor não tem sido arbitrário na escolha das pessoas que Ele salva?

II. Mensageiros escolhidos por Deus para o mundo

(Recapitule com a classe Rm 9:14-24.)

Paulo continuou seu argumento citando Êxodo 33:19 e 9:16 para enfatizar que Deus terá “misericórdia de quem” Ele escolher. Ele demonstrará Sua “compaixão” e Seu “poder […] por toda a Terra” (Rm 9:15, 17). Paulo também apresentou o soberano “poder” de Deus na ilustração do divino Oleiro, que tem a prerrogativa de moldar o barro como Ele preferir (Rm 9:19-24). Assim, Deus é Aquele que está no comando quando se trata de decidir quem fará Sua vontade missionária na Terra.

Pergunta para discussão: Deus está no controle quanto à escolha dos Seus agentes missionários. Esse fato nega Sua competência para conceder aos seres humanos o direito de escolher aceitar ou rejeitar a salvação eterna? Por quê?

III. Deus está no comando de Sua missão de salvar o mundo

(Recapitule com a classe Romanos 9:25-33.)

Separe um tempo para examinar as passagens do Antigo Testamento citadas por Paulo e que profetizam acerca da missão divina aos gentios (por exemplo, Os 2:23; 1:10; Is 10:22, 23; 1:9; 13:19).

Pense nisto: Nesses versos, quais evidências indicam a paixão de Deus para salvar judeus e gentios?

IV. Oferta universal de salvação

(Recapitule com a classe 1Tm 2:3, 4; 4:10; Jo 3:16; Tt 2:11; e 2Pe 3:9.)

Esses textos para recapitulação claramente testificam de uma oferta universal de salvação. Mas como essas passagens se relacionam com a tese de Paulo acerca da soberania divina ao escolher Israel para cumprir Sua tarefa missionária?

Para responder a essa pergunta, vamos considerar cinco textos que falam claramente da salvação relacionada à graça redentora e ao livre arbítrio:

1. “Deus, nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos” (1Tm 2:3, 4).

2. “Deus vivo, Salvador de todos os homens, especialmente dos fiéis” (1Tm 4:10).

3. “Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3:16).

4. “A graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens” (Tt 2:11).

5. “O Senhor […] é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2Pe 3:9).

Pense nisto: Releia a pergunta que iniciou esta seção: Como devemos entender esses versos bíblicos? Para responder, pense no seguinte argumento: se, em Romanos 9, Paulo quisesse dizer que Deus irresistivelmente predeterminou a salvação a todas as pessoas, independentemente da sua resposta ao evangelho, dada livremente, com base na graça e na fé, então encontramos nas Escrituras uma grave contradição. O que deve ser feito acerca desse suposto problema? Pareceria “lógico” concluir que o tema do grande conflito estivesse desprovido de seu poder interpretativo para explicar a origem do pecado e do sofrimento. O terrível resultado dessa conclusão seria que Deus Se tornaria a causa única do mal e o Doador de uma arbitrária salvação do salário do pecado. Como uma correta compreensão da verdade bíblica em Romanos 9 anula essa falsa suposição?

Aplicação

Para o professor: Convide seus alunos a pensar na última pergunta acerca da dinâmica do tema do grande conflito no passo anterior e, então, discuta as perguntas abaixo:

Perguntas para reflexão

1. A filosofia e a teologia frequentemente mencionam o tema da “teodiceia”, ou seja, a questão de como lidar com o assunto de vindicar ou “julgar” adequadamente a Deus diante do problema do sofrimento e da tristeza. Como você tem lutado para compreender o problema do mal?

2. Como nossa explicação de Romanos 9 faz sentido no contexto do desdobramento do argumento de Paulo em Romanos? Ou nós introduzimos inadequadamente o tema relacionado ao “livre-arbítrio” e à “livre graça”, que é alheio ao pensamento geral de Paulo? Comente.

3. É justo colocar Paulo na narrativa mais ampla do cânon bíblico quando se trata das várias passagens acerca do livre-arbítrio e da graça citadas acima?

4. Como o grande conflito apresenta uma explicação satisfatória do problema do mal e da inconcebível quantidade de sofrimento humano e de perda manifestados na história deste mundo?

Criatividade e atividades práticas

Para o professor: Enquanto seus alunos discutem Romanos 9 e a luta de Paulo com “a questão judaica”, tente levá-los a se identificarem de maneira solidária com Paulo e suas preocupações missionárias para com os judeus e gentios.

Atividades

1. Oriente os alunos a reler Romanos 9:1-4, que apresenta a angustiada e desesperada confissão de Paulo sobre sua preocupação com a salvação dos judeus.

2. Após refletir sobre sua experiência de testemunho e serviço cristão, pergunte (primeiro individualmente e depois em grupo) se vocês já atingiram o ponto de estar dispostos a morrer “com” (a exemplo de Moisés) ou “pelos” (a exemplo de Paulo) cristãos e não cristãos.

3. Em Romanos 9:30-33, enquanto Paulo ponderava sobre as diferentes maneiras pelas quais “Israel” (principalmente os “judeus” do primeiro século) e os “gentios” se relacionavam com o evangelho, ele comparou as duas experiências contrastantes daqueles que perseguiram “a lei de justiça” (Rm 9:31). Ele identificou essas duas experiências como (1) “a justificação [...] da fé” (Rm 9:30) e (2) “obras da lei” (Rm 9:32, ARC). Quais seriam algumas características essenciais que poderiam auxiliar os seguidores de Cristo a distinguir as experiências baseadas na “fé” daquelas fundamentadas nas “obras da lei”?

Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?