Leia: O ANO BÍBLICO com a bíblia NVI e a Meditação Matinal - Maranata, O Senhor Vem! - Ellen G.White

LIÇÃO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2017

Lição 10

Filhos da Promessa

 

Autor: Pr. Clacir Virmes Junior, professor de Teologia na FADBA – Cachoeira, Bahia

Editor: André Oliveira Santos: andre.oliveira@cpb.com.br

Revisora: Josiéli Nóbrega

 

Introdução

O capítulo 9 de Romanos é um dos mais desafiadores de toda a Escritura. Ele forma uma unidade com os capítulos 10 e 11, os quais estudaremos na próxima semana. A questão é que muitos veem nele base para defender a ideia da predestinação, no sentido de que Deus escolheu alguns para que sejam salvos e outros para que se percam. Conforme a lição, não é esse o tema da exposição de Paulo. Ele ainda estava falando sobre a salvação para todos, como fez em toda a epístola, mas agora ele se voltou para perguntas que seus leitores poderiam estar fazendo ao ler tudo que ele ensinou nos capítulos anteriores.

O fardo de Paulo

Paulo iniciou a discussão em Romanos 9 deixando transparecer sua preocupação com seu povo. Suas palavras ecoam o sentimento de Moisés quando ocorreu a apostasia de Israel, conforme registrado em Êxodo 32:32. Vemos aqui o mesmo amor, a mesma preocupação com as pessoas. O apóstolo tinha uma missão especial no mundo gentio, mas ele ainda amava seus compatriotas. Ele queria que eles também usufruíssem das bênçãos que tinham sido profetizadas no Antigo Testamento e se cumpriram em Cristo.

Romanos 9:5 é um verso importante para nossa compreensão sobre quem é Jesus. Paulo afirmou inequivocamente que Cristo, o Descendente dos patriarcas segundo a carne, é também “Deus bendito sobre todos”. Jesus, da perspectiva humana, foi um judeu que viveu no primeiro século e andou pelas estradas empoeiradas da Palestina. Por outro lado, Paulo disse que essa não é toda a história. Cristo é “Deus bendito sobre todos”. Essa é uma das mais claras afirmações neotestamentárias sobre a plena divindade de Jesus.

A partir do verso 6, o apóstolo começou a abordar questões que provavelmente surgiriam na cabeça dos judeus cristãos de Roma após a leitura de toda a exposição de Paulo entre os capítulos 1 e 8. O que fazer com toda a história de Israel descrita nas Escrituras? Como explicar que, aparentemente, o plano de Deus para Seu povo havia falhado? Para Paulo, a primeira parte da resposta é simples: nem todos os israelitas são descendentes de Abraão. Não é o nascimento que salva o israelita. Para ser um verdadeiro descendente de Abraão, ele precisa crer nas promessas de Deus, especialmente na grande promessa do Messias cumprida em Cristo (cf. Gl 3:7).

Eleitos

Um dos versículos mais controversos na epístola é a citação de Malaquias 1:2 a 3, em Romanos 9:13: “Amei Jacó, porém me aborreci de Esaú”. Várias soluções já foram propostas para a interpretação do verso. Contudo, no contexto da explanação paulina, amar Jacó e aborrecer Esaú parece ser a maneira de Deus dizer que escolheu um em vez do outro para ser o canal por onde o mundo seria abençoado.

Isso está de acordo com a exemplificação dada por Paulo, que iniciou com Ismael e Isaque nos versos 6 a 9. Ismael também era filho de Abraão, mas Isaque foi o escolhido para ser o patriarca através do qual se cumpririam as promessas de bênçãos sobre todas as famílias da Terra (cf. Gn 12:1-3). De idêntica maneira, embora Esaú fosse o mais velho, Deus escolheu Jacó para dar continuidade ao plano de redimir todos os seres humanos.

O que não se pode perder de vista aqui é que Paulo estava lidando com a eleição de Israel para sua missão, não com uma eleição exclusivista para a salvação. Mais adiante, em Romanos 11:32, o apóstolo retoma numa sentença toda a discussão dos capítulos 1 a 3, para mostrar que Deus tem misericórdia de todos. Contudo, escolheu Israel no passado e escolhe a igreja hoje para ser o meio pelo qual todos, sem exceção, ouçam as boas-novas da salvação.

Mistérios

A seção dos versos 17 a 24 de Romanos 9 focaliza a soberania de Deus. Mais uma vez, é importante lembrar que, nesse texto, Paulo não estava lidando primariamente com a salvação. Ele estava abordando a ideia da eleição de Israel como nação missionária no grande plano da redenção e, agora, introduz a figura do faraó do Egito no contexto do Êxodo.

Por dez vezes no relato do Êxodo é dito que Deus endureceu o coração de faraó (Êx 4:21; 7:3; 9:12; 10:1; 10:20; 10:27; 11:10; 14:4, 8, 17). Ao mesmo tempo, em 5 versos é dito que o coração de faraó se endureceu (Êx 7:13; 7:22; 8:19; 9:7; 13:15). Em outras ocasiões é dito que Faraó endureceu o seu próprio coração (Êx 8:32; 9:34; 1Sm 6:6) e uma vez foi registrado que seu coração já estava endurecido (Êx 9:35). Assim, ao mesmo tempo em que a Bíblia atribui ao Senhor o endurecimento do coração de Faraó, ela também fala da responsabilidade, ou da escolha, do próprio faraó. O que quer que pensemos sobre a soberania de Deus, ela não oblitera o livre-arbítrio das pessoas.

Nem sempre conseguimos entender essa tensão entre soberania divina e a liberdade de decisão que Ele nos deu. Mas pelo próprio contexto da epístola de Romanos, temos a certeza de que o Senhor não escolhe ninguém para a perdição. É por isso que Romanos 9:24 diz que Deus chamou pessoas tanto entre os gentios quanto entre os judeus. Deus quer todos.

Ammi: “Meu povo”

Com base em Oseias e Isaías, Paulo mostrou que, mesmo que nem todos os israelitas aceitem a graça e as reivindicações do Senhor, sempre haverá um remanescente. O apóstolo já havia declarado anteriormente que nem todos os que nasceram como israelitas são verdadeiramente israelitas. Muitos podem declarar que pertencem ao povo de Deus, mas apenas o remanescente, os verdadeiros israelitas, serão salvos. Quem são eles? Aqueles que se voltam para o Senhor, ainda que tenham se afastado Dele em algum momento de sua vida.

No contexto escatológico, Deus tem seu remanescente visível que Ele elegeu, como fez com Israel, para levar adiante Seu plano de abençoar todas as famílias da Terra no contexto dos últimos dias (Ap 14:6, 7). Ao mesmo tempo, o Senhor tem um remanescente invisível, pessoas que só precisam ser despertadas para as verdades especiais para o nosso tempo, para que se voltem das práticas que não estão de acordo com Sua vontade. No final, haverá um só povo do Senhor. O povo que aceitou o sacrifício de Jesus e O aceitou como Seu Salvador; o povo que foi transformado por Sua graça e viveu de acordo com Sua lei.

Tropeço

No final de Romanos 9, Paulo se voltou para o real problema com seus compatriotas. Os gentios, que não buscavam a salvação, a encontraram. Eles não tinham as vantagens que Israel tinha. Não haviam recebido a revelação especial de Deus através de Suas Escrituras. Contudo, ao conhecerem o plano da redenção, eles o abraçaram, creram e foram salvos.

Por outro lado, os israelitas queriam ser salvos. Eles conheciam a vontade revelada do Senhor. Porém, queriam alcançar a redenção por causa das vantagens que tinham, pois confiavam em sua própria força e não no Redentor. Eles não conseguiram discernir em Cristo a sua salvação. A pedra que teria erguido o edifício de sua vida foi rejeitada porque não se encaixava em seus preconceitos. Corremos o mesmo risco hoje como os israelitas do passado. Podemos ficar tão absortos com nossas próprias tradições, com nossas próprias conquistas, que nos esquecemos de que é Jesus quem deve ser o centro e a circunferência de nossa vida.

Conclusão

Nem todos os israelitas rejeitaram Jesus. O livro de Atos dos Apóstolos e as próprias cartas de Paulo mostram que muitos judeus piedosos, sacerdotes, fariseus e escribas aceitaram o evangelho. Mas o evangelho prosperou muito mais entre os gentios do que entre os judeus. Apesar do desejo de Deus de salvar o povo que Ele elegera para ser um vaso de honra, de bênção para as nações do mundo todo, nem todos aceitaram Seu convite. Como adventistas do sétimo dia, também fomos chamados para dar uma mensagem especial num momento especial da história. Precisamos tomar para nós a lição de não permitir que nosso orgulho e triunfalismo tirem de nossa mente que o centro de tudo não é nossa missão, mas o Cristo que nos deu a missão.

Autor do comentário: Clacir Virmes Junior é graduado em Sistemas de Informação (2005) pela Universidade do Oeste de Santa Catar